Rendimento incondicional na Suíça seria salvação para muitos portugueses

A aprovação em referendo de um rendimento básico incondicional na Suíça, que será votado no domingo, “seria uma tábua de salvação” para muitos portugueses “em situação precária”, reconhecem conselheiros das comunidades.

“Muita gente tem vindo para a Suíça e está numa situação apenas de sobrevivência”, alerta Domingos Pereira, conselheiro das Comunidades Portuguesas em Zurique.

Em declarações à Lusa, Domingos Pereira estima que “seguramente” 70% dos “280 e tal mil” portugueses registados na Suíça beneficiariam de um rendimento básico incondicional, medida que será referendada no domingo, depois de ter sido proposta por 100 mil subscritores, que sugeriram o valor base de 2500 francos (2.250 euros), por mês para cada cidadão adulto.

A “baixíssima” taxa de desemprego na Suíça não corresponde à realidade, frisa Domingos Pereira, recordando que “o trabalho temporário é uma vertente muito forte e isso quer dizer que as pessoas trabalham à hora, à jornada e, portanto, não havendo trabalho, não há ordenado“.

Segundo o conselheiro em Zurique, muitos portugueses estão nessa situação, sobretudo os imigrantes mais recentes, que são mais vulneráveis.

Contudo, o rendimento básico incondicional não se dirige a esses, mas aos que já estão registados no país, de forma a garantir um rendimento mínimo para todos, que substitua os vários benefícios sociais do país.

Em termos anuais, o montante proposto totaliza 30 mil francos – um valor pouco acima do limiar de pobreza em 2014 na Suíça, de 29.501 francos. Nesse ano, quase um em oito cidadãos estava abaixo dessa linha, de acordo com os dados do gabinete estatístico do país.

Em Portugal, o limiar de risco de pobreza é de 5.061 euros anuais. Ou seja, uma proposta semelhante adaptada ao nosso país seria um rendimento incondicional de menos de 450 euros mensais.

No entanto, como aponta a Bloomberg, é pouco provável que a medida receba o aval da população, já que as mais recentes sondagens apontam para a vitória do “não”, com 60% das intenções de voto.

Melhor para famílias

“Seria uma boa medida para muitas famílias [portuguesas], mais favorável do que uma ajuda da assistência social”, compara Domingos Pereira.

“A nossa comunidade é uma comunidade dedicada ao trabalho”, corrobora José Sebastião, conselheiro das Comunidades Portuguesas em Genebra.

“Homens e mulheres trabalham durante o dia na sua atividade principal e, à noite, ainda se dedicam a atividades secundárias, como as limpezas”, relata.

“Os portugueses trabalham muitas horas”, resume, destacando que “o custo de vida na Suíça é elevadíssimo”.

Esta situação, por resultar em falta de tempo para a família, explica os problemas de integração da comunidade portuguesa e a elevada taxa de insucesso escolar das crianças portuguesas, considera o conselheiro. “Os pais, muitas vezes, trabalham muitas horas, não podendo dedicar o tempo necessário aos seus filhos”, lamenta.

Para além disso, os serviços sociais na Suíça “têm falta de dinheiro” e, em vez de aí gastar “milhares”, o Estado passaria a assegurar “um salário base”, que permitiria às pessoas “viver minimamente”, defende.

Independentemente do resultado do referendo, que nunca será vinculativo, a proposta “abrirá o debate sobre a atual sociedade, onde os pais não têm tempo para os filhos, nem os filhos para os pais”, realça José Sebastião.

Bom Dia

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Reservas naturais chinesas salvaram os pandas da extinção (mas "esqueceram-se" dos leopardos)

Uma nova investigação revela que os esforços da China para salvar os pandas gigantes foram bem sucedidos, mas os mesmos falharam na proteção de outros animais que partilham o mesmo habitat, como é o caso …

Comunidade científica critica Trump por dizer que NASA estava "morta"

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, afirmou no Twitter que "a NASA estava fechada e morta" até que o próprio fez com que voltasse a funcionar, afirmação que gerou consternação na …

É "bastante provável" que chegue à Europa uma Cybertruck de menores dimensões

É "bastante provável" que uma Cybertruck de menores dimensões venha a ser produzida e chegue depois ao mercado europeu, revelou Elon Musk, CEO da Tesla, empresa que produz estas pickups elétricas. Questionado na rede social …

Mais seis mortos e 131 novos casos em Portugal nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais seis mortos e 131 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sábado, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. O número de pessoas internadas é de 366, mais nove …

"Erro" do Instagram favoreceu conteúdo de Trump face ao de Biden

Um "erro" da rede social Instagram favoreceu durante dois meses o conteúdo gerado pela campanha de reeleição do atual Presidente norte-americano, Donald Trump, quando comparado com as publicações de Joe Biden, candidato democrata que está …

Fotografia partilhada nas redes sociais levou à suspensão de alunos nos Estados Unidos

Pelo menos dois alunos da North Paulding High School, no estado da Georgia, dizem ter sido suspensos depois de terem partilhado nas redes sociais uma fotografia na qual é possível ver um corredor da escola repleto …

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …

Ventura anuncia recandidatura ao Chega e só sai do parlamento quando “metade daquela esquerda" sair

André Ventura anunciou esta noite a recandidatura à liderança do Chega, numa cerimónia em Leiria em que disse que só vai sair do parlamento “quando metade daquela esquerda sair”. “Estamos a fazer uma revolução democrática e …

Esqueletos revelam que fosso entre ricos e pobres começou a abrir-se há 6.600 anos

A análise a ossos encontrados numa sepultura na Polónia mostram que o fosse entre ricos e pobres na Europa começou a abrir-se muito antes daquilo que se pensava. O desaparecimento da classe média é um problema …