“Responsabilidade de todos”. Portugal pode vir a acolher até 100 refugiados do campo de Moria

António Cotrim / Lusa

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, confirmou esta quarta-feira que Portugal manifestou disponibilidade para acolher até 100 migrantes provenientes do campo de Moria, na ilha grega de Lesbos.

“O Governo português manifestou a sua disponibilidade para acolher até 100 pessoas provenientes desse campo num esforço conjunto da União Europeia para apoiarmos a Grécia”, disse o chefe da diplomacia portuguesa à Lusa.

Augusto Santos Silva apontou que é necessário um trabalho dos “europeus em conjunto” para que as condições de acolhimento de refugiados e requerentes de asilo “possam melhorar”.

“Essa não é apenas, nem sobretudo, uma responsabilidade grega, é uma responsabilidade de todos nós”, disse, acrescentando que Portugal teve de se “mobilizar de imediato para apoiar a Grécia neste momento muito difícil”.

Augusto Santos Silva falou à margem da tomada de posse de Cristina Moniz para o cargo de vice-presidente do Conselho Diretivo do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, uma cerimónia realizada esta tarde, na sede do instituto, em Lisboa.

A Alemanha confirmou hoje que vai acolher 1553 refugiados provenientes da Grécia, depois de um acordo firmado entre a chanceler do país, Angela Merkel, e o ministro alemão do Interior, Horst Seehofer.

Na semana passada, o próprio Seehofer anunciou que Alemanha e França acordaram em receber um grupo de 400 menores de Moria, sendo que a Alemanha receberia entre 100 e 150.

Este acordo consiste em que os restantes sejam transferido para outros oito países europeus – Finlândia, Luxemburgo, Holanda, Eslovénia, Croácia, Portugal e Bélgica, mais a extra comunitária Suíça – que também os aceitaram.

As infraestruturas do campo de refugiados de Moria ficaram destruídas na sequência de um enorme incêndio.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.