PSG 0-1 Bayern | 11 contra 11 e no final… ganham os bávaros

José Sena Goulão / Lusa

Está encontrado o sucessor do Liverpool. Na noite deste domingo no Estádio da Luz, o Bayern Munique venceu o PSG por 1-0 e conquistou a edição 2019/20 da Liga dos Campeões.

Decorria o minuto 59 quando a cabeça de Kingsley Coman – extremo formado na academia parisiense – valeu ouro e o sexto título na prova para o emblema germânico, o primeiro desde 2013. A final foi vibrante, intensa, bem jogada e acabou por pender para o lado da equipa mais consistente e com maior experiência nestes palcos. Numa época de sonho, os alemães fizeram o “treble”, juntando a Champions à Bundesliga e à Taça da Alemanha. Ainda não foi desta que os franceses venceram uma prova que todos desejam, mas que apenas 22 emblemas sabem o que é vencer.

O jogo explicado em números

  • Das escolhas iniciais de Thomas Tuchel, realce para o regresso de Keylor Navas à baliza, rendendo Sergio Rico, que tinha sido titular ante o RB Leipzig (3-0). Do lado germânico, Hans-Dieter Flick apostou em Kingsley Coman na vaga de Ivan Perisic. De resto, manteve os mesmos elementos que iniciaram o triunfo ante o Lyon (3-0).
  • Intensidade ao máximo no relvado do Estádio da Luz. Nos primeiros 15 minutos, o Bayern de Munique tinha mais posse de bola (53%) e assumia as rédeas do encontro, no entanto pertenceu aos parisienses a oportunidade mais clara nesta fase. Após dois avisos de Mbappé, Neymar perdeu, por duas vezes, no frente-a-frente com Neuer soberana ocasião para inaugurar o marcador, naqueles que foram os primeiros remates enquadrados do duelo, decorria o minuto 18.
  • A resposta alemã foi quase imediata. À passagem do minuto 21, Lewandowski, dominou a bola, girou o corpo, atirou e viu o esférico acertar no poste direito da baliza defendida por Navas. Numa fase supersónica, Neymar arrancou, passou a bola a Di María, que combinou com Ander Herrera, o argentino arriscou e por escassos centímetros não foi feliz. Foi o quarto remate do PSG, que tinha o dobro de tentativas relativamente ao adversário.
  • Boateng, que esteve em dúvida, acabou por apenas aguentar 25 minutos, saiu do encontro lesionado e foi substituído por Sule. Aos 28 minutos, um tiro de fora da área de Herrera levou perigo e saiu um pouco ao lado do alvo contrário. Os bávaros começavam a soçobrar e a expor as dificuldades já esmiuçadas no controlo da profundidade, cometendo alguns erros posicionais e falhando, ainda, na reacção às bolas longas colocadas por Ander Herrera, Paredes e companhia nas costas do eixo defensivo.
  • Após a fase de maior ascendente gaulês, o Bayern suspirou por breves instantes. Ao minuto 31, Lewandowski cabeceou, Navas foi lesto e respondeu com uma defesa apertada e decisiva. À quinta tentativa, os alemães alcançaram o primeiro remate enquadrado no encontro.
  • Sempre em alta voltagem, em cima do intervalo a pressão alta francesa resultou quase na plenitude, Ander Herrera recuperou o esférico, assistiu Mbappé que, com tudo para marcar, rematou fraco e à figura de Neuer. Ataque, contra-ataque e Gnabry, num cruzamento/remate, obrigou Keylor Navas a defesa atenta, e no último suspiro, Coman ficou a reclamar falta de Kehrer já no interior da área do PSG, mas nada foi assinalado pela equipa de arbitragem liderada por Daniele Orsato.
  • Intervalo Nenhum dos conjuntos deixou os créditos por pés alheios. Assistimos a uma primeira parte vibrante, bem jogada e com diversos motivos de interesse, uma espécie de jogo de xadrez jogada ao mais alto nível. O Bayern iniciou o embate “mandão” e foi assumindo as rédeas da partida. Paulatinamente, o critério de Ander Herrera, o equilíbrio de Paredes e o jogo de sombras de Marquinhos começaram a libertar o trio maravilha, que foi fazendo “diabruras” em catadupa. Porém, a pontaria de Neymar, primeiro, e depois de Mbappé não foi a mais certeira. Pelo meio, Lewandowski ameaçou fazer aquilo que melhor sabe. Ao intervalo, o nulo imperava, mas aguçava o apetite para uma etapa final que prometia (ainda) mais espectáculo e golos. Nesta primeira etapa, o melhor elemento em cena foi Lewandowski, com um GoalPoint Rating de 6.1. O polaco finalizou por três vezes – Expected Goals (xG) de 0,5 -, acertou um passe para finalização, falhou um passe dos quatro tentados e teve 12 acções com a bola. Além de tudo isto, foi o farol que guiou a equipa no período de asfixia do PSG. Do lado oposto, Neymar tinha o pior rating, com apenas 4.3, muito devido às 13 vezes em que perdeu a bola nas 19 acções em que teve o esférico em posse.
  • Havia maior volume de ataques do PSG no reinício da partida, que fizeram com que Di María e Neymar fossem apenas travados em falta.
  • Porém, sorrateiramente, o Bayern ergueu-se e marcou. O relógio marcava o minuto 59: Kimmich subiu no terreno, centrou com precisão para o segundo poste onde Coman – formado no emblema gaulês – foi mais assertivo e voraz do que Kehrer, e cabeceou de forma triunfal apontado o golo inaugural. Num lance quase a papel químico do tento, valeu, aos 62 minutos, a atenção de Thiago Silva, que travou o remate do omnipresente Coman.
  • Numa fase em que Coman e Gnabry saíram de cena e foram substituídos por Perisic e Philippe Coutinho, respectivamente, os franceses ficaram próximos do empate, no entanto o muro chamado Neuer ergueu-se e defendeu o remate de Marquinhos, decorria o minuto 69, e foi o lance de maior perigo gizado pelos comandados de Tuchel no período final.
  • Em vantagem no marcador, o Bayern ia gerindo o ritmo de jogo, seguindo as directrizes do maestro Thiago, continuava a pressionar alto e dominava a posse de bola – 63% versus 37% -, desta forma, os parisienses não conseguiam com que a bola chegasse “limpa” a Neymar e a Mbappé, não criavam perigo e iam sendo penalizados pelo nervosismo e pela falta de discernimento. Na única excepção a esta regra, Mbappé, em posição irregular, não conseguiu ludibriar os reflexos do gigante Neuer. 
  • Em períodos de descontos, os campeões franceses voltaram a pecar no capítulo da finalização. Num lance de ataque rápido, Mbappé desmarcou Neymar, que fez um cruzamento/remate e, por muito pouco, Choupo-Moting, em óptima posição, não conseguiu desviar para o fundo da baliza germânica. 
  • Foi o canto do cisne gaulês. Segundos depois, a frase proferida por Gary Lineker no Mundial de Itália em 1990 fez todo o sentido. “O futebol é um jogo simples: 22 jogadores perseguem a bola e no final ganha a Alemanha” -, neste caso não foi a Nationalmannschaft a vencer, mas sim o Bayern Munique, que fez a festa no relvado do Estádio da Luz, alcançou o 11º triunfo, em outras tantas partidas nesta edição da competição, marcou 43 golos, consentiu oito e alcançou o sexto título do seu historial, alcançando o Liverpool e ficando apenas atrás de AC Milan (sete conquistas) e Real Madrid (13 taças). Na primeira final em que marcou presença, o PSG não logrou levar o troféu para Paris.

O melhor em campo GoalPoint

Talvez tenha sido o último jogo que fez com as cores bávaras, mas foi uma despedida de sonho para Thiago Alcântara. O filho de Mazinho foi genial em quase todas as suas acções e liderou a armada alemã até à vitória final. Com pés de veludo nas investidas de ataque, vestiu a pele de gladiador quando foi necessário defender e brilhou com alta intensidade. Com um GoalPoint Rating de 6.8, os números não mentem: dois passes para finalização, 11 passes progressivos certos, 95 acções com a bola, três desarmes e duas intercepções atestam toda a qualidade do internacional espanhol, que aos 29 anos é um dos médios mais influentes e completos da actualidade.

Jogadores em foco

  • Coman 6.8 – A novidade no “onze” deste domingo, justificou a aposta de Hansi Flick. Colado ao lado esquerdo, foi uma espécie de “diabo” à solta que atormentou a cabeça de Kehrer. Letal na finalização – um remate e um golo apontado -, gizou cinco cruzamentos, falhou apenas dois dos 14 passes tentados e escreveu o seu nome para a eternidade.
  • Lewandowski 6.5 – Não precisou de marcar para ser o terceiro jogador com a melhor nota da final. Óptima exibição do polaco, que foi o primeiro defesa da sua equipa e soube sempre assumir a responsabilidade nas diversas vezes em que a equipa mais precisou dele. Uma das figuras desta edição da prova.
  • Ander Herrera 6.4 – Um remate, dois passes para finalização, apenas um passe falhado em 21 tentados (95% de eficácia), três dribles certos em quatro feitos e 40 acções com a bola. Esteve 69 minutos em campo, mas foi o melhor jogador dos gauleses.
  • Mbappé 6.3 – Veloz que nem uma flecha, sempre que teve espaços foi uma dor de cabeça para Davies. Mas não foi apenas no ataque deu sinais de vida, pois foi estoico a defender – cinco recuperações – e só não teve uma nota mais elevada porque não teve o “killer instinct” a funcionar.
  • Neuer 5.5 – Aos 34 anos, continua a ser soberano. Excelente com a bola nos pés – cinco falhados em 30 tentativas, oito passes longos completos em 12 tentados e nove progressivos eficazes –, foi ainda herói com três defesas que impediram a glória do PSG, todas a remates na sua grande área.
  • Neymar 3.9 – Este domingo o “papai” esteve em modo “offline” e não conseguiu exibir-se ao mesmo nível que apresentou nas vitórias ante a Atalanta e Leipzig. Desperdiçou uma excelente oportunidade para marcar e, além de não ter sido assertivo no momento da finalização, poucas vezes conseguiu criar perigo a jogar entre linhas. É certo que foi “caçado” e sofreu com a agressividade alemã – seis faltas sofridas -, mas não teve o génio que se esperava. Dos nove dribles tentados, apenas quatro tiveram êxito e, nas 57 acções que protagonizou, em 17 perdeu a bola.

GoalPoint

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Triste foi o espectáculo nas bancadas com Marcelo mais uma vez a fazer na prática o contrário daquilo que defende.
    A política é uma guloseima para esta gente, está acima das leis e do bom senso.
    Tão triste como termos o Avante.
    Eles podem tudo, o povo não pode nada.
    Interessante toda a concertação dos Media para nem sequer comentarem a atitude de Marcelo. O tal sistema instalado sempre a proteger Marcelo.

RESPONDER

Coloridos e selados. Descobertos no Egito sarcófagos com mais de 2.500 anos

As autoridades egípcias anunciaram esta segunda-feira a descoberta de uma coleção de sarcófagos datados de há mais de 2.500 anos, na zona arqueológica de Sakkara, a sul da cidade do Cairo. Em comunicado, citado pela agência …

Nokia vai criar para a NASA a primeira rede móvel operacional na Lua

O grupo finlandês Nokia vai fabricar para a NASA aquela que será a primeira rede móvel móvel na Lua, como parte de um projeto de base humana permanente da agência espacial norte-americana, foi esta segunda-feira …

Sarkozy acusado de "associação criminosa". Investigação sobre ligações à Líbia continua

Nicolas Sarkozy, o antigo Presidente francês, está a ser acusado de "associação criminosa" como parte de uma investigação sobre o financiamento da sua campanha presidencial de 2007, particularmente acerca dos seus alegados vínculos com o …

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em três milénios

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em quase três milénios, aponta uma nova investigação da Universidade de Massachusetts em Amherst, nos Estados Unidos, e da Universidade de Quebec, no Canadá. As …

NASA apresenta rover "transformer" que vai explorar os penhascos íngremes de Marte

A NASA acaba de apresentar um rover de quatro rodas, denominado DuAxel, que se pode dividir em dois rovers de duas rodas separados. O robô foi projetado para, um dia, explorar alguns dos terrenos mais …

Veneno de vespa pode ter muito "potencial" na composição de antibióticos

Com o passar dos anos, a população começa a ficar mais resistente a certos medicamentos e estes deixam de fazer efeito. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu novas moléculas anti-microbianas a partir do veneno de …

"Ou és infetado ou morres de fome". Trabalhadores da Amazon nas Filipinas denunciam condições precárias

Trabalhadores contratados pela empresa de segurança Ring da Amazon que trabalham em call centers nas Filipinas denunciam condições de trabalho que dizem ser precárias, mostrando-se ainda mais preocupados com a situação por causa da pandemia …

"Momento muito duro". André Almeida sofreu rotura de ligamentos e arrisca paragem longa

O futebolista internacional português André Almeida sofreu uma entorse do joelho direito, que resultou numa “rotura do ligamento cruzado anterior e do ligamento lateral interno”, informou esta segunda-feira o Benfica. O lateral dos encarnados saiu aos …

Apoio à retoma. Empresas com perdas de 25% podem reduzir horário até 33% já esta terça-feira

Empregadores com quebra de faturação igual ou superior a 25% vão poder reduzir até 33% o horário dos trabalhadores, entre outubro e dezembro, segundo a alteração ao regime de retoma progressiva de empresas em crise. O …

Chega quer tornar voto obrigatório e sanções para quem não cumprir

O deputado único do Chega entregou uma nova proposta no âmbito do projeto de revisão constitucional do partido para tornar o voto obrigatório para todos os cidadãos que o possam exercer e sanções para quem …