Portuguesas têm mais habilitações mas ganham menos do que os homens

As mulheres trabalhadoras portuguesas têm habilitações superiores aos homens, mas ocupam sistematicamente níveis de qualificação mais baixos e têm um salário base médio inferior em 16,7%, segundo um estudo da CGTP-IN.

Intitulado “Caracterização e dados sobre a situação atual das mulheres em Portugal”, o estudo integra o plano de ação daquela central sindical para os próximos quatro anos, a aprovar hoje, em Lisboa, durante a 7.ª Conferência Nacional da Comissão para a Igualdade entre Mulheres e Homens, durante a qual será ainda eleita a nova direção nacional daquela comissão.

Segundo as conclusões do trabalho, “as mulheres trabalhadoras têm hoje, em média, níveis de habilitação superiores aos dos seus companheiros de trabalho homens sem que exista, no entanto, correspondência em termos salariais”.

“Assim, 60% do emprego total com o ensino superior é composto por mulheres e cerca de 49% com o ensino secundário ou pós-secundário também”, mas “até ao 9.º ano os homens são maioritários (57% do total)”, refere.

No que diz respeito aos salários, contudo, verifica-se que as trabalhadoras portuguesas não só “auferem salários base mais baixos do que os seus companheiros de trabalho do sexo masculino”, como “ocupam sistematicamente níveis de qualificação mais baixos quando comparadas com os trabalhadores homens na mesma situação”.

“Por exemplo, 41% dos homens trabalhadores licenciados estão classificados como quadros superiores, enquanto entre as mulheres a percentagem desce para os 29%”, sendo que “o mesmo sucede relativamente aos bacharelatos (30% face a 19%), mestrados (45,5% face a 26,9%) ou doutoramentos (73% face a 67%)”, conclui o estudo.

Segundo a CGTP, “este padrão de diferenças salariais reproduz-se e até aumenta quando considerados os ganhos mensais, ou seja, considerando também o pagamento por horas suplementares ou extraordinárias, prémios e subsídios regulares, uma vez que os homens tendem a fazer mais trabalho extraordinário e a alcançar mais prémios”. Neste caso, “o diferencial em termos do ganho mensal é de 20% em desfavor das mulheres trabalhadoras do setor privado”.

Para a central sindical, na base desta situação estão “diversos tipos de discriminação, quer relativamente às atividades e profissões que desempenham – habitualmente associadas a baixos salários -, quer no acesso e ascensão na carreira, discriminações com origem em estereótipos de diversa ordem que são usados pelo patronato para as sujeitar a uma maior exploração”.

A este propósito, a CGTP defende que o aumento do salário mínimo nacional “é também importante do ponto de vista da promoção da igualdade salarial entre mulheres e homens”, estimando que “se o salário mínimo fosse 600 euros em 2016 o diferencial entre mulheres e homens em desfavor daquelas baixaria de 16,7% para 15%”.

No ano passado, as mulheres representavam praticamente metade (49%) da população ativa e do emprego total e mais de metade (51,3%) do emprego assalariado e, apesar da retoma do crescimento do emprego verificado desde 2014, “no caso das mulheres a desaceleração é mais evidente (+1,8% em 2014, +1,6% em 2015 e +1,3% em 2016)”.

As mulheres trabalham maioritariamente nos serviços (80%), seguindo-se a indústria, construção, energia e água (com 24,5%) e a agricultura (4,8%), destacando-se nos serviços a administração pública, educação, saúde e ação social (com 33,6%), o comércio (22,3%) e outras atividades de serviços (cerca de 18%).

Ao contrário da indústria, construção, energia e água e também da agricultura, em que as mulheres representam apenas um terço dos trabalhadores, nos serviços passa-se o inverso, ocupando as mulheres cerca de 57% dos postos de trabalho, considerando o conjunto do setor.

Ainda mais elevado é o peso das mulheres na administração pública, educação, saúde e ação social (69%) e nas outras atividades de serviços (63%).

No que se refere à precariedade – onde a CGTP destaca Portugal como “o terceiro país entre os 28 da União Europeia com um nível de precariedade mais elevado, a seguir à Polónia e à Espanha” -, a incidência por sexo sofreu alterações nos últimos anos, sendo atualmente os homens os mais atingidos (22,5% face a 22,1% entre as mulheres), “apesar de em números absolutos o peso das mulheres ser superior em virtude de serem a maioria dos trabalhadores por conta de outrem”.

Contudo, destaca, “nas faixas etárias mais jovens, sobretudo entre os menores de 35 anos, as mulheres têm maior probabilidade de terem vínculos precários dos que os jovens do sexo masculino (67,1% face a 65,6% na faixa dos 15 aos 24 anos e 35,3% face a 32,9% na faixa dos 25 aos 34 anos)”.

Analisando os horários de trabalho e a conciliação com a vida familiar e pessoal, o estudo nota que, apesar de os homens “trabalharem habitualmente, em média, mais tempo do que as mulheres na sua atividade remunerada, no trabalho não pago acontece o inverso”: Se as mulheres trabalham oito horas e 35 minutos por dia no seu emprego remunerado e os homens nove horas e 22 minutos, no trabalho não pago (tarefas e responsabilidades no quadro doméstico/familiar) as mulheres com atividade profissional despendem mais uma hora e quarenta minutos por dia útil do que os homens.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Molly bate recorde ao nascer de um embrião congelado há 27 anos

No início deste ano, um embrião que foi congelado em 1992 foi implantado no útero de uma mulher. Agora, 27 anos depois, nasceu Molly Gibson. A bebé nasceu do mais antigo embrião do mundo que resultou …

Apareceu um terceiro monólito metálico. Agora, foi numa montanha da Califórnia

Um monólito metálico, semelhante aos encontrados há pouco tempo no deserto de Utah, nos Estados Unidos, e na cidade romena de Piatra Neamt, surgiu agora no estado norte-americano da Califórnia. A estrutura foi encontra na …

AEK 2 - 4 Braga | “Guerreiros” saqueiam Atenas e apuram-se

O SC de Braga garantiu esta quinta-feira o apuramento para os 16 avos-de-final da Liga Europa. Os minhotos foram à Grécia bater o AEK por 4-2, graças a uma exibição personalizada, num jogo em que …

Ciclone mortal deixou uma praia da Índia coberta de ouro

Centenas de pescadores, mulheres e crianças no distrito de East Godavari, no estado de Andhra Pradesh, no sul da Índia, passaram o fim de semana a vasculhar a praia local em busca de ouro. Após o …

O Flamengo de Jorge Jesus foi "um mero acidente de percurso"

2019 foi uma exceção para a equipa brasileira que, depois de ter vencido (quase) tudo, neste ano já foi afastado da Taça do Brasil e da Libertadores: "O português foi embora e com ele toda …

Concorrência condena MEO a pagar 84 milhões por combinar preços com a NOWO

A Autoridade da Concorrência (AdC) aplicou uma coima de 84 milhões de euros à MEO por combinar preços e repartir mercados com a operadora NOWO nos serviços de comunicações móveis e fixas. “A Autoridade da Concorrência …

PEV quer reverter privatização dos CTT. PS admite todos os cenários

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) defendeu hoje, no parlamento, a “reversão da nacionalização” dos CTT, e ouviu o PS admitir “todos os cenários”. Numa declaração política no parlamento, o deputado José Luís Ferreira afirmou que, …

Voltar à normalidade "não está longe, mas não é já", avisa Pfizer

O administrador executivo da Pfizer, Albert Bourla, apelou na quarta-feira para que os governos de todo o mundo não reabram as suas economias demasiado depressa devido ao otimismo gerado pelas vacinas de covid-19. Bourla, de 59 …

Biden quer retomar acordo nuclear com o Irão, embora reconheça que será "difícil"

O vencedor das eleições presidenciais norte-americanas, Joe Biden, pretende retomar o acordo nuclear com Irão antes mesmo de novas negociações, assumiu o democrata numa entrevista ao New York Times. Joe Biden afirmou, durante a campanha eleitoral, …

Processo de reprivaticação da Efacec atrasado devido à discussão do OE2021

Apesar de as avaliações no âmbito do processo de nacionalização e futura reprivatização da Efacec já estarem concluídas, o processo esteve condicionado pela discussão do Orçamento de Estado para 2021 (OE2021). De acordo com o Jornal …