Porto: Primeira galeria chegou a Miguel Bombarda há 20 anos

‘L’ Écriture du Désastre’, exposição de João Louro (foto: d.r.  Galeria Fernando Santos)

‘L’ Écriture du Désastre’, exposição de João Louro (foto: d.r. Galeria Fernando Santos)


A galeria Fernando Santos, a primeira a fixar-se na “zona das galerias”, no Porto, comemora em novembro o 20º aniversário com vontade de crescer e de ver a rua Miguel Bombarda transformada numa artéria pedonal.

“Há 20 anos era muita diferente, era uma zona residencial conforme ainda é hoje, mas era uma zona sem comércio e hoje a rua transformou-se e é uma referência”, sustenta Fernando Santos, que gostava de ver o novo executivo camarário retomar a ideia de ampliar o espaço pedonal para toda a artéria.

A Miguel Bombarda e as ruas adjacentes, concentram hoje cerca de 20 galerias mas a zona alberga também lojas de moda, de mobiliário, cabeleireiros e espaços de comércio alternativo como o CCB- Centro Comercial Bombarda.

Há duas décadas, Fernando Santos tinha uma galeria frente ao palácio de Cristal quando encontrou nas proximidades um armazém de vinhos que transformou na primeira galeria de Miguel Bombarda. Hoje tem também uma antiga padaria transformada em galeria e uma garagem que funciona como espaço de exposições alternativas.

“Era uma rua com tantos espaços disponíveis que acabei por fazer o convite aos meus colegas”, recorda Fernando Santos que hoje representa alguns dos nomes mais relevantes das artes plásticas portuguesas, caso Gerardo Burmester, Pedro Cabrita Reis, Nikias Skapinakis ou Alberto Carneiro mas também estrangeiros como Georg Baselitz ou Antoni Tàpies.

Nazoni foi uma universidade

A história da relação de Fernando Santos com a arte começou em Amarante, onde o pai era o responsável pelo museu local e prosseguiu no Porto, onde foi convidado a “integrar o projeto” da galeria Nazoni. “Foi uma universidade para mim”, confessa, mas ao fim de sete anos acabou por montar o seu projeto “quando a Nazoni começou a dar sinais de tremeliques”.

Recusa dizer em que lugar de um hipotético “top” estaria a sua galeria, optando por afirmar que faz o que faz “com muito carinho” e o “melhor” que pode e que talvez isso o faça “diferente das outras” e lhe garanta “ao longo deste percurso uma atividade que as pessoas respeitam muito”.

“Há um triângulo que tem de funcionar muito bem entre o artista, o galerista e o colecionador. Tem que haver uma relação de muita transparência, muita honestidade e fidelizar o colecionador é muito importante, porque as pessoas são desconfiadas se não dermos essa ideia de seriedade… não é só vender, é preciso motivar os artistas, é preciso conhece-los, isto é uma família”, afirma.

Fernando Santos garante que nos últimos 25 anos “o mercado de arte funcionou, houve muito dinheiro, as casas estavam vazias a arte acabou por mexer com a vida das pessoas em termos da decoração e de toda a ostentação que começou a haver”. Pertence a essa altura a peça mais cara que vendeu, um Tàpies, por cerca de 300 mil euros.

Hoje, afirma, “as casas estão cheias, há poucos colecionadores em Portugal” vivendo-se “uma crise completamente diferente das outras, que não se refletiram tanto nas vendas”.

Para Fernando Santos, se “as coisas estão um bocado paradas” não se pode baixar as mãos”. “Temos de manter a nossa atividade, temos uma função pedagógica, soubemos poupar para tempos mais difíceis e vamos funcionando com a programação sempre de qualidade que é importante para manter a galeria”, acrescenta.

O papel de Serralves

Fernando Santos destaca o papel “importantíssimo na divulgação” que o Museu de Serralves tem tido – “a instituição de arte mais prestigiada do país” – e lamenta que não exista em Portugal, especialmente para as pessoas que nos visitam, “uma instituição nacional que tenha uma coleção de arte portuguesa permanente”.

A crise não retirou a Fernando Santos a vontade de fazer mais. Enquanto vai mostrando os seus espaços à agência Lusa, que incluem também um armazém ao lado da galeria, fala de anexar mais uma área que lhe permitiria ligar Miguel Bombarda ao largo da maternidade Júlio Dinis.

Mas o seu projeto de eleição era a ampliação da zona pedonal, que hoje se limita a um quarteirão, a toda a extensão de Miguel Bombarda. “Tenho esperança que Rui Moreira pegue nisso porque os turistas hoje vêm cá à procura de zona das galerias e saem um pouco desiludidos”.

ZAP/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Depois da explosão, os protestos em Beirute. Manifestantes anti-Governo pedem mudança política urgente

Esta quinta-feira, dezenas de manifestantes foram dispersos com gás lacrimogéneo quando protestavam na sequência da explosão em Beirute, capital do Líbano, que provocou pelo menos 149 mortos, cinco mil feridos e a destruição de casas …

Em vez de flores, família de Fernanda Lapa pede donativos por Bruno Candé

A família da atriz, que faleceu esta quinta-feira, apela a que quem queira oferecer flores para o funeral faça antes um donativo para os herdeiros do ator Bruno Candé, que foi assassinado, em Lisboa. "A Família …

Orbán diz que todos os migrantes ilegais são potenciais "bombas biológicas"

O primeiro-ministro da Hungria, o ultranacionalista Viktor Orbán, defendeu esta sexta-feira que se deve impedir a chegada de imigrantes ilegais ao país porque estes são potenciais "bombas biológicas" devido à covid-19. Conhecido pelos seus discursos contra …

Donald Trump proíbe transações com empresa chinesa detentora do TikTok

Donald Trump assinou uma ordem executiva que proíbe as transações com a ByteDance no prazo de 45 dias e o Senado já aprovou o projeto de lei que proíbe o descarregamento e utilização da aplicação. …

Preocupado com os incêndios, Marcelo admite interromper férias. Ontem foi o pior dia

O Presidente da Repúblic disse esta quinta-feira que está a acompanhar a vaga de incêndios que assola o território continental e admitiu a possibilidade de interromper as férias no Porto Santo se a situação piorar. "É …

Portugal foi o "patinho feio", mas volta a estar em contraciclo com a Europa (por bons motivos)

Portugal destaca-se agora por apresentar uma tendência de redução de novos casos de infeção pelo novo coronavírus, ao contrário de outros países europeus. Quando o novo coronavírus começou a ganhar terreno no continente europeu, Portugal foi …

Kim Jong-un insiste que a Coreia do Norte travou o vírus, mas intensifica combate à covid-19

Kim Jong-un tem repetido várias vezes que a Coreia do norte "travou o vírus maligno", mas o reforço das medidas de combate à covid-19 e a canalização urgente de material médico e alimentos para Kaesong …

Novo Banco tinha autorização de Bruxelas para financiar venda de imóveis

A DG Comp da Comissão Europeia autorizou o Novo Banco a conceder crédito aos compradores do imobiliário vendido pela instituição. Quando o Novo Banco foi constituído, o acordo assinado entre a Direção Geral da Concorrência europeia …

Quase cinco meses depois, a Champions está de volta

A Liga dos Campeões é retomada esta sexta-feira, quase cinco meses depois da suspensão devido à pandemia de covid-19. Suspensa logo depois do jogo Leipzig-Tottenham, disputado a 11 de março, a prova milionária está de regresso …

Segunda vaga de covid-19 pode levar o desemprego aos 17,6%

Caso haja uma segunda vaga da pandemia de covid-19 em Portugal, a consultora EY estima que a taxa de desemprego possa atingir os 17,6% no final do ano. De acordo com a quarta edição do "Caderno …