Peixes que comem plástico nunca mais querem outra coisa

A poluição dos oceanos com plásticos afecta o crescimento e até os hábitos alimentares dos peixes. Aqueles que comem plástico, não voltam a querer outra coisa e passam a ignorar a sua comida natural, conclui um novo estudo científico.

Um estudo com larvas de perca, expostas a altas concentrações de micro-plásticos, publicado esta sexta-feira na revista Science, apurou que a poluição dos oceanos com plásticos acarreta “efeitos dramáticos” – e diferentes do que se esperava

A equipa de cientistas da Universidade de Uppsala, na Suécia, usou em amostras de embriões e de larvas de perca do Mar Báltico, que expôs a diferentes níveis de concentração de micro-plásticos de poliestireno.

Estes micro-plásticos são partículas com poucos milímetros de tamanho, que existem nos oceanos como resultado do degaste ou da desagregação de objectos de plástico maiores que, todos os anos, são despejados aos milhares e milhares nas águas de todo o planeta.

A exposição a “concentrações relevantes” destas partículas “inibe a eclosão, diminui as taxas de crescimento e altera as preferências alimentares e os comportamentos inatos das larvas de percas europeias”, concluíram os investigadores.

Os peixes apresentaram “comportamentos alterados” – passaram a comer apenas micro-plásticos, por exemplo,ignorando a sua comida natural, o plâncton.

“Esta é a primeira vez que se descobre que um animal prefere alimentar-se de partículas de plástico e é motivo de preocupação“, realça o biólogo Peter Eklov, investigador do Departamento de Ecologia e Genética da Universidade de Uppsala, em declarações ao jornal inglês The Telegraph.

Os resultados do estudo permitiram ainda constatar que os peixes expostos às mais altas quantidades de plástico “ignoraram completamente o cheiro de percas feridas atiradas para os seus tanques, uma fragrância que costuma fazer com que congelem para evitar serem vistos”.

Quando colocados num tanque com lúcios, predadores das percas, os peixes expostos ao plástico foram apanhados e comidos “três vezes mais depressa” do que os peixes que cresceram em águas livres de plástico.

A isto acresce o facto de os peixes expostos ao micro-plástico crescerem mais lentamente, apresentando-se também menos activos.

Volvidos cerca de dois meses depois da exposição, os peixes ainda apresentavam “as entranhas cheias de partículas de plástico”.

Os investigadores concluíram que o micro-plástico actua “tanto quimicamente como fisicamente no desenvolvimento e na performance de larvas de peixes”, contribuindo, designadamente, para o declínio na população de peixes.

Notícias recentes apontaram para a possibilidade de, em 2050, haver mais plástico nos mares do que peixes.

A bióloga marinha Oona Lonnstedt, uma das investigadoras envolvidas no estudo, realça que se os resultados verificados com as larvas de perca forem semelhantes noutras espécies, “isto traduz-se em aumento das taxas de mortalidade“.

“Os efeitos nos ecossistemas aquáticos podem ser profundos”, diz a investigadora.

SV, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Parker Solar Probe lança nova luz sobre o Sol

Em agosto de 2018, a Parker Solar Probe da NASA foi lançada para o espaço, tornando-se pouco tempo depois a sonda mais próxima do Sol. Com instrumentos científicos de ponta para medir o ambiente em …

Encontrado no mar das Malvinas navio alemão da I Guerra Mundial 105 anos depois de naufragar

O naufrágio de um cruzador alemão da I Guerra Mundial foi identificado nas Ilhas Malvinas, onde foi afundado pela Marinha britânica há 105 anos. O SMS Scharnhorst foi o principal ativo da esquadra alemã na Ásia …

Boavista 1-4 Benfica | Águia goleia no xadrez do Bessa

O Benfica deu o pontapé de saída da 13ª jornada com uma vitória competente na visita ao Boavista, por 4-1. Num jogo potencialmente perigoso para as aspirações “encarnadas”, frente a um adversário com somente uma derrota …

Cientistas desenvolvem técnica para determinar o humor através da caligrafia

Uma equipa de cientistas estudou a biomecânica dos movimentos das mãos a escrever e a desenhar, e desenvolveu um método para avaliar as propriedades individuais da velocidade de escrita e da pressão do lápis no …

Quase seis mil denúncias de agressões sexuais em viagens da Uber nos EUA

A plataforma de transporte de passageiros Uber divulgou na quinta-feira um relatório, revelando quase seis mil denúncias de agressões sexuais a utilizadores, motoristas e terceiros nos Estados Unidos (EUA), em 2017 e 2018. No relatório de …

Polícia de Los Angeles vai usar dispositivo "ao estilo Batman" para prender suspeitos

A polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, vai adotar, no início do próximo ano, um novo dispositivo, conhecido como BolaWrap 100, que dispara um cinto de fibra sintética a uma velocidade de 200 metros …

Corriere dello Sport defende-se das acusações e garante ser "inimigo do racismo"

O jornal desportivo italiano Corriere dello Sport afirmou esta sexta-feira ser “inimigo do racismo”, defendendo-se das críticas motivadas pela manchete de quinta-feira, com o título “Black Friday” e ilustrada com os futebolistas negros Romelu Lukaku …

Alisadores e tintas para cabelo podem aumentar o risco de cancro da mama

Alisadores e tintas para cabelo são dois produtos comummente utilizados por mulheres. Um novo estudo sugere que estes podem aumentar o risco de cancro da mama, especialmente em mulheres negras. Muitos produtos capilares contêm compostos que …

Black Friday. Marca de cosméticos oferece por engano desconto de 96% e perde 10 milhões em duas horas

Uma falha no site oficial da marca de produtos cosméticos Foreo fez com que o seu artigo mais caro fosse vendido com um desconto de 96%, fazendo com que a empresa sueca perdesse 10 milhões …

Camisola usada por Pelé no seu último jogo foi vendida por 30 mil euros em leilão

Uma camisola usada por Pelé no seu último jogo com a seleção brasileira foi vendida por 30 mil euros num prestigiado leilão de objetos desportivos, realizado na quinta-feira em Turim, Itália. A camisola com o número …