Foi resolvido o mistério dos milípedes que fizeram parar comboios no Japão

Durante mais de um século, milhares de milípedes venenosos invadiram as linhas de comboio nas densas montanhas do Japão, forçando mesmo os veículos a parar. Estes artrópodes apareciam de vez em quando e, depois, desapareciam novamente durante anos a fio. Agora, os cientistas descobriram porquê.

Tal como conta o site Live Science, os operadores de comboios japoneses observaram este surto, pela primeira vez, em 1920. De acordo com vários relatos, os milípedes, da espécie Parafontaria laminata armigera, voltavam a cada oito anos ou depois disso, formando uma manta cada vez mais densa onde era impossível passar.

Em 1977, Keiko Niijima, investigador do Instituto de Pesquisa de Produtos Florestais e da Exploração Florestal, foi o primeiro a propor que estes artrópodes, que ficaram conhecidos como “milípedes dos comboios”, poderiam ter um ciclo periódico de oito anos.

Agora, o mesmo investigador, juntamente com os professores Momoka Nii e Jin Yoshimura, confirmou essa teoria num estudo publicado, a 13 de janeiro, na revista científica Royal Society Open Science.

Estes longos ciclos de vida “periódicos” – nos quais uma população passa pelas diferentes fases da vida ao mesmo tempo – só tinham sido confirmados em algumas espécies de cigarras, com ciclos de vida de 13 e 17 anos, bem como em bambus e outras plantas.

“Este milípede é o primeiro artrópode não-inseto entre todos os organismos periódicos”, disse Yoshimura, o autor sénior do artigo científico e professor emérito do departamento de Matemática e Engenharia de Sistemas da Universidade de Shizuoka.

Ao longo de vários anos, os cientistas recolheram milípedes das montanhas em Honshu e conduziram pesquisas com estas criaturas. Para determinar as suas etapas de vida, a equipa contou o número de pernas e os segmentos no seu corpo, já que estes são específicos da idade de um milípede.

Segundo o mesmo site, os investigadores descobriram que as várias ninhadas desta população têm cada uma a sua própria sincronização. Por outras palavras, uma ninhada pode estar ainda nos ovos, enquanto outra pode estar já na fase adulta. Cada população percorre todo o seu ciclo de vida em oito anos.

Relativamente à ninhada de milípedes que aparece de forma periódica nas linhas ferroviárias, os cientistas dizem que os artrópodes estão apenas a tentar chegar a novas áreas de alimentação, que por vezes estão do outro lado das ferrovias.

Como vivem em grande número, os milípedes mais velhos comem rapidamente todos os alimentos disponíveis onde nasceram e é a partir daí que começam a sua jornada para um novo local de alimentação. Aí, comem folhas em decomposição, acasalam, deixam novos ovos e depois acabam por morrer.

A equipa levanta a hipótese de os seus longos ciclos de vida poderem estar sincronizados com a hibernação no inverno. Ao contrário das cigarras periódicas, que surgem em grande número e, portanto, tornam cada indivíduo menos propenso a sucumbir aos predadores, estes milípedes não precisam dessa proteção adicional, porque têm um mecanismo de defesa ainda melhor: quando atacados, libertam cianeto.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …

Navalny chega a colónia penal a leste de Moscovo

O principal opositor do Kremlin chegou, este domingo, a uma zona a cerca de 200 quilómetros a leste de Moscovo para ser transferido para uma colónia penal onde vai cumprir a sua pena, informou um …

Já chegou o voo de repatriamento com 300 passageiros vindos do Brasil

O voo de repatriamento vindo do Brasil chegou, este domingo de manhã, ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com cerca de 300 passageiros. De acordo com a RTP, o voo de repatriamento vindo de São Paulo, …

Costa imune ao descontrolo da pandemia. Popularidade de Marcelo dispara

A sondagem TSF/JN/DN regista uma avaliação positiva do primeiro-ministro e do Presidente da República, com este a atingir um novo pico de popularidade. Os líderes do PSD e do Chega surgem empatados como principais figuras da …

Mais seis mortos nos protestos em Myanmar. Embaixador na ONU afastado

Seis manifestantes foram mortos em Myanmar, este domingo, por forças de segurança que dispersavam com violência as manifestações pró-democracia. Três manifestantes foram mortos em Dawei (no sul do país), enquanto dois adolescentes, de 18 anos, morreram …

Siza Vieira anuncia que Programa Apoiar vai ser reforçado e alargado

O programa Apoiar, destinado a empresas afetadas pela pandemia da covid-19, vai ser reforçado e alargado a novas situações, anunciou o ministro da Economia, indicando que as medidas vão ser anunciadas na próxima semana. "Queremos reforçar …

Embaixadora deixa Venezuela na terça-feira. UE chama embaixador em Cuba

A embaixadora da União Europeia na Venezuela vai sair do país na terça-feira, informou à agência Lusa fonte diplomática europeia, sem adiantar mais detalhes. Na última quarta-feira, a Venezuela decidiu expulsar Isabel Brilhante Pedrosa, em retaliação …

EUA aprovam vacina unidose da Johnson & Johnson. Nova Zelândia volta ao confinamento

O regulador do medicamento norte-americano aprovou, este sábado, a vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson, a terceira autorizada nos Estados Unidos. A vacina em causa da Johnson & Johnson é de dose única e junta-se …

Estes traços psicológicos podem ajudar a identificar pessoas vulneráveis ao extremismo

As características dos cérebros das pessoas podem oferecer pistas sobre as suas crenças políticas, sugere um novo estudo científico. Num estudo com cerca de 350 cidadãos norte-americanos, uma equipa de investigadores examinou a relação entre as …