Paraquedista morto em combate em Angola regressa a Portugal 54 anos depois

Isidro Moreira Esteves / Facebook

Soldado paraquedista António Silva morto em combate em Angola, em 1963, trasladado para Portugal em 2017.

Um soldado paraquedista morto em combate, em Angola, em 1963, foi trasladado na semana passada para Portugal e vai ter uma homenagem e cerimónias fúnebres nesta quarta-feira, no culminar da “batalha de uma vida” travada pela sua filha, Ernestina Silva.

Ernestina Silva chegou na segunda-feira dos EUA para poder assistir às cerimónias que se iniciaram nesta quarta-feira, às 09:30 horas, na capela da Força Aérea, em Lisboa, e que vão culminar no cemitério de Lobão da Beira, no concelho de Tondela (distrito de Viseu), de onde António da Conceição Lopes da Silva era natural.

“Queria trazê-lo para Portugal”, disse Ernestina Silva à Lusa, contando como nunca se conformou com o facto de o pai, que não chegou a conhecer, ter ficado “abandonado”, apenas porque a família não teve, na altura, os meios para custear a sua parte (o Estado colocava os restos mortais em Lisboa, mas a família tinha que pagar o transporte até à aldeia e o funeral – explicou).

Marcada pelas narrativas sobre a personalidade do pai, ouvidas no seio da família paterna, com quem viveu em criança, depois de a mãe emigrar para a Alemanha – “fui criada como se visse o meu pai todos os dias” -, Ernestina partiu aos 22 anos para os EUA, já casada e com uma filha, mas continuou “sempre à procura”.

Foi com a Internet e as redes sociais que finalmente descobriu “como morreu e onde foi enterrado” o corpo do pai. A história estava no “álbum” que Isidro Moreira Esteves, sargento paraquedista na reserva, tem vindo a publicar na sua página no Facebook. Um trabalho “solitário” e “incómodo para alguns”, também na “batalha de uma vida”, para que se cumpra o lema dos paraquedistas, de que “ninguém fica para trás”, como o próprio relatou à Lusa.

Foi aí que Ernestina ficou a saber que o pai morreu porque era o primeiro de uma fila alvejada no dia 3 de outubro de 1963 em Úcua, no município do Dande, na província do Bengo, durante a Guerra Colonial.

Isidro Esteves estava “a cinco metros dele” e tem na sua posse documentos que atestam as circunstâncias da morte de António Silva em combate.

Foi a sua persistência em “não abandonar os que ficaram” que o levou a pedir a um amigo, em 2012, que fotografasse o talhão militar do cemitério de Santana, situado na estrada do Catete, em Luanda, onde estão “centenas de soldados portugueses”, na tentativa de descobrir se havia paraquedistas entre eles.

Entre as cinco campas que exibiam o ‘brevet‘ das tropas paraquedistas estava a de António Silva, narrou Isidro Esteves à Lusa. Foi quando se deparou com essa foto que Ernestina Silva acreditou que poderia “descobrir a verdade”.

“Telefonei nesse mesmo dia. Chorei muito“, disse Ernestina à Lusa, relatando como, a partir daí, reforçou contactos com antigos paraquedistas, de quem se tornou amiga através do Facebook, e que, tal como Isidro Esteves, se revelaram “incansáveis”.

Foi através de uma agência funerária internacional, e das diligências e do apoio dos paraquedistas – que angariaram dois terços da verba necessária para a exumação e trasladação -, que Ernestina Silva viu concretizar-se um processo iniciado formalmente há cerca de um ano.

Hoje à noite vai ter, sozinha, uns momentos junto à urna do pai, na capela da Força Aérea, em Lisboa, onde nesta quarta-feira de manhã se realizou uma missa, antes da partida para Tancos. Aí será feita uma homenagem “bonita” promovida pelos paraquedistas, seguindo depois para o cemitério de Lobão da Beira, percurso que Isidro Esteves faz questão de acompanhar passo a passo.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Que vergonha! E chamam a isto pátria! Morre-se pela pátria e só 54 anos depois é que regressa à sua pátria!! Existem pessoas que deveriam ter vergonha na cara e não têm! Mas não é tudo! Existem muitos mais lá enterrados e esquecidos, como nas outras ex-colónias, cemitérios cobertos de capim! Tenham vergonha! Mas era eu que ia para a guerra defender o que?! Defender os que não têm vergonha?!?

  2. Também houve situações em que o que cá chegava não eram restos mortais de ninguém, mas outra coisa qualquer com peso equivalente ao de um corpo.
    Há sepulturas nos cemitérios de Portugal que nunca tiveram os restos mortais de quem, sobre elas, está identificado por lápide.
    Até nisso os portugueses foram enganados.

RESPONDER

YouTube remove vídeos que vinculam falsamente a Covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a engenheiros. Agora, o YouTube está a reprimir essa desinformação. O YouTube informou que removerá …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …

Dois milhões de máscaras furtadas em Espanha podem ter sido vendidas em Portugal

O equipamento médico e sanitário furtado está avaliado em cinco milhões de euros e terá sido adquirido por uma empresa portuguesa que conhecia a proveniência do material. Um empresário de Santiago de Compostela foi detido por, …

Facebook terá tentado comprar um software de espionagem em 2017

O Facebook tem estado envolvido em vários escândalos e o mais recente está relacionado com a alegada compra da ferramenta Pegasus, usada para hackear iPhones. A empresa de segurança informática NSO Group, responsável pela Pegasus, alega …

Primeiro-ministro espanhol diz que coronavírus desafia o futuro da UE. E fá-lo em sete idiomas

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez publicou no domingo um artigo em sete idiomas europeus, argumentando que o coronavírus pode ser a ruína da União europeia (UE) caso não sejam tomadas medidas mais drásticas para lidar …

Viseiras de Leiria despertam cobiça. Bélgica e EUA queriam comprar toda a produção

Várias empresas de moldes e plásticos da região de Leiria estão a fabricar viseiras de protecção contra a Covid-19. Uma adaptação em tempos de pandemia que está a levantar atenção no estrangeiro, com EUA e …

Apple vai começar a produzir um milhão de máscaras por semana

O presidente da Apple, Tim Cook, anunciou que a empresa poderá produzir um milhão de máscaras por semana a partir do próximo fim de semana. Tim Cook explicou, na sua conta da rede social Twitter, que …

Robert Weighton é o homem mais velho do mundo. Tem 112 anos

Com 112 anos completados no dia 29 de março, o britânico Robert Weighton tornou-se o homem mais velho do mundo. Robert Weighton nasceu no dia 29 de março de 1908, em Kingston-Upon-Hull, no Yorkshire. Ao longo …