/

Cientistas descobrem que planta comum na América do Norte é, afinal, carnívora

Uma equipa de botânicos descobriu que uma planta comum presente no oeste da América do Norte também é carnívora.

De acordo com o site EurekAlert!, a planta Triantha occidentalis vive em pântanos da América do Norte, do Alasca à Califórnia, mas também no interior. No verão, crescem-lhe hastes altas e floridas, cobertas por pelos pegajosos que prendem pequenos insetos, como mosquitos.

Agora, cientistas descobriram que esta planta adquire mais de metade do seu azoto ao digerir os insetos que ficam presos, uma estratégia eficaz tendo em conta o seu habitat pobre em nutrientes.

Segundo o mesmo site, a T. occidentalis é a 12.ª evolução independente já conhecida de carnivoria no mundo das plantas e é também a primeira vez que se observa esta característica na ordem de plantas Alismatales.

“O que é particularmente único nesta planta carnívora é que ela captura insetos perto das suas flores também polinizadas por insetos. À primeira vista, isto parece um conflito de interesses entre carnivoria e polinização, porque não é suposto matar os insetos que nos estão a ajudar a reproduzir”, afirma Qianshi Lin, da Universidade da Colúmbia Britânica e autor principal do estudo publicado, este mês, na revista científica PNAS.

No entanto, a planta parece ser capaz de distinguir os “amigos” da “comida”.

“Acreditamos que a T. occidentalis seja capaz de fazer isto porque os seus pelos glandulares não são muito pegajosos, só podendo aprisionar mosquitos e outros pequenos insetos. Desta forma, insetos muito maiores e mais fortes, como abelhas e borboletas, que são os que atuam como os seus polinizadores, não são capturados“, disse Tom Givnish, professor de Botânica da Universidade de Wisconsin-Madison e co-autor do estudo.

O ambiente em que esta planta vive também parece ter sido propício para chegar a esta característica, uma vez que o estilo de vida carnívoro consome tanta energia que parecem ser necessárias muita água e luz para permitir a sua evolução.

“Apenas em habitats onde os nutrientes por si só são limitantes é que se espera que a carnivoria seja uma vantagem”, acrescentou Givnish. Isto porque os insetos podem ser excelentes fontes de nutrientes que faltam ao solo, sobretudo azoto e fósforo.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.