/

Uma questão de minutos. Os antigos romanos quase foram salvos da erupção do Vesúvio

Parco Archeologico di Ercolano

Centenas de romanos antigos que fugiram da erupção do Vesúvio em 79 estavam a poucos minutos de serem resgatados num barco enviado pelo historiador Plínio, o Velho, quando morreram.

Os esqueletos de 300 habitantes da cidade costeira de Herculano foram descobertos na década de 1980, amontoados com as suas joias na praia da cidade, mortos por uma maré de material vulcânico fervente enquanto esperavam para serem salvos.

Os historiadores sugeriram que os indivíduos estavam perto de serem resgatados por uma missão encomendada por Plínio, que era o comandante da frota naval local.

Agora, de acordo com o jornal britânico The Times, Francesco Sirano, diretor do sítio arqueológico de Herculano, disse que pode ter uma prova definitiva disso. O barco carbonizado encontrado em Herculano pode provar que a missão de resgate de Plínio estava perto de salvar a população da maré de material vulcânico fervente.

“As armas ornamentadas e a mochila encontrada com um dos esqueletos, conhecido como nº 26, sugerem que fazia parte da missão condenada enviada por Plínio, e é por isso que os moradores locais parecem estar a enfileirar-se calmamente para embarcar”, afirmou.

Herculano foi enterrada sob 20 metros de material vulcânico que endureceu em rocha, permitindo a preservação da madeira, embora carbonizada, ao contrário da sua vizinha mais famosa, Pompeia.

Quando a erupção foi detetada por Plínio, em Miseno, do outro lado da baía de Nápoles, “ordenou que as galés fossem postas no mar”, escreveu o seu sobrinho, Plínio, o Jovem.

Plínio, o Velho, embarcou num navio, enfrentando rocha escaldante que se espatifou no convés e disse ao seu capitão: “A fortuna favorece os bravos” antes de morrer, possivelmente de um ataque cardíaco, após chegar à cidade de Stabiae.

Na praia de Herculano, que agora fica a 500 metros para o interior, os restos de um barco a remo de nove metros que se pensava ser militar sugerem que os navios de Plínio também chegaram lá.

Perto do barco estava o esqueleto nº 26, um homem com idade entre 40 e 45 anos, com boa saúde, que foi atirado de cara na areia pela força da erupção. Considerado um soldado regular por causa da sua espada e adaga, Sirano afirma agora que as últimas investigações mostraram que provavelmente pertencia à elite da Guarda Pretoriana.

“Testes mostram que a bainha da espada e o cinto estavam gravados em prata com ouro – altamente incomum para um soldado regular – enquanto as formas ovais na fivela do cinto representam os escudos ovais usados ​​pela Guarda Pretoriana na época”, disse.

As moedas que possuía – 12 denários de prata e dois denários de ouro – eram iguais ao salário mensal pago aos Guardas.

“Não havia bases de guarda no continente, mas havia uma em Capri, sugerindo que navegou de lá por ordem de Plínio”, continuou Sirano.

Na mochila, o homem também tinha um conjunto de ferramentas normalmente usadas por carpinteiros navais experientes. “A Guarda teria pessoas com essas habilidades”.

Com mais escavações planeadas no local da praia, é possível que surjam mais provas da missão de Plínio.

  Maria Campos, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE