Mourinho humilhado na Croácia. Paulo Fonseca fica sozinho na Liga Europa

1

Filip Singer / EPA

O Tottenham, de José Mourinho, sofreu uma eliminação humilhante, esta quinta-feira, ante o Dínamo de Zagreb, pelo que Paulo Fonseca será o único de quatro treinadores portugueses a chegar aos quartos-de-final da Liga Europa.

Ao perder por 3-0, após prolongamento, José Mourinho abandona a prova a par do Olympiacos, de Pedro Martins, e do Shakhtar Donetsk, de Luís Castro, deixando a Roma, de Paulo Fonseca, como a única referência lusa em termos de técnicos.

A vantagem de 2-0 com que os spurs se apresentaram na Croácia foram anulados por um bis de Mislav Orsic, aos 62 e 83 minutos.

No prolongamento, o inevitável Orsic passou por toda a gente e, à entrada da área, rematou e operou o milagre, com o tento aos 106 minutos que valeu o primeiro apuramento frente a um adversário inglês na UEFA.

Os croatas foram liderados por Damir Krznar, que já esta semana substituiu Zoran Mamic, que se demitiu depois de ter visto confirmada uma pena de prisão por fraude.

No final do encontro, o treinador português estava visivelmente irritado, tendo criticado a atitude dos jogadores e pedido desculpa aos adeptos.

“Lamento que a minha equipa – e eu pertenço a essa equipa – não tenha trazido para o jogo as regras básicas do futebol e não apenas isso, as regras básicas da vida, o respeito pelos nossos trabalhos, que é dar tudo”, afirmou o técnico, citado pelo Tribuna Expresso.

O Dínamo jogou com desejo. Também posso chamar-lhe profissionalismo porque, para mim, o profissionalismo começa com a atitude”, disse ainda, acrescentando que os seus jogadores “não pareceram estar a jogar uma partida importante”.

“Não preciso de críticas externas porque sinto-me profundamente magoado com o que aconteceu à minha equipa. Não quero dizer muito mais do que isto. Em nome da minha equipa, apesar de alguns deles não partilharem os meus sentimentos, apenas posso pedir desculpa aos adeptos”, declarou.

No embate entre dois técnicos lusos, Paulo Fonseca apresentou-se na Ucrânia com três golos de vantagem (3-0), voltando a impor-se ao conjunto de Luís Castro, agora por 2-1.

Se a missão do Shakhtar já era difícil, tornou-se praticamente impossível com o golo do espanhol Borja Mayoral, aos 48, de cabeça, beneficiando de corte infeliz de Kryvtsov. Júnior Moraes ainda igualou aos 59, porém Mayoral marcaria de novo aos 72, permitindo à Roma o quarto triunfo consecutivo na Europa, algo que não acontecia desde 1998.

Depois da derrota em casa por 3-1, o Olympiacos, de Pedro Martins, tinha de vencer por 3-0 em casa do Arsenal, que na ronda anterior afastou o Benfica, mas apenas conseguiram chegar ao 1-0.

Com José Sá na baliza e Bruma a entrar aos 62 – Cedric Soares foi suplente no Arsenal -, o Olympiacos fez uma excelente segunda parte e o experiente avançado marroquino Youssef El Arabi, aos 51 minutos, fez o golo dos gregos.

Pouco depois, Aubameyang, isolado, picou a bola sobre José Sá, mas errou o alvo e depois a expulsão de Ousseynou Ba, com duplo amarelo consecutivo, praticamente acabou com as aspirações dos gregos.

Também esta quinta-feira, o Manchester United, de Bruno Fernandes, venceu por 1-0 em casa do AC Milan e também segue para os quartos de final, tal como Granada, Slavia Praga, Ajax e Villarreal.

Em Milão, um golo do francês Pogba, entrado ao intervalo, em lance confuso na pequena área, aos 48 minutos, sentenciou a eliminatória a favor dos red devils, que tinham cedido um empate 1-1 em Old Trafford.

Diogo Dalot ainda entrou aos 65 minutos – Rafael Leão não jogou, lesionado -, tal como Zlatan Ibrahomovic, que começou no banco, porém, embora tenham espevitado a equipa, não conseguiram evitar a derrota e o consequente afastamento.

Surpresa protagonizada pelos checos do Slavia Praga que se impuseram por 2-0 em casa do Glasgow Rangers, depois de ter cedido 1-1 em casa ante o novo campeão escocês, que conquistou o seu 55.º título, um recorde na Europa, após um jejum de 10 anos.

O Ajax apresentou-se em casa do Young Boys com o conforto do 3-0 da primeira mão, acabando por se impor novamente, agora por 2-0, com tentos do brasileiro David Neres, aos 21, e do sérvio Dusan Tadic, aos 49.

O Villarreal tinha ganho por 2-0 na Ucrânia ao Dínamo Kiev e repetiu a dose esta quinta-feira, com um bis de Gerard Moreno, aos 13 e 36.

  ZAP // Lusa

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.