/

As pessoas que se gabam do seu intelecto não sabem tanto quanto pensam

Ninguém gosta de um sabichão. Um novo estudo mostra que as pessoas que conseguem admitir que o seu conhecimento e pontos de vista possam não ser corretos, são, na realidade, os mais inteligentes.

O novo estudo, liderado pela psicóloga Elizabeth J. Krumrei-Mancuso, da Universidade Pepperdine, examina o conceito de humildade intelectual, que pode ser caracterizado como aceitando a falibilidade intelectual de uma forma aberta e equilibrada.

O oposto dessa humildade é o excesso de confiança intelectual: ter certeza de que se está certo sobre as coisas. Mas enquanto a confiança nas coisas que pensa e acredita é boa, o excesso de confiança pode ser um problema para o conhecimento que se tem certeza de que possui.

“A investigação demonstra que aqueles que acreditam que o conhecimento é certo são suscetíveis a tirar incorretamente conclusões definitivas de evidências ambíguas”, explicaram Krumrei-Mancuso e os co-autores no artigo publicado na revista científica The Journal of Positive Psychology.

“Ou seja, os indivíduos tendem a distorcer as informações para se ajustarem às suas crenças epistemológicas, o que pode afetar asua interpretação da informação e aquisição de conhecimento.”

“Quando se trata de crenças, as pessoas tendem a apreciar que os outros tenham uma mente aberta, mas também podem ver pessoas que não têm certeza sobre as suas crenças como fracas ou podem ver aqueles que mudam o seu ponto de vista como instáveis ​​ou manipuladores”, explicou Krumrei-Mancuso.

“Este estudo foi motivada por um desejo de compreender o valor potencial da humildade intelectual. Será que nos beneficia reconhecer nossa falibilidade intelectual?”. Para descobrir, Krumrei-Mancuso e a sua equipa realizaram cinco experiências separadas envolvendo quase 1.200 participantes, projetadas para examinar os vários elos entre a humildade intelectual e a aprendizagem.

Na investigação, os entrevistados foram questionados sobre uma série de questões e classificados numa escala de humildade intelectual desenvolvida pelos cientistas. “A escala consiste de uma subescala “Sabe-Tudo”, avaliando atitudes excessivas de superioridade intelectual e uma subescala de “Abertura Intelectual”, avaliando a abertura para aprender com os outros”, escrevem os investigadores.

Os resultados mostraram que a humildade intelectual parece ter um efeito misto na capacidade das pessoas de adquirir conhecimento. Ser intelectualmente humilde foi associado a melhores pontuações num teste que avaliou o conhecimento geral, mas parecia não estar relacionado com a capacidade cognitiva dos participantes.

O facto de que a humildade intelectual estava ligada ao conhecimento geral, mas não à capacidade cognitiva, poderia sugerir que o primeiro está associado à inteligência cristalizada (habilidades e conhecimentos aprendidos), mas não à inteligência fluida (capacidade de resolver problemas).

A humildade intelectual “estava associada a uma avaliação mais precisa do conhecimento geral de alguém”, disse Krumrei-Mancuso. “Saber (e estar disposto a admitir) o que não se conhece pode ser o primeiro passo para procurar novos conhecimentos.”

Com a humildade intelectual podem aparecer alguns problemas. Num dos estudos, o traço também foi relacionado com ter uma média de notas mais baixa. Outra descoberta foi que pessoas intelectualmente humildes subestimaram a sua capacidade cognitiva.

No geral, os investigadores reconhecem que mais estudos precisam de ser feitos para entender como a humildade intelectual afeta o conhecimento, a cognição e a capacidade de aprender coisas novas.

“A humildade intelectual pode contribuir para os bens sociais de várias maneiras”, explicou Krumrei-Mancuso. “A humildade intelectual vai além das perceções das opiniões das pessoas e das perceções das pessoas, o que tem implicações nas atitudes sociais e, possivelmente, nos comportamentos sociais. Isso pode ajudar as pessoas a tratarem os outros com civilidade e benevolência, mesmo diante de divergências persistentes.”

  ZAP // Science Alert

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.