Polvos não só sentem dor fisicamente, como também emocionalmente

Um novo e importante estudo sugere que os polvos provavelmente sentem e respondem à dor de uma forma semelhante à dos mamíferos.

De acordo com o site Science Alert, estudos anteriores já mostraram que os polvos podem responder reflexivamente a estímulos nocivos, aprendendo a evitar estes contextos prejudiciais.

O novo estudo aborda a experiência de dor destes animais em três partes. Depois de uma única sessão de treino numa caixa com três câmaras, os polvos que receberam uma injeção dolorosa de ácido acético mostraram claramente evitar a câmara onde isso aconteceu.

Por sua vez, os polvos que estavam no grupo de controlo – que receberam uma injeção indolor com uma solução salina – não tiveram essa reação e as suas preferências pelas câmaras não parecem ter sido influenciadas.

Além disso, quando os polvos que tinham sido sujeitos ao ácido acético receberam lidocaína (um analgésico), tenderam a preferir a câmara na qual sentiram alívio imediato da dor. Os animais que receberam apenas solução salina não ligaram à câmara onde o analgésico tinha sido aplicado.

A equipa de investigadores também encontrou evidências de que os polvos podem discriminar entre diferentes qualidades e intensidades de dor em diferentes locais dos seus corpos.

Todos os polvos que receberam o ácido tiveram um comportamento de limpeza no local da injeção durante os 20 minutos do teste, removendo uma pequena área da sua pele com o chamado bico (ou rostro).

Segundo o site IFLScience, a terceira e última parte da pesquisa traçou paralelos interessantes entre mamíferos e cefalópodes. Isto porque quando os mamíferos se magoam num determinado membro, por exemplo numa pata, a atividade neural associada à dor ocorre no centro do cérebro.

Esta atividade remota do local da lesão também é vista entre cefalópodes e, até agora, estes animais são os únicos invertebrados conhecidos por replicar este padrão. Algo confuso, visto que os polvos têm cérebros únicos que se estendem até aos seus membros.

Para testar se essa forma de processar a dor poderia ser observada em polvos, os investigadores fizeram gravações eletrofisiológicas para verificar onde foi desencadeada a atividade neural após a injeção de acido acético e perceber se essa atividade permanecia até a dor desaparecer com o efeito da lidocaína.

Os cientistas descobriram que a dor no braço desencadeou uma atividade prolongada que foi rapidamente silenciada pelo alívio da dor injetado no mesmo local que o ácido.

“Juntos, estes dados dão um forte suporte para a existência de um estado afetivo negativo e duradouro nos polvos; a primeira evidência de experiência de dor neste clado de invertebrados neurologicamente complexos”, escreveram os autores do estudo publicado, a 22 de fevereiro, na revista científica iScience.

  ZAP //

 

 

 

 

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …