Ratos que cantam ajudam a estudar o autismo

(dr) Universidade de Nova Iorque

Através de uma análise a ratos cantores das florestas tropicais da América Central, uma equipa de cientistas descobriu o circuito no cérebro que permite a interação vocal.

Uma conversa padrão – na qual ouvimos, interpretamos e só depois respondemos -, requer uma coordenação entre sinais sensoriais e uma resposta muscular. Em pássaros, rãs, ratos, humanos e outras espécies, é este o processo normal que tende a acontecer quando conversamos. No entanto, o processo cérebro por trás da formulação vocal ainda é um enigma que suscita muitas dúvidas na comunidade científica.

Recentemente, uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, deram um passo em frente, desvendando um pouco mais sobre de que forma as conversas se formam no cérebro.

O estudo, publicado no dia 1 deste mês na Science, revelou que é no córtex motor que se cruzam vários circuitos que, todos juntos, formulam o ritmo das conversas.

Para chegar a esta conclusão, os cientistas analisaram a interação entre ratos cantores machos de Alston (Scotinomys teguina), encontrados nas florestas tropicais da América Central, capazes de entoar quase cem notas audíveis para atrair as fêmeas.

Este é um passo muito significativo na Ciência, uma vez que, através da compreensão da atividade cerebral, será possível alcançar novos tratamentos para pacientes com autismo ou com traumas como derrames cerebrais, adiantam os autores do estudo, citados pelo Diário de Notícias.

“O nosso trabalho demonstra diretamente que a região do cérebro do córtex motor é necessária para manter uma conversa”, afirma Michael Long, um dos autores da investigação e professor de neurociência.

Estes animais foram escolhidos pelos cientistas por terem um padrão de conversa muito parecido com o dos seres humanos. Os ratos cantores foram expostos a um exame chamado eletromiografia, que analisou os sinais elétricos emitidos no cérebro dos roedores à medida que os músculos das cordas vocais se contraiam.

Foi desta forma que os investigadores conseguiram perceber quais as regiões cerebrais que são ativadas durante o canto. Posteriormente, os cientistas “desligaram” essas regiões, de modo a confirmar que os sons ficavam, de facto, desregulados.

“Descobrimos uma divisão de trabalho. Há mecanismos subcorticais que permitem gerar som e há o córtex motor, hierarquicamente superior a esses mecanismos, que comandam as áreas subcorticais, que nos diz quando responder e quão rápido responder”, explica Arkarup Banerjee, coautor do estudo.

Agora, é em Portugal que se vai dar seguimento a esta investigação. Segundo o DN, o laboratório de neurociência da Universidade de Coimbra vai agora avançar com estudos sobre a interação vocal em humanos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rios ocultos de água quente estão a derreter o gelo da Antártida

O gelo antártico está a ser desestabilizado por rios ocultos e invertidos de água quente que correm por baixo das plataformas, derretendo-as. Os cientistas conhecem estes canais basais nas plataformas de gelo há vários anos, mas …

Enorme impacto cósmico pode ter assolado a Terra há 12.800 anos

Uma equipa de cientistas descobriu excesso de platina em material sedimentar extraído de depósitos de turfa localizados em Wonderkrater, Limpopo, na África do Sul, revelou uma nova investigação. De acordo com um novo estudo, cujos resultados …

Astronauta capta o colossal "Olho do Sahara" a partir da EEI

A Agência Espacial Europeia publicou neste domingo uma fotografia da colossal estrutura de Richat, uma formação geológica enigmática no centro da Mauritânia, conhecida como o "Olho do Sahara". A estrutura, que tem cerca de 40 quilómetros …

NASA revela novos fatos espaciais que os astronautas vão levar para a Lua (e são pura ficção científica)

A NASA apresentou na terça-feira, na sua sede, em Washington, Estados Unidos, os novos fatos espaciais que os astronautas da missão Artemis vão usar em 2024, quando voltarem à Lua. Fatos feitos em modelos 3D, à …

Panama Papers. Mossack Fonseca não gostou do filme e processou Netflix por difamação

A dupla de sócios do escritório de advogados Mossack Fonseca, envolvido no caso “Panama Papers”, moveu um processo em tribunal por difamação contra a Netflix. A plataforma anuncia a estreia, para esta sexta-feira, do filme “Laundromat: …

Porsche e Boeing unem-se em projeto de táxi aéreo premium

A Porsche e a Boeing estão a unir esforços para explorar o mercado de mobilidade área urbana. Aproveitando os seus pontos fortes, as duas empresas prometem desenvolver um táxi aéreo para o futuro. Numa verdadeira fusão …

Fotografia com pombos? Na Tailândia, há "profissionais" contratados para assustá-los

A área de uma das portas da cidade, Tha Pae, parte do que resta da muralha vermelha que protegia a cidade antiga em Chiang Mai, na Tailândia, é uma das maiores atrações turísticas locais. Os turistas …

Sky News lança canal sem qualquer notícia sobre o Brexit

O canal Sky News Brexit-Free foi esta quarta-feira para o ar às 17h horas, sendo que os seus programas serão transmitidos até às 22h, de segunda a sexta-feira. O grupo de televisão britânico Sky vai lançou …

Vacina contra o cancro da mama pode estar disponível dentro de 8 anos

Investigadores da Clínica Mayo desenvolveram uma vacina contra o cancro ovário e da mama que poderá estar disponível comercialmente dentro de apenas oito anos. A ideia da vacina é estimular o próprio sistema imunológico dos pacientes …

Busca pelo avião de Amelia Earhart só encontrou chapéus, detritos de um naufrágio e uma lata de refrigerante

A mais recente busca pelos restos do avião de Amelia Earhart, a famosa aviadora americana que desapareceu sobre o Pacífico em 1937, terminou sem resultados. De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, a investigação …