/

Quem quer namorar com um astronauta? Cientistas cultivam plantas no solo da Lua pela primeira vez

UF/IFAS/ Tyler Jones

Plantas nascidas em solo lunar

Há muito que os investigadores se questionavam se a superfície da Lua poderia ser cultivada, mas com as agências espaciais a planearem agora o regresso dos humanos à superfície tornou-se mais urgente. As descobertas revelaram-se promissoras.

A possibilidade de o ser humano usar a superfície lunar para o cultivo de plantas tornou-se um pouco mais real, depois de investigadores o terem conseguido pela primeira vez – ainda que em alguns casos com mais sucesso do que em outros. De facto, os cientistas plantaram sementes de agriões no pó da lua trazido prelos astronautas que integraram três missões Apollo e viram-nas brotar e crescer em plantas.

No entanto, apesar de as plantas terem sobrevivido no solo lunar, estas não prosperaram nestas condições, crescendo mais lentamente do que o agrião plantado em cinza vulcânica, por exemplo, desenvolvendo raízes atrofiadas e mostrando sinais claros de stress fisiológico.

“Descobrimos que as plantas crescem de facto em solo lunar, contudo respondem como se estivessem a crescer numa situação de stress”, explicou Anna-Lisa Paul, bióloga molecular da Universidade da Florida. Os agriões hale consistem numa pequena planta florida semelhante aos brócolos, couve-flor e couve-flor. “Não é especialmente saborosa“, ressalvou Paul.

As presentes experiências são as primeiras a aprofundar se as plantas podem crescer em solo lunar e seguem-se um esforço de 11 anos para conseguir o material raro. Devido ao facto de o solo ser tão precioso, a NASA forneceu aos investigadores apenas 12g do mesmo – o equivalente a algumas colheres de chá – para realizaram os testes.

Há muito que os investigadores se questionavam se a superfície da Lua poderia ser cultivada, mas com as agências espaciais a planearem agora o regresso dos humanos à superfície, e potencialmente a construção de povoações lunares para os visitantes, a questão tornou-se mais premente.

“A capacidade de levar as plantas connosco para a Lua remete-nos para a forma como vamos cultivar a nossa própria comida, já que vamos ficar lá durante algum tempo sem reabastecimento“, apontou, Robert Ferl, um coautor do estudo. “Mostrar que as plantas irão crescer em solo lunar é na verdade um enorme passo nessa direção, a de sermos capazes de nos estabelecer e de estabelecer culturas lunares”.

Na publicação Communications Biology, os investigadores descrevem como plantaram as sementes de agriões em poços de tamanho reduzido contendo solo lunar trazidos pelas missões Apollo 11, 12 e 17. Outras sementes de agriões foram plantadas em cinzas vulcânicas e misturas minerais que imitam solos na lua e em Marte. Quando os cientistas verificaram as sementes alguns dias mais tarde, ficaram surpreendidos ao ver que quase todas tinham conseguido germinar. “Havia este pequeno e minúsculo mar de verduras sobre o cinzento lunar que era simplesmente espantoso”, disse Ferl.

Mas algumas plantas cresceram melhor do que outras. Na generalidade, as que se encontravam em solo lunar tiveram um crescimento pior do que as que se encontravam nas cinzas vulcânicas. Esta constatação não surpreendeu os cientistas: o solo lunar é pobre em nutrientes e rico em partículas de ferro, e enquanto o solo é pulverulento, está repleto de fragmentos de vidro de meteoritos que são afiados e abrasivos, o que dificulta o seu crescimento. As análises moleculares confirmaram que as plantas tinham, ainda assim, aumentado os genes para lidar com o stress ambiental. Algumas desenvolveram manchas negras avermelhadas em resposta.

Um dos solos mais pobres para o cultivo das plantas foi trazido para a Terra pela Apollo 11. Esta foi mais exposta à superfície da lua do que as amostras fornecidas pelas Apollo 12 e 17, que foram recolhidas de diferentes camadas de solo. Os cientistas suspeitam que os raios cósmicos e a radiação do vento solar danificam as camadas superiores do solo lunar, tornando mais difícil às plantas o seu desenvolvimento.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE