Perdeu o seu antigo álbum de fotos de família? A internet pode ajudar a encontrá-lo

Uma conta que se tornou viral no TikTok procura os donos de antigas fotografias e vídeos. Há já vários casos de sucesso.

A nostalgia é um sentimento único que nos faz viajar sem sair do sítio. Os álbuns de fotografias eram muitas vezes a melhor forma de o fazer. Quer fosse o seu 6.º aniversário ou aquele Natal longínquo que reuniu a família toda, os álbuns e os vídeos caseiros eram muitas vezes a melhor solução para relembrar estes momentos.

Com o passar dos anos, no entanto, este tipo de memórias podem perder-se por diferentes razões. É com isto em mente que nasceu o “Museum of Lost Memories”, que em português de pode traduzir por “Museu das Memórias Perdidas”.

Seja no TikTok, Instagram, Facebook ou Twitter, esta página procura usar o poder da internet para devolver fotografias, vídeos e outros bens às pessoas a quem pertenciam.

Por exemplo, no ano passado, o Museum of Lost Memories encontrou o dono de um vídeo perdido de uma família de férias no Quénia, em 1989. A gravação foi perdida depois de a mãe de Jono Marcus ter mudado de casa, em 2016.

David Gutenmacher, que gere o Museum of Lost Memories, encontrou o vídeo numa loja de caridade em Nova Jersey, nos EUA, e publicou um vídeo no TikTok. “Encontrei este VHS de uma família de férias, por isso comprei, levei para casa e digitalizei”, explicou na descrição do vídeo.

O vídeo tornou-se viral nas redes sociais e, graças à ajuda dos internautas, Jono Marcus foi identificado, conta o The Mirror.

“Despertou mais uma sensação de juventude e diversão do que aquilo que eu poderia ter posto numa prateleira”, disse Marcus.

O mesmo aconteceu com Liberté Reilly. A página partilhou um vídeo de uma manhã de Natal, em 1995.

“Encontrei esta cassete numa loja em Santa Cruz, Califórnia! Como você pode ver, é intitulada ‘Natal ’95’ e a data é confirmada na própria cassete. Praticamente toda a cassete é uma família a abrir presentes na manhã de Natal”, lia-se na descrição do vídeo. Eventualmente, Reilly foi encontrada por internautas.

Estes são apenas dois dos vários casos de sucesso, em que o verdadeiro dono destes pedaços de memórias foram encontrados vários anos depois.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.