/

Pica-paus que dividem parceiras com irmãos vivem vidas mais longas

Os pica-paus machos que compartilham parceiros sexuais com os seus irmãos vivem mais, têm casas de melhor qualidade e procriam mais pica-paus bebés do que aqueles que escolhem um estilo de vida monogâmico.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A maioria das relações do pica-pau-das-bolotas (Melanerpes formicivorus) é semelhante à dos humanos, arranjando uma companheira com a qual procriam para o resto das suas vidas.

No entanto, realça a revista New Scientist, um terço das fêmeas e metade dos machos optam por procriar em grupos, compartilhando um ou mais parceiros com as suas irmãs ou irmãos. 

Num novo estudo levado a cabo por investigadores do Museu Nacional de História Natural, os autores descobriram que os pica-paus macho que levam um estilo de vida polígamo têm mais crias do que os monógamos. Esta conclusão contraria a ideia de que ter um único parceiro sexual resulta num maior número de crias.

Algo comum para os pica-paus-das-bolotas é governar uma zona de floresta ao lado de dois dos seus irmãos e um par de irmãs de outra família, com quem todos os irmãos acasalam e criam filhotes, explica o comunicado citado pelo portal Phys.

Até agora, os cientistas presumiam que os pica-paus que optavam por esta forma rara de poligamia estavam a fazer um compromisso evolutivo. Acreditavam que a rivalidade entre irmãos levaria a ninhadas mais pequenas.

“Por muito tempo, pensamos que a criação polígama era um compromisso, e a criação de casais foi considerada o padrão para deixar para trás o maior número de filhotes”, disse o autor principal do artigo, Sahas Barve. Para este estudo, os investigadores analisaram dados recolhidos ao longo de 40 anos.

Os investigadores explicaram a evolução da procriação polígama dos pica-paus com um conceito conhecido como seleção de parentesco — um mecanismo evolutivo que favorece o sucesso reprodutivo dos parentes, mesmo que custe a sua própria sobrevivência e reprodução.

Assim, a reprodução cooperativa poderia ter surgido e perpetuado entre os pica-paus, apesar de reduzir o número de descendentes. Mesmo se um macho perdesse a oportunidade de procriar para um dos seus irmãos, os filhotes resultantes teriam uma parte do seu ADN.

O estudo também descobriu que os machos que se reproduzem em grupo tendem a passar dois a três anos extra como procriadores em comparação com os monógamos.

“Pensávamos que os pica-paus-das-bolotas perdiam a aptidão ao reproduzirem-se cooperativamente, mas mostramos que a reprodução nestes grupos maiores é, na realidade, melhor do que a reprodução em pares”, disse Barve.

“Isto é algo que não foi demonstrado antes porque é muito difícil obter dados de longo prazo fortes o suficiente para estudá-los. Nesse sentido, as nossas descobertas também destacam o valor da pesquisa de longo prazo sobre o comportamento animal”, acrescentou.

Os resultados do estudo foram publicados recentemente na revista Proceedings of the Royal Society B.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.