Perder apenas um grama de gordura pode curar a diabetes tipo 2

Um novo estudo britânico afirma que a diabetes tipo 2 pode ser derrotada apenas perdendo um grama de gordura. O problema é que essa gordura tem que vir do pâncreas.

A investigação não tem implicações para as pessoas com diabetes tipo 1, em que o pâncreas é danificado pelo próprio sistema imunológico do corpo, mas pode dar origem a um novo medicamento ou tratamento para a diabetes tipo 2.

Cientistas da Universidade de Newcastle, no Reino Unido, mostraram que a diabetes tipo 2 é causada pelo entupimento de gordura no pâncreas. Quando esta gordura desaparece, o mesmo acontece com a doença.

O pâncreas é um pequeno órgão que fica atrás do estômago e bombeia a insulina necessária para manter os níveis de açúcar no sangue sob controle.

Na diabetes tipo 2, não é produzida insulina suficiente, e quando é, não funciona de forma adequada.

A diabetes tipo 2, que está em ascensão devido à obesidade e ao aumento de gordura nas pessoas, é muitas vezes controlada inicialmente com uma dieta rigorosa e exercício físico.

Ainda assim, muitos pacientes vêem a sua saúde piorar ao longo do tempo e, eventualmente, precisam de comprimidos ou injeções de insulina para sobreviver.

Os diabéticos são mais propensos a desenvolver doenças cardíacas, cegueira, doença renal e danos nos nervos e no sistema circulatório, o que na pior das hipóteses pode levar a amputações.

Para analisar o papel da gordura na diabetes, os investigadores britânicos analisaram a saúde de 27 homens e mulheres obesos que foram submetidos a uma cirurgia de perda de peso.

Dois terços dos participantes tinham diabetes e não estavam a produzir insulina suficiente.

De acordo com os resultados do estudo, todos os participantes perderam peso após a operação, mas apenas os diabéticos perderam gordura do pâncreas.

Perderam um pouco menos de um grama, em média. Apesar de ser pouco, foi o suficiente.

Mais do que isso. oito semanas após a operação, a produção de insulina tinha voltado ao normal, ou seja, a diabetes dos participantes tinha desaparecido.

Os cientistas acreditam que eles podem ficar livres da doença, sem necessidade de medicamentos para a controlar, por um período de até 20 anos.

“Para as pessoas com diabetes tipo 2, perder peso permite-lhes drenar o excesso de gordura do pâncreas, fazendo com que a sua função volte ao normal”, diz o professor Roy Taylor, um dos autores do estudo, publicado na Diabetes Care, a revista da Associação Americana de Diabetes.

“Então, se me perguntar quanto peso precisa de perder para fazer desaparecer os seus diabetes, a resposta é: um grama. Mas tem de ser no pâncreas”, acrescentou o investigador.

Curiosamente, o nível de perigo da gordura no pâncreas varia de pessoa para pessoa, ajudando a explicar por que uma pessoa magra pode ser diabética, enquanto outra que esteja acima do seu peso ideal pode não ter a doença.

Assim, se tiver diabetes tipo 2, talvez valha a pena procurar um médico que o ajude a perder a gordura acumulada no pâncreas.

HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Fórmula 1 quer atingir emissões zero de CO2 até 2030

A Fórmula 1 pretende reduzir a zero as emissões de CO2 até 2030, com base num plano que pretende “pôr em marcha de imediato”, anunciou esta terça-feira a Federação Internacional do Automóvel (FIA). O plano divulgado …

A Tesla vai lançar a sua misteriosa pickup “cyberpunk” elétrica ainda este mês

A nova Tesla Cybetruck já tem data de lançamento após um longo tempo de espera. O fundador da empresa, Elon Musk, anunciou que a carrinha "pickup" será revelada no dia 21 de novembro. O anúncio foi …

Asteróide "potencialmente perigoso" aproxima-se da Terra esta quarta-feira

Um asteróide com 147 metros de diâmetro, caracterizado pela NASA como "potencialmente perigoso" vai aproximar-se da Terra esta quarta-feira. Em causa está o corpo rochoso UN12 2019, explica a agência espacial norte-americana, dando conta que o …

Encontrado submarino da II Guerra Mundial que esteve perdido durante 75 anos (devido a um erro de tradução)

Uma equipa de exploradores oceânicos privada encontrou na costa do Japão um submarino do exército norte-americano do tempo da II Guerra Mundial, que estava desaparecido há 75 anos por causa de um erro num dígito …

Uma casa esteve a afundar-se no Tamisa para alertar para a subida do nível dos oceanos

No passado domingo, quem passou junto ao rio Tamisa, em Londres, não deverá ter ficado indiferente à típica casa dos subúrbios ingleses que se afundava perto da Tower Bridge. Felizmente, de acordo com a agência Reuters, …

A defesa de Lage é a melhor do Benfica em quase 30 anos

A defesa de Bruno Lage leva apenas quatro golos sofridos em 11 jornadas, o que faz dela a melhor defesa do campeonato e a melhor do Benfica desde a temporada de 1990/1991, escreve o jornal …

OE2020. “Não vamos para negociar”, esclarece Jerónimo de Sousa

O PCP vai reunir esta quarta-feira com o Governo com vista ao Orçamento de Estado para 2020. Jerónimo de Sousa esclareceu esta terça-feira que os comunistas não vão para negociar, sendo "manifestamente exagerado dizer que …

Benjamin "morreu" enquanto cumpria pena de prisão perpétua. Agora está vivo e quer a liberdade

Um norte-americano, de 66 anos, que cumpre pena de prisão perpétua por ter espancado um homem até à morte em 1996, pretendia ser libertado, uma vez que o seu coração parou por breves instantes. Em 1996, …

“Máfia do Sangue”. Ministério Público deixa Octapharma fora da acusação

O Ministério Público (MP) deixou a farmacêutica Octapharma fora da acusação da operação "O Negativo" por considerar que o ex-administrador Lalanda e Castro montou um esquema de corrupção para a venda de plasma ao Serviço …

Rio Nilo tem 30 milhões de anos. É seis vezes mais antigo do que se pensava

Um grupo de cientistas estudou diferentes sedimentos do rio, incluindo as rochas vulcânicas da região planáltica da Etiópia, e fez simulações computacionais para traçar a vida do rio até ao passado mais longínquo, contabilizou agora …