Este pequeno verme é a criatura mais barulhenta dos oceanos

O oceano é um lugar surpreendentemente barulhento. Há baleias cantoras, camarões-pistola que produzem estrondos sónicos e cardumes de peixes barulhentos. 

Mas das criaturas grandes e pequenas que habitam os nossos oceanos, poucas se tornam mais barulhentas do que uma estranha e pequena espécie de minhoca.

Os vermes marinhos, Leocratides kimuraorum, podem ser encontrados em esponjas na costa do Japão, a profundidades de mais de 330 pés. De acordo com o artigo publicado a 8 de julho na revista Current Biology, uma equipa de biólogos marinhos da Universidade de Kyoto e da Universidade de Alberta descobriu que este minúsculo verme consegue produzir um ruído que atinge cerca de 157 decibéis.

A audição humana começa a ficar desconfortável em torno de 110 decibéis, enquanto 130 decibéis é o limite, tornando-se doloroso e prejudicial. Um leão pode rugir tão alto como 114 decibéis e um alouatta, um macaco que é o animal mais barulhento das Américas, pode guinchar a 140 decibéis. Até um motor a jato a descolar a poucos metros de distância é de apenas 150 decibéis.

Os investigadores não sabem como é que uma minhoca minúscula produz um ruído tão poderoso, uma vez que é bastante incomum que animais de corpo mole gerem altos ruídos. No entanto, especulam que seja gerado através de uma simples contração muscular que nunca foi documentada em criaturas de corpo mole, o que cria uma onda de pressão semelhante à dos camarões.

“Claramente, até mesmo os invertebrados marinhos de corpo mole conseguem produzir sons notavelmente altos debaixo de água”, escrevem os autores do estudo, citado pela Science Magazine. “Como o fazem continua a ser um quebra-cabeça biomecânico intrigante que sugere um novo tipo de biologia extrema.”

“Sugerimos um novo mecanismo para gerar movimentos ultrarrápidos e sons altos num animal de corpo mole: paredes musculares finas e faríngeas parecem permitir o armazenamento de energia. Isso permite uma expansão extremamente rápida da faringe dentro do corpo do verme durante o ataque, o que produz um som de estalo intenso e um influxo rápido de água”.

A razão para fazerem esse barulho também é um mistério. Muitas outras pequenas feras marinhas usam explosões de barulho para atordoar as suas presas. Os cientistas acham que o L kimuraorum usa seu som para atordoar outros vermes durante um duelo, no que chamam de “luta pela boca”.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. …deviam ter um aviso bem visível para visualizar o vídeo com o som no mínimo, caro Zap.
    Agora vou ter de substituir os altifalantes do pc!

Inscrição hebraica com 2.800 anos revela antigo nome bíblico

Uma equipa de arqueólogos encontrou um jarro com 2.8000 anos com a inscrição em hebraico "Benayo" no sítio arqueológico de Abel Beth Maacah, no norte de Israel, local várias vezes mencionado na Bíblia Hebraica.  De …

Braga vence FC Porto e conquista Taça da Liga. Sérgio coloca lugar à disposição

O Sporting de Braga venceu hoje o FC Porto por 1-0 e conquistou a Taça da Liga, com Ricardo Horta a marcar o golo decisivo aos 90+5, garantindo um troféu que os bracarenses já tinham …

Rara moeda de ouro com a cara de Eduardo VIII vendida por preço recorde

Uma rara moeda de ouro com o perfil do rei britânico Edward VIII foi vendida a um comprador particular pelo valor recorde de 1,3 milhões de dólares. A informação é avançada pela Royal British Mint, a …

Depois dos incêndios, Austrália está prestes a experimentar uma "bonança" de aranhas mortais

Depois dos incêndios florestais que assolaram o país, os australianos começaram a implorar por chuva. O bónus de aranhas mortais não estava incluído no pedido, mas os especialistas do Australian Reptile Park acreditam que é …

Governo admite retirar cidadãos nacionais de Wuhan

As autoridades portuguesas estão a cooperar com outros países europeus para reforçar o apoio aos cidadãos nacionais que se encontram em Wuhan, onde ocorreram os primeiros casos do novo coronavírus, admitindo a possibilidade de retirá-los …

Os cogumelos podem ser muito mais antigos do que pensávamos

Os cogumelos podem ser mais antigos do que pensávamos, concluíram cientistas que dataram vestígios de micélio (constituinte dos cogumelos) com 800 milhões de anos, divulgou esta quarta-feira a Universidade Livre de Bruxelas, na Bélgica. Estudos anteriores …

Comer iogurte natural pode ajudar a reduzir o risco de cancro da mama

Uma das causas mais apontadas para o cancro da mama é a inflamação causada por bactérias nocivas. Esta tese ainda não foi provada, mas é apoiada pelas evidências até agora disponíveis de que a inflamação …

Primeiro caso suspeito de infeção por coronavírus detetado em Portugal

Foi detetado o primeiro caso suspeito de infeção infeção pelo novo coronavírus , em Portugal, anunciou este sábado a Direção-Geral de Saúde. “Este doente, regressado hoje [este sábado] da China, onde esteve na cidade de Wuhan …

Slava Semeniuta transforma chuva em atmosfera néon

O artista e fotógrafo russo Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, mistura elementos naturais e faz mágica com eles. Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, retoca fotografias de poças de água para criar composições …

Empresa quer vender dispositivos que extraiem água potável do ar

A empresa israelita Watergen está a planear começar a vender uma versão para o consumidor do seu aparelho que extrai água potável do ar ainda este ano. A tecnologia do gerador atmosférico da empresa está em …