Peixes que comem plástico nunca mais querem outra coisa

A poluição dos oceanos com plásticos afecta o crescimento e até os hábitos alimentares dos peixes. Aqueles que comem plástico, não voltam a querer outra coisa e passam a ignorar a sua comida natural, conclui um novo estudo científico.

Um estudo com larvas de perca, expostas a altas concentrações de micro-plásticos, publicado esta sexta-feira na revista Science, apurou que a poluição dos oceanos com plásticos acarreta “efeitos dramáticos” – e diferentes do que se esperava

A equipa de cientistas da Universidade de Uppsala, na Suécia, usou em amostras de embriões e de larvas de perca do Mar Báltico, que expôs a diferentes níveis de concentração de micro-plásticos de poliestireno.

Estes micro-plásticos são partículas com poucos milímetros de tamanho, que existem nos oceanos como resultado do degaste ou da desagregação de objectos de plástico maiores que, todos os anos, são despejados aos milhares e milhares nas águas de todo o planeta.

A exposição a “concentrações relevantes” destas partículas “inibe a eclosão, diminui as taxas de crescimento e altera as preferências alimentares e os comportamentos inatos das larvas de percas europeias”, concluíram os investigadores.

Os peixes apresentaram “comportamentos alterados” – passaram a comer apenas micro-plásticos, por exemplo,ignorando a sua comida natural, o plâncton.

“Esta é a primeira vez que se descobre que um animal prefere alimentar-se de partículas de plástico e é motivo de preocupação“, realça o biólogo Peter Eklov, investigador do Departamento de Ecologia e Genética da Universidade de Uppsala, em declarações ao jornal inglês The Telegraph.

Os resultados do estudo permitiram ainda constatar que os peixes expostos às mais altas quantidades de plástico “ignoraram completamente o cheiro de percas feridas atiradas para os seus tanques, uma fragrância que costuma fazer com que congelem para evitar serem vistos”.

Quando colocados num tanque com lúcios, predadores das percas, os peixes expostos ao plástico foram apanhados e comidos “três vezes mais depressa” do que os peixes que cresceram em águas livres de plástico.

A isto acresce o facto de os peixes expostos ao micro-plástico crescerem mais lentamente, apresentando-se também menos activos.

Volvidos cerca de dois meses depois da exposição, os peixes ainda apresentavam “as entranhas cheias de partículas de plástico”.

Os investigadores concluíram que o micro-plástico actua “tanto quimicamente como fisicamente no desenvolvimento e na performance de larvas de peixes”, contribuindo, designadamente, para o declínio na população de peixes.

Notícias recentes apontaram para a possibilidade de, em 2050, haver mais plástico nos mares do que peixes.

A bióloga marinha Oona Lonnstedt, uma das investigadoras envolvidas no estudo, realça que se os resultados verificados com as larvas de perca forem semelhantes noutras espécies, “isto traduz-se em aumento das taxas de mortalidade“.

“Os efeitos nos ecossistemas aquáticos podem ser profundos”, diz a investigadora.

SV, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

A longo prazo, o distanciamento social pode até ser melhor para a economia

O isolamento social durante uma pandemia, como é o caso da covid-19, que já fez mais de 48.000 vítimas mortais por tudo o mundo, pode revelar-se melhor para a economia a longo prazo, revelou uma …

Elon Musk doou 1.000 ventiladores a hospitais (mas eram do tipo errado)

Nos últimos dias, Elon Musk, CEO da Tesla, recebeu muitos elogios por ter doado mil ventiladores a hospitais da Califórnia, que enfrentam um número esmagador de casos de coronavírus. Porém, os ventiladores não eram do …

Coronavírus pode replicar-se na boca e nariz durante uma semana antes de infetar pulmões

O coronavírus pode permanecer e replicar-se na boca e no nariz durante uma semana antes de infetar aos pulmões, à traqueia e aos brônquios, revela um estudo, que mostra igualmente que é expulso do organismo …

PSP vai utilizar câmaras portáteis em drones no estado de emergência

A PSP vai utilizar 20 câmaras portáteis de videovigilância, 18 das quais vão ser instaladas em ‘drones’, durante o estado de emergência devido à pandemia de covid-19, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna …

Em Nova Iorque, prisioneiros são usados para cavar valas comuns

Nova Iorque está a oferecer seis dólares por hora e material de proteção individual aos prisioneiros de Rikers Island que aceitem ajudar a cavar valas comuns. Projeções da Fundação Gates apontam que, em Nova Iorque, o …

EUA estará a pagar para desviar carregamentos de máscaras adquiridas por França

As autoridades francesas estão a acusar os Estados Unidos de terem pago para desviar um carregamento de máscaras faciais oriundo da China. Este episódio é apenas mais um na saga sobre a escassez de máscaras de …

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados antecipadamente para prevenir a propagação da pandemia de covid-19 no meio prisional, revelou esta quinta-feira a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, em declarações à RTP3. A …

OMS e EUA ponderam alargar recomendação para uso de máscaras

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai reavaliar as suas recomendações sobre o uso de máscaras para prevenir a contaminação com covid-19, disse esta quinta-feira o presidente do grupo de especialistas que vai discutir o …

Covid-19. Mais de 95% das vítimas mortais na Europa tinham mais de 60 anos

O diretor regional para a Europa da Organização Mundial de Saúde (OMS), Hans Kluge, revelou esta quinta-fera que mais de 95% das vítimas mortais da covid-19 na Europa têm mais de 60 anos de idade. Em …

Curva portuguesa mostra abrandamento de novos casos (mas é preciso "cautela")

Portugal tem assistido desde o dia 25 de março a um abrandamento do aumento percentual diário de novos casos de covid-19, segundo dados divulgados pelo Barómetro Covid-19 da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP). Segundo Carla …