Quem não tem baleia caça com… vaca

O que faziam cinco vacas no fundo do mar, a mil metros de profundidade e em pleno canhão de Setúbal? Antes de serem totalmente digeridas pelas forças da Natureza, simulavam carcaças de baleia para darem à ciência respostas a um sem número de perguntas.

Que ecossistemas se formam em torno de uma baleia morta? A carne é completamente devorada? Por quem? E os ossos?

Desde 2011, ano em que as carcaças foram afundadas, a bióloga Ana Hilário visitou o que resta dos animais por duas vezes. Para a superfície, a investigadora da Universidade de Aveiro (UA) trouxe, para além da constatação de que há um verdadeiro festim em torno das carcaças, alguns vermes aquáticos até agora desconhecidos pela ciência.

A bióloga da UA, para além de ter encontrado um grande número de espécies novas para a ciência, “o que mais uma vez mostra a importância deste tipo de ecossistemas efémeros para a biodiversidade marinha”, encontrou também espécies que até agora só tinham sido encontradas noutros ambientes quimiossintéticos, como as fontes hidrotermais e as fontes frias.

Um cenário que, garante Ana Hilário, mostra que as carcaças de mamífero “podem ser importantes como pontos de ligação entre ecossistemas quimiossintéticos que normalmente estão bastante afastados entre si pois permitem a manutenção de populações”.

Ainda a estudar e a catalogar todas as espécies recolhidas, a equipa de investigação do projeto CARCACE deu já a conhecer no último mês, em artigo publicado na Systematics and Biodiversity, três espécies até agora desconhecidas de pequenos vermes marinhos, pertencentes ao género Ophryotrocha, que normalmente se encontram em zonas com grandes quantidades de matéria orgânica.

Dezenas de outras aguardam já por publicação em revistas científicas.

d.r. ensino.eu

 Ana Hilário, investigadora do CESAM, Universidade de Aveiro (à direita)

Ana Hilário, investigadora do CESAM, Universidade de Aveiro (à direita)

Quem não tem baleia…

Os ecossistemas formados por carcaças de baleia no oceano profundo são, normalmente, encontrados por acaso durante mergulhos com submersíveis. Em alternativa, para os estudarem, os cientistas aproveitam as baleias mortas que dão à costa para as depositarem nos fundos oceânicos.

Mas, não tendo sido possível coordenar a utilização de um navio com o arrojamento de uma baleia, o projeto CARCACE passou ao plano B: fundear carcaças de vaca para, pela primeira vez no Atlântico nordeste, estudar-se a biodiversidade que se forma junto de uma baleia morta nas profundezas do mar.

Porquê vacas e não outro mamífero qualquer?

Ana Hilário, coordenadora da investigação, explica: “Os ossos das vacas são semelhantes, em termos composição química aos das baleias. Aliás, estudos anteriores, no Oceano Pacífico, já tinham comprovado que ossos de vaca têm energia suficiente para manter espécies que são encontradas em carcaças de baleia”.

Por todo o mundo, já foram identificadas mais de 400 espécies em carcaças de baleia, 30 das quais endémicas. No entanto, estes diversos e complexos ecossistemas têm sido muito pouco estudados no Atlântico nordeste, um cenário que o CARCACE pretende mudar.

Fundeadas em Março de 2011, as cinco carcaças foram visitadas em Agosto de 2012 e em Junho de 2013.

Na primeira vez, os cientistas utilizaram o navio oceanográfico Almirante Gago Coutinho e, por sua vez, o submersível ROV Luso, numa colaboração com a Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental.

Na segunda descida às profundezas do canhão de Setúbal os investigadores embarcaram, primeiro, no navio de pesquisa Belgica e utilizaram o ROV Genesis, numa expedição em colaboração com a Universidade de Ghent (Bélgica).

UA.pt

Aspecto geral dos ossos e do sedimento envolvente. Um caranguejo-ermita aproveita os restos das carcaças para se alimentar.

Aspecto geral dos ossos e do sedimento envolvente. Um caranguejo-ermita aproveita os restos das carcaças para se alimentar.

Arca de Noé dos oceanos

“Quando visitámos a experiência em Agosto de 2012 todos os tecidos moles das carcaças já tinham sido consumidos e portanto todas as amostras que recolhemos com os ROVs consistiam em ossos que foram trazidos para a superfície em caixas fechadas”, lembra Ana Hilário.

Apesar de a bióloga apenas ter conseguido recolher amostras de ossos, ficando sem saber que espécies se alimentaram da carne, o que trouxe para a superfície foi suficiente para revelar um número de espécies elevado e comparável com o encontrado em carcaças de baleia noutras zonas do oceano profundo.

Entre espécies que se alimentam de restos de tecido das carcaças, espécies que abrigam no seu interior bactérias que vivem do enxofre resultante da degradação da carcaça, espécies sem sistema digestivo que dependem exclusivamente das suas volumosas “raízes” para penetrar no interior dos ossos e deles extrair lípidos e proteínas ou espécies que utilizam os ossos apenas como casa, uma carcaça de baleia é mesmo uma autêntica arca de Noé dos fundos marinho.

Ciência hoje

PARTILHAR

RESPONDER

Despedida de Centeno e estreia de Leão. Eurogrupo elege presidente na quinta-feira

A eleição para a presidência do Eurogrupo, na quinta-feira, será a última reunião presidida por Mário Centeno e a estreia europeia de João Leão como ministro das Finanças. A eleição para a presidência do Eurogrupo é …

Governo está a preparar um programa específico de apoio ao Algarve

O Algarve terá um programa específico de apoio, que já está a ser preparado pelo Governo, avançou o ministro da Economia esta terça-feira. O ministro da Economia disse, esta terça-feira, que o Governo está a preparar …

OMS admite transmissão pelo ar e pede que se evitem espaços fechados

Depois do alerta de 239 especialistas, a Organização Mundial de Saúde diz que há novas provas de que o novo coronavírus se transmite pelo ar. A Organização Mundial de Saúde (OMS) admitiu, esta terça-feira, haver novas …

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos (e reduzir novas aeronaves a metade)

Esta terça-feira, a Lufthansa anunciou novas medidas do seu plano de reestruturação que incluem uma redução de mil postos de trabalho nos serviços administrativos. A companhia aérea alemã Lufthansa anunciou, esta terça-feira, que irá reduzir o …

Bloco deixa recado ao PS: voto do Suplementar não estará garantido para o OE2021

Depois de o PCP ter rompido o espírito de acordos à esquerda, foi a vez de o Bloco de Esquerda deixar avisos para 2021. Em entrevista ao portal esquerda.net, divulgada esta terça-feira, Mariana Mortágua deixa claro …

Ferrari vai enfrentar problemas no Mundial de F1 "sem chorar"

O diretor-geral da Ferrari elogiu o talento de Leclerc e mostrou-se preocupado com os problemas que afetaram Sebastian Vettel. O diretor-geral da Ferrari, Louis Camilleri, reiterou esta terça-feira a confiança na equipa e assegurou que a …

Governo russo exige 1,8 mil milhões de euros a empresa mineira por poluição no Ártico

A agência russa de defesa do ambiente exigiu uma indemnização de 147,8 mil milhões de rublos (1,8 mil milhões de euros) ao conglomerado mineiro Norilsk Nickel, pela grave poluição do Ártico com hidrocarbonetos. Em comunicado, a …

Perda de habitat pode aumentar doenças que passam de animais para humanos, prevê ONU

Um novo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou que podem surgir mais doenças que passam de animais para humanos, como a covid-19, à medida que os habitats são devastados pela exploração da vida …

Rússia ameaça retaliar face às sanções "hostis" do Reino Unido

A Rússia ameaçou responder às sanções "hostis" anunciadas por Londres contra 59 pessoas e entidades, 25 delas russas. A Rússia vai responder às sanções "hostis" anunciadas pelo Governo britânico contra 49 pessoas e organizações, 25 das …

Ministério dispensa quase todos os alunos da renovação de matrículas (após ataques informáticos e o desespero dos pais)

As matrículas online são agora obrigatórias apenas para os alunos que no próximo ano lectivo vão iniciar os 5.º, 7.º e 10.º anos de escolaridade. O anúncio é feito pelo Ministério da Educação depois das …