Ultranacionalistas búlgaros apresentam plano para controlar natalidade cigana

eu2017ee / Flickr

Vice-primeiro-ministro e titular da Defesa, Krasimir Karakachanov

O plano que prevê a destruição de habitações ilegais e cortes nas ajudas sociais para as famílias que não enviem os seus filhos à escola está a suscitar polémica na Bulgária. 

Os ultranacionalistas que integram a coligação no poder na Bulgária apresentaram um plano para controlar a natalidade da população cigana do país através de um programa estatal de abortos, informaram os media locais.

O plano, que está a suscitar ampla polémica no país balcânico, Estado-membro da União Europeia (UE) e da NATO, foi apresentado pelo vice-primeiro-ministro e titular da Defesa, Krasimir Karakachanov e prevê ainda a criação de unidades voluntárias de segurança cidadã, trabalho social forçado, destruição de habitações ilegais e cortes nas ajudas sociais para as famílias que não enviem os seus filhos à escola.

“Devido à crescente tensão em torno dos ciganos na Bulgária e do estatuto privilegiado criado para a comunidade cigana face aos restantes cidadãos, chegou o momento para o Estado abandonar os seus duplos critérios”, assinala o líder do Movimento Nacional Búlgaro (IMRO, ultranacionalista) no seu plano, divulgado no Facebook.

Os partidos da oposição criticaram com veemência o plano apresentado pelo IMRO, enquanto o Cidadãos para o desenvolvimento europeu da Bulgária (GERB, populista conservador e que lidera o Governo de Sófia) declarou ser necessário “criar regras” para melhorar a convivência entre todos os grupos sociais do país.

Estas ideias são inumanas e contradizem a Constituição”, considerou Jeihan Ibryaimov, deputado do Movimento para os direitos e liberdades (DPS), que representa a minoria turca no país do Sul dos Balcãs. “Este plano é uma cópia da filosofia nazi dos anos 1930 e afasta a Bulgária do seu caminho europeu e da NATO”, acrescentou.

Os socialistas do BSP, também na oposição, atribuíram o polémico plano de Krasimir Karakachanov à pré-campanha para as europeias de maio, com o objetivo de “atrair apoio eleitoral”. “Sim, na Bulgária existe o fenómeno: o abuso das ajudas sociais. Mas se as leis forem respeitadas, creio que não fazem falta estes fogos artificiais do IMRO, assinalou o deputado socialista Tasko Ermenkov.

Os ciganos constituem entre 5% a 10% dos 7,1 milhões de habitantes da Bulgária, apesar de muitos membros desta etnia não se terem declarado ou registado nos organismos oficiais.

Muitos ciganos vivem marginalizados na Bulgária, o país mais pobre da UE e que nos últimos 25 anos perdeu um quinto da população devido à contínua emigração e à quebra da natalidade.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

O melhor professor do mundo é queniano e doa 80% do seu salário

Peter Tabichi é queniano, tem 36 anos e doa 80% do salário para desenvolver a sua comunidade local, numa remota vila no Quénia. Este domingo foi eleito, no Dubai, o melhor professor do mundo. Em Pwani, …

Pentágono autoriza mil milhões de dólares para construção de muro de Trump

O secretário da Defesa interino norte-americano, Patrick Shanahan, anunciou na segunda-feira o desbloqueio de mil milhões de dólares para a construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México. Shanahan “autorizou o …

Advogados de Rui Pinto recorrem da prisão preventiva

Os advogados de Rui Pinto, colaborador do "Football Leaks", confirmaram esta segunda-feira que vão recorrer da medida de prisão preventiva aplicada sexta-feira ao seu cliente pelo Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa. A decisão de recorrer …

Se a corrida continuar a três, McLaren ameaça deixar a Fórmula 1

A McLaren, a segunda equipa mais antiga da Fórmula 1, ameaça desistir da modalidade caso os regulamentos elaborados para 2021 não a tornem numa competição justa. A visão da Fórmula 1, a modalidade de automobilismo mais …

México quer que rei da Espanha peça perdão pela conquista colonial

Obrador diz que esta é a única forma possível de obter a reconciliação plena entre os países. O pedido foi feito por carta. O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, anunciou ter enviado uma carta ao …

"O Vieira pediu-me para dar uma coça a Francisco J. Marques"

Vítor Catão, diretor desportivo do S. Pedro da Cova, afirmou que o Benfica, através do seu presidente Luís Filipe Vieira, lhe deu 200 mil euros para colocar uma "lapa" no carro de Pinto da Costa, …

"Governo saudita deu a ordem" para matar Khashoggi

Em entrevista ao El Mundo, a namorada do jornalista saudita Jamal Khashoggi afirma que a ordem que determinou a sua morte foi dada pelo Governo da Arábia Saudita. Em entrevista ao diário espanhol El Mundo, a …

Já há água, eletricidade e estradas abertas na cidade da Beira

Começam a ver-se pequenos avanços na Beira, em Moçambique, que inicia o lento caminho da reconstrução, após a passagem do ciclone Idai, que matou pelo menos 446 pessoas e destruiu cerca de 90% dos edifícios …

"Um erro desculpável". Governante sem castigo após violar a Lei no caso dos mirtilos

O Tribunal Constitucional decidiu arquivar o caso das incompatibilidades envolvendo o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, que, durante dois anos, acumulou o cargo com a função de gerente numa empresa …

Erros em perguntas de exame obrigam a mudar notas de médicos estrangeiros

O exame feito por médicos estrangeiros para ter equivalência ao curso de Medicina em Portugal teve neste ano mais de 700 candidatos, a esmagadora maioria brasileiros. É uma procura histórica, admitem médicos e serviços académicos, por …