Restos mortais carbonizados dão novas indicações sobre rituais fúnebres do período Neolítico

L. Maher, D. Macdonald / EFAP

Uma equipa de investigadores encontrou os restos mortais de uma mulher que foi queimada na Jordânia há mais de 20 mil anos. Esta descoberta demonstra que as crenças em relação à morte mudaram muito antes daquilo que se pensava.

Afinal, os caçadores do Médio Oriente mudaram o seu relacionamento com os mortos há quase 20 mil anos. Esta é uma conclusão que os especialistas tiram depois da descoberta dos restos mortais de uma mulher numa cabana de um acampamento sazonal.

Os investigadores acreditam que os enterros de pessoas em casas ou outras estruturas se tenham originado em vilas agrícolas do período Neolítico ao redor do Médio Oriente, há cerca de 20 mil anos, e não há 10 mil como se pensava anteriormente.

A nova descoberta sugere que os habitantes do Neolítico daquela região começaram a associar os mortos a estruturas particulares, numa altura em que grupos de caçadores acampavam, durante uma parte do ano, num local de caça e comércio no leste da Jordânia, relata o artigo publicado no March Journal of Anthropological Archaeology.

O sepultamento de mortos dentro de casas e a queima destas são rituais bem conhecidos desde os períodos neolíticos posteriores, embora a sua combinação como prática mortuária seja rara.

No entanto, para o início do Epipalaeolítico, a queima de uma estrutura que contém a deposição primária de restos mortais é uma novidade e significa um aparecimento precoce da queima intencional de corpos como um ritual fúnebre, recorda o Science News.

Várias escavações no antigo local, agora chamado de Kharaneh IV, revelaram o esqueleto de uma mulher parcialmente carbonizado dentro de uma cabana que foi também incendiada. O corpo da idosa foi colocado de lado com os joelhos flexionados, sendo que algumas análises de padrões de carbonização sugerem que terá sido colocado dentro da cabana pouco antes da estrutura de madeira ser intencionalmente queimada.

A nova descoberta em Kharaneh IV “relaciona a morte de uma pessoa e a destruição ou morte de um prédio como parte de um ritual funerário”, diz Lisa Maher, uma das autoras do estudo. A arqueóloga e a sua equipa suspeitam que a cabana seria o local onde a mulher e a sua família viviam.

O uso do fogo neste tipo de situações pode significar algum tipo de transformação, renascimento, limpeza ou ciclo de vida ou morte, sugere a arqueóloga.

Ana Isabel Moura Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Bernie Madoff, autor de uma das maiores fraudes da história, morreu aos 82 anos

Bernard Madoff, um dos homens mais célebres da crise financeira de 2008, morreu na prisão federal de Butner, na Carolina do Norte, noticia a agência Associated Press, citando fonte do próprio estabelecimento prisional. Em dezembro de …

Dinamarca desiste da vacina da AstraZeneca. É o primeiro país da Europa a tomar a decisão

A Dinamarca anunciou esta quarta-feira que desistiu de usar a vacina para a covid-19 da AstraZeneca devido aos efeitos secundários "raros, mas graves". Já a Alemanha decidiu administrar outra vacina nas segundas doses a quem …

Medida "excessiva". PSD vai pedir a apreciação parlamentar do prolongamento do teletrabalho até final do ano

O PSD vai pedir a apreciação parlamentar do prolongamento do teletrabalho até final do ano, considerando a medida "excessiva". O ECO avança, esta quarta-feira, que o PSD vai pedir, ainda esta semana, a apreciação parlamentar do …

Portugal regista mais 684 casos e 8 mortos. Incidência da doença a subir

O boletim epidemiológico desta quarta-feira indica que Portugal registou nas últimas 24 horas, 684 novos casos de covid-19 e mais 8 óbitos. Segundo o boletim da DGS o país tem 447 doentes com covid-19 internados, dos …

Acesso ao Ensino Superior terá as mesmas exceções do ano passado

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior disse, esta terça-feira, que o acesso ao Ensino Superior terá, este ano, as mesmas medidas excecionais implementadas no ano passado devido à pandemia da covid-19. "Olhar para a …

Europa vai receber mais 50 milhões de vacinas da Pfizer ainda este mês

Depois de se saber que a UE não vai renovar os contratos com a Astrazeneca e Johnson & Johnson no próximo ano, a Comissão Europeia anunciou que a Pfizer vai fornecer 50 milhões de doses …

Agente que matou Daunte Wright e chefe da polícia demitiram-se. Mas os protestos continuam

A polícia que matou a tiro um jovem afro-americano em Brooklyn Center, nos Estados Unidos, no domingo, e o chefe da polícia local demitiram-se. Mas os protestos continuam na cidade. Mike Elliott, mayor de Brooklyn Center, …

Família de Ihor pondera recorrer se inspetores não forem condenados por homicídio

A família de Ihor Homenyuk está a ponderar recorrer se os três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) forem condenados por ofensas à integridade física agravada e não por homicídio qualificado. A notícia é …

"Sofagate". Michel pede desculpa a Von der Leyen por falta de reação a incidente em Ancara

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, pediu esta terça-feira solenemente desculpa à líder da Comissão Europeia (UE) pela falta de reação ao "desplante diplomático" protagonizado por Ancara na semana passada. Von der Leyen destacou …

Altice Portugal acredita que "SIRESP vai acabar a 30 de junho"

O presidente da Altice Portugal disse que a empresa não teve "qualquer tipo de contacto por parte do SIRESP" sobre a continuidade do contrato, pelo lhe parece que a rede de emergência "vai acabar no …