Reatores nucleares da Arábia Saudita geram disputa entre EUA, China e Rússia

Os planos da Arábia Saudita para construir dois grandes reatores de energia nuclear numa área deserta fizeram com que grandes potências internacionais passassem a competir para se tornarem sócias desses contratos milionários.

Os Estados Unidos conta com a aliança saudita para cumprir as suas ambições nucleares. No entanto, há um obstáculo importante: a recusa da Arábia Saudita em aceitar as rígidas restrições internacionais, cujo objetivo é evitar a proliferação global de armas nucleares.

Isso coloca o governo de Donald Trump, conhecido pela forte oposição à atividade nuclear de países como o Irão, numa situação desconfortável, segundo a BBC.

Espera-se que o governo saudita anuncie nas próximas semanas os candidatos finais para realizar o projeto. Entre os competidores também estão aliados dos EUA, como a Coreia do Sul e França.

No entanto, há também empresas da China e da Rússia, consideradas por Washington como as principais ameaças na competição – apesar das supostas ligações do governo Trump com a Rússia.

O conhecimento técnico dos EUA faz do país um importante candidato a parceiro no projeto, com o qual a Arábia Saudita diz querer diversificar a matriz energética. O objetivo, segundo o país, é depender menos do petróleo – substância da qual os sauditas são os maiores exportadores do mundo.

Ao mesmo tempo, dizem analistas, a monarquia também pretende exibir um certo prestígio internacional com os reatores, enquanto tenta alcançar o programa nuclear do Irão, um dos maiores adversários da região.

Os sauditas têm boas relações comerciais com a China e a Rússia, que oferecem condições de cooperação menos restritivas que os EUA.

Para não ser exluído, talvez Washington opte por flexibilizar as normas de segurança nuclear que exige de um dos seus principais aliados numa das regiões mais instáveis do mundo.

O acordo com os sauditas seria um incentivo para reavivar a decadente indústria nuclear dos EUA, especialmente depois de a empresa de energia nuclear Westinghouse ter falido, no ano passado.

Mas reduzir as exigências pelo contrato poderia comprometer o compromisso da Casa Branca de lutar contra a proliferação nuclear no mundo. Alguns especialistas questionam a incursão dos EUA nesse projeto, mas também dizem que seria mais seguro para os seus interesses se o país estivesse presente.

“Preferiria ter uma indústria nuclear na Arábia Saudita em parceria com os EUA do que uma feita em conjunto com a Rússia ou a China”, declarou Robert Einhorn, ex-conselheiro para a não-proliferação de armas do Departamento de Estado dos EUA, ao The Washington Post.

“A Arábia Saudita terá que aceitar as restrições, senão o Congresso americano vai bloquear a parceria”, diz Simon Henderson, diretor do programa de política energética do Instituto Washington para Política do Oriente Médio.

Pela legislação americana, o Congresso precisa de aprovar qualquer parceria – conhecida como “Acordo 123” – de cooperação nuclear estabelecido com outro país.

Até hoje, Washington assinou mais de 20 desses acordos. Cada acordo inclui diferentes níveis de restrição para o uso da tecnologia que será partilhada, dependendo do país em questão.

O acordo de 2009 com os Emirados Árabes, por exemplo, proíbe que o país faça enriquecimento de urânio por si mesmo ou reprocesse o combustível nuclear usado nas plantas para produzir plutónio – já que esses processos são etapas da criação de armas nucleares.

O contrato, conhecido como “padrão ouro” por ser um dos mais restritos, é considerado um modelo a ser implementado noutros países da região. A Arábia Saudita, no entanto, tem se negado historicamente a aceitar as mesmas restrições.

O país insiste que o objetivo do programa nuclear não é bélico e defende o direito de enriquecer urânio para fins não militares.

Comparações com o Irão

Para defender o posicionamento, os sauditas recorrem a um acordo assinado pelos EUA com um dos principais inimigos: o Irão. “Queremos os mesmos direitos de outros países”, disse o ministro de Relações Exteriores saudita, Adel al Jubeir.

Depois do acordo com os EUA, o Irão interrompeu algumas das atividades nucleares em troca da diminuição progressiva das sanções económicas.

No entanto, o país conseguiu continuar o enriquecimento de urânio sob supervisão internacional. Feito durante a gestão de Barack Obama, o acordo é considerado por Trump o “pior da história“.

De acordo com Henderson, “o problema do pacto é que legitima o programa nuclear do Irão e encoraja outros países a alcançar a paridade”.

“Não se sabe se a Arábia Saudita poderia desenvolver armas nucleares. Mesmo com a capacidade de enriquecimento, não é fácil fazê-lo”, diz Karthika Sasikumar, professora de ciência política da Universidade Estadual de San Jose, nos EUA.

No entanto, mesmo que o país não fabricasse as armas, “a mera suspeição de que o país planeava fazê-lo poderia desencadear uma corrida armamentista na região”, segundo a professora.

Diante da posição radical contrária ao programa nuclear do Irão, como é que Donald Trump justificaria a cooperação nuclear com a Arábia Saudita?

De acordo com Sasikumar, “o governo dos EUA trata os países de maneira diferente em termos de estratégia geopolítica mais ampla, como a Índia, que tem um acordo muito menos severo”.

“Os EUA concluíram que o risco de a Arábia Saudita ser uma ameaça aos seus interesses é baixo, então o país opta por continuar a ajudar as empresas americanas a obter o contrato”, afirma.

Alguns críticos consideram que rebaixar as exigências para fechar um acordo com os sauditas abriria um perigoso precedente e romperia com a política nuclear de Washington das últimas décadas.

O acordo poderia incentivar outros países da região a adquirir tecnologia nuclear e gerar uma crise. “Os riscos para a estabilidade regional e global são imensos”, diz Sasikumar.

Há quem defenda que é possível chegar a um acordo menos restrito do que o assinado com os Emirados Árabes, mas que, ainda assim, garantisse a segurança mundial.

“Deveríamos tentar colocar as maiores restrições possíveis sobre o enriquecimento e o reprocessamento durante um período de tempo significativo, digamos 20 ou 25 anos“, diz Einhorn.

Outros especialista discordam. “Estaríamos a dizer ‘mais tarde’ em vez de dizer ‘não’ a algo que não deveríamos permitir de forma alguma”, diz Henry Sokolski, diretor-executivo do Centro de Educação sobre Políticas de Não-Proliferação.

Os dois reatores que a Arábia Saudita quer construir agora fazem parte de um projeto mais amplo. O país pretende erguer até 16 nos próximos 25 anos.

A decisão sobre as parcerias do projeto, que deve ser feito até ao fim do ano, está muito longe de ser apenas uma oportunidade comercial. O resultado vai refletir o estado das relações e tensões geopolíticas entre as grandes potências envolvidas.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

Responder a João Cancelar resposta

Golo polémico de Bernardo Silva: "As pessoas deveriam conhecer as leis do futebol"

Rodri estava em posição irregular quando o seu companheiro de equipa colocou a bola na frente. Mas como houve interferência de um defesa na jogada... A explicação e o "recado" de Robbie Savage. O Manchester City …

Um megassatélite em órbita de Ceres daria "um ótimo lar" para seres humanos

Enquanto Elon Musk, CEO da SpaceX, olha para Marte, o físico e astrobiólogo Pekka Janhunen, do Instituto Meteorológico da Finlândia, está de olho no planeta anão Ceres. Seres humanos a viver noutros planetas do Sistema …

O vento solar é estranhamente atraído para o Pólo Norte (e não se sabe porquê)

Durante anos, os cientistas pensaram que o vento solar era igualmente atraído para os Polos Norte e Sul da Terra. No entanto, estudos recentes mostram que estas partículas parecem preferir o Norte - e não …

22 mil pessoas vão assistir (no estádio) ao Super Bowl

Um terço das pessoas presentes será composto por profissionais de saúde. Quatro equipas ainda na luta pelo título do campeonato principal de futebol americano. O dia 7 de fevereiro vai contar com uma "visão rara" nos …

Investigadores "voltam atrás no tempo" para calcular idade e local de explosão de supernova

Os astrónomos estão a "voltar atrás no tempo" num remanescente de supernova. Usando o Telescópio Espacial Hubble da NASA, refizeram o percurso dos estilhaços velozes da explosão a fim de calcular uma estimativa mais precisa …

Cientista dos EUA acredita que o monstro do Lago Ness pode ser uma antiga tartaruga marinha

Um importante cientista dos Estados Unidos acredita que desvendou o mistério do Monstro de Lago Ness e pensa que a criatura é uma espécie ancestral de tartaruga marinha. Henry Bauer, professor aposentado de Química e Estudos …

Biden quer banir uma palavra das leis de imigração dos Estados Unidos

Se o projeto de lei proposto por Joe Biden, recém-eleito Presidente dos Estados Unidos, for aprovado, a palavra alien ("estrangeiro") vai desaparecer das leis de imigração norte-americanas, sendo substituída pelo termo noncitizen ("não cidadão"). A …

“As pessoas são mortas na mesquita, na rua e no trabalho". Em Cabul, reina o medo

Os assassínios seletivos de jornalistas, políticos e defensores dos direitos humanos são cada vez mais frequentes no país, com Cabul e várias províncias a registarem um aumento da violência nos últimos meses. O medo está …

"Fiquem em casa". Enfermeiros deixam "grito de alerta desesperado" aos portugueses

A Ordem dos Enfermeiros lançou esta sexta-feira uma campanha de sensibilização a apelar aos portugueses para ficarem em casa, afirmando que é “um grito de alerta desesperado face à situação de catástrofe que se vive …

Senado francês aprovou lei que protege os sons e cheiros do campo

O Senado francês aprovou a lei, esta quinta-feira, que protege o "património sensorial" das áreas rurais do país, depois de várias queixas sobre os ruídos e cheiros típicos do campo. De acordo com o canal televisivo …