Foi resolvido o mistério dos milípedes que fizeram parar comboios no Japão

Durante mais de um século, milhares de milípedes venenosos invadiram as linhas de comboio nas densas montanhas do Japão, forçando mesmo os veículos a parar. Estes artrópodes apareciam de vez em quando e, depois, desapareciam novamente durante anos a fio. Agora, os cientistas descobriram porquê.

Tal como conta o site Live Science, os operadores de comboios japoneses observaram este surto, pela primeira vez, em 1920. De acordo com vários relatos, os milípedes, da espécie Parafontaria laminata armigera, voltavam a cada oito anos ou depois disso, formando uma manta cada vez mais densa onde era impossível passar.

Em 1977, Keiko Niijima, investigador do Instituto de Pesquisa de Produtos Florestais e da Exploração Florestal, foi o primeiro a propor que estes artrópodes, que ficaram conhecidos como “milípedes dos comboios”, poderiam ter um ciclo periódico de oito anos.

Agora, o mesmo investigador, juntamente com os professores Momoka Nii e Jin Yoshimura, confirmou essa teoria num estudo publicado, a 13 de janeiro, na revista científica Royal Society Open Science.

Estes longos ciclos de vida “periódicos” – nos quais uma população passa pelas diferentes fases da vida ao mesmo tempo – só tinham sido confirmados em algumas espécies de cigarras, com ciclos de vida de 13 e 17 anos, bem como em bambus e outras plantas.

“Este milípede é o primeiro artrópode não-inseto entre todos os organismos periódicos”, disse Yoshimura, o autor sénior do artigo científico e professor emérito do departamento de Matemática e Engenharia de Sistemas da Universidade de Shizuoka.

Ao longo de vários anos, os cientistas recolheram milípedes das montanhas em Honshu e conduziram pesquisas com estas criaturas. Para determinar as suas etapas de vida, a equipa contou o número de pernas e os segmentos no seu corpo, já que estes são específicos da idade de um milípede.

Segundo o mesmo site, os investigadores descobriram que as várias ninhadas desta população têm cada uma a sua própria sincronização. Por outras palavras, uma ninhada pode estar ainda nos ovos, enquanto outra pode estar já na fase adulta. Cada população percorre todo o seu ciclo de vida em oito anos.

Relativamente à ninhada de milípedes que aparece de forma periódica nas linhas ferroviárias, os cientistas dizem que os artrópodes estão apenas a tentar chegar a novas áreas de alimentação, que por vezes estão do outro lado das ferrovias.

Como vivem em grande número, os milípedes mais velhos comem rapidamente todos os alimentos disponíveis onde nasceram e é a partir daí que começam a sua jornada para um novo local de alimentação. Aí, comem folhas em decomposição, acasalam, deixam novos ovos e depois acabam por morrer.

A equipa levanta a hipótese de os seus longos ciclos de vida poderem estar sincronizados com a hibernação no inverno. Ao contrário das cigarras periódicas, que surgem em grande número e, portanto, tornam cada indivíduo menos propenso a sucumbir aos predadores, estes milípedes não precisam dessa proteção adicional, porque têm um mecanismo de defesa ainda melhor: quando atacados, libertam cianeto.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Muco marinho na costa da Turquia ameaça ecossistemas. E é só a ponta do icebergue

Esta semana, a Turquia lançou a maior limpeza marítima da sua história para fazer face à proliferação sem precedentes de muco marinho no Mar de Mármara, um sintoma de um problema ambiental muito maior. Debaixo das …

Fotografia da Rainha Isabel II removida da Universidade de Oxford devido à "história colonial"

Um grupo de estudantes da Universidade de Oxford removeu uma fotografia da Rainha Isabel II da sua área comum devido aos seus laços com a “história colonial”. A atitude gerou uma onda de controvérsia. A imprensa …

Espanha 0-0 Suécia | Muro amarelo trava fúria espanhola

A Espanha e a Suécia empataram hoje 0-0 em jogo da primeira jornada do Grupo E do Euro2020 de futebol, naquela que foi a primeira partida sem golos na competição até ao momento. No estádio La …

Covid-19. Variante indiana causa doença mais grave, dizem médicos chineses

A Delta está a causar doença mais grave e mais rapidamente do que durante a primeira vaga, informaram médicos na zona de Guangzhou, no sudeste da China, onde surgiu um surto recente provocado por esta …

Do café aos brinquedos. Preço do transporte de mercadorias vai atingir a nossa carteira mais cedo do que se pensava

Os preços exorbitantes do transporte de mercadorias pelo mundo poderão atingir a sua carteira mais cedo do que pensa. Mais de 80% de todo o comércio de mercadorias é transportado pela via marítima, mas o alto …

Tal é a qualidade de Portugal, que o treinador da Hungria "podia ser motorista ou roupeiro"

O selecionador da Hungria, o italiano Marco Rossi, afirmou hoje que "até podia ser o motorista ou rapaz dos equipamentos" da seleção portuguesa, tal é a qualidade dos jogadores lusos que vão disputar o Euro2020. “Estamos …

Destroços de avião descobertos no fundo de um lago nos EUA podem pôr fim a um mistério de 56 anos

Trabalhadores que testam equipamentos de investigação subaquática dizem ter encontrado os destroços de um pequeno avião nas profundezas do lago Folsom, na Califórnia. A confirmar-se, podem ter resolvido um mistério com 56 anos. As imagens de …

Norte-americanos envolvidos na fuga de Carlos Ghosn declaram-se culpados

Os dois norte-americanos acusados de ajudarem o ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn a fugir do Japão quando aguardava julgamento em liberdade sob fiança declararam-se esta segunda-feira culpados perante a justiça japonesa. De acordo com fontes da …

Enfermeira tentou provar que as vacinas tornam as pessoas magnéticas (mas não correu como previsto)

Na semana passada, a enfermeira negacionista de Ohio Joanna Overholt tentou, durante uma sessão legislativa, provar que as vacinas contra a covid-19 tornam as pessoas magnéticas. Mas não foi bem sucedida. O teste do íman resulta …

Foda e Kostadinov: as recordações à volta do Áustria-Macedónia do Norte

O selecionador da Áustria e um dos jogadores da Macedónia do Norte trouxeram memórias dos anos 90. O jogo entre Áustria e Macedónia do Norte, que terminou com vitória austríaca por 3-1, não estava propriamente na …