/

Espécie sobreviveu durante milhões de anos através de reprodução assexuada

1

M. Maraun e K.Wehne

Uma equipa de cientistas demonstrou que a reprodução assexuada pode ser bem-sucedida a longo prazo. Os estudos foram feitos com o ácaro Oppiella nova.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Até agora, a sobrevivência de uma espécie animal por um longo período de tempo sem reprodução sexual era considerada altamente improvável – ou até mesmo impossível.

No entanto, uma equipa de zoólogos e biólogos evolucionistas demonstrou o chamado efeito Meselson na espécie antiga do ácaro Oppiella nova.

O efeito Meselson, escreve o Cienciaplus, descreve um traço característico no genoma de um organismo que sugere reprodução puramente assexuada.

De uma forma geral, a sobrevivência das espécies é garantida quando, através do sexo, duas cópias genéticas diferentes se unem criando uma “mistura”.

No entanto, também é possível que espécies de reprodução assexuada, que produzem clones genéticos de si mesmas, introduzam variação genética nos seus genes e, assim, se adaptem ao ambiente durante a evolução – como é o caso da Oppiella nova.

Durante a sua pesquisa, os investigadores recolheram diferentes populações de Oppiella nova e as espécies de Oppiella subpectinata, que estão intimamente relacionadas, mas sexualmente reproduzidas, e sequenciaram e analisaram as suas informações genéticas.

“Isso pode parecer simples, mas, na prática, o efeito Meselson nunca foi demonstrado de forma conclusiva em animais, até agora”, explicou a professora Tanja Schwander, do Departamento de Ecologia e Evolução da Universidade de Lausanne, em comunicado.

A equipa conseguiu demonstrar o efeito Meselson: “Os resultados mostram claramente que a Oppiella nova se reproduz exclusivamente assexuadamente. Quando se trata de entender como a evolução funciona sem sexo, estes ácaros fornecem uma surpresa”, referiu Jens Bast, um dos autores do estudo.

Assim, a equipa descobriu que o antigo ácaro Oppiella nova prosperou durante milhões de anos reproduzindo-se sem sexo.

PUBLICIDADE

Os resultados mostram que a sobrevivência de uma espécie sem reprodução sexuada é bastante rara, mas não impossível. A equipa de investigadores irá tentar agora descobrir o que torna esses ácaros tão especiais.

O estudo foi publicado na revista científica PNAS.

  ZAP //

 

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.