Como é que as pandemias acabam? A História sugere que as doenças vêm para ficar (durante milénios)

Uma combinação de esforços de saúde pública para conter e mitigar a pandemia veio ajudar a controlá-la. No entanto, epidemiologistas acreditam que as doenças infeciosas, como é o caso da covid-19, nunca desaparecem. 

Ao longo dos últimos meses (quase um ano), com mais de 37 milhões de casos de covid-19 e mais de 1 milhão de mortes em todo o mundo, toda a gente se pergunta quanto tempo é que faltará até a pandemia terminar.

Epidemiologistas e especialistas em saúde pública têm usado modelos matemáticos para tentar prever o futuro num esforço para conter a disseminação do novo coronavírus. Mas a modelagem de doenças infeciosas é complicada e um estudo publicado na revista Nature alerta que os “modelos não são bolas de cristal” – mesmo versões sofisticadas, não conseguem revelar quando é que a pandemia irá terminar ou quantas pessoas irão morrer.

Quando a covid-19 apareceu, esperava-se que o vírus simplesmente desaparecesse e alguns argumentaram até que desapareceria com o calor do verão ou que a imunidade de grupo resolveria o problema. Mas isso não aconteceu.

Uma combinação de esforços de saúde pública para conter e mitigar a pandemia – desde testes e rastreamento de contactos ao distanciamento social e uso de máscaras – provou ajudar. Mas dado que o vírus se espalhou por todo o mundo, tais medidas não ditaram o fim e todos os olhos se voltaram para o desenvolvimento de vacinas.

No entanto, os especialistas dizem que mesmo com uma vacina bem-sucedida e um tratamento eficaz, a covid-19 pode nunca desaparecer. Mesmo que a pandemia seja contida numa parte do mundo, provavelmente continuará noutros lugares e o vírus irá tornar-se endémico – o que significa que a transmissão lenta e sustentada persistirá.

Uma vez que surgem, as doenças vêm para ficar

De acordo com o The Conversation, sejam bactérias, vírus ou parasitas, todos os patógenos de doenças dos últimos milhares de anos continuam ativos, visto ser quase impossível erradicá-los totalmente.

A única doença que desapareceu por meio da vacinação foi a varíola, cujas campanhas de vacinação lideradas pela Organização Mundial de Saúde nas décadas de 1960 e 1970 foram bem-sucedidas e, em 1980, a doença foi declarada a primeira doença humana a ser totalmente erradicada.

Doenças endémicas como a malária, que é transmitida via parasita, são quase tão antigas quanto a humanidade e ainda hoje estão presentes e infetam pessoas em várias partes do mundo – em 2018, houve cerca de 228 milhões de casos de malária e 405 mil mortes em todo o mundo.

Da mesma forma, doenças como a tuberculose, a lepra e o sarampo existem há vários milénios e, apesar de todos os esforços, a erradicação ainda não está à vista.

Mesmo as infeções que têm agora vacinas e tratamentos eficazes continuam a tirar vidas, como é o caso da peste negra, que é a doença infeciosa mais mortal da história humana.

Nos últimos cinco mil anos, houve pelo menos três pandemias de peste negra que mataram centenas de milhões de pessoas, sendo a mais notória de todas em meados do século XIV. E hoje em dia, encontram-se várias semelhantes da peste com o novo coronavírus.

Além disso, numa época de viagens aéreas globais, mudanças climáticas e distúrbios ecológicos, estamos constantemente expostos à ameaça de doenças infecciosas emergentes, enquanto continuamos a sofrer de doenças muito mais antigas que permanecem vivas.

Um estudo sobre a carga global de doenças revela que a mortalidade anual causada por doenças infeciosas é quase um terço de todas as mortes no mundo.

Quando os programas de vacinação são enfraquecidos, as infeções podem voltar com força total. Basta olhar para o caso do sarampo e da poliomielite, que reaparecem assim que os esforços de vacinação diminuem.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Comentários como este, “hoje em dia, encontram-se várias semelhantes da peste (negra) com o novo coronavírus”, são achas incendiárias para a “pandemia do medo”.
    Está alguém (chinês) a ganhar muito com isto…
    “Me engana que eu gosto”.

RESPONDER

UE dá exemplo de Portugal para defender salário mínimo europeu

O comissário europeu do Emprego, Nicolas Schmit, diz esperar um acordo ou pelo menos "bastante progresso" sobre a proposta comunitária para garantir salários mínimos adequados em todos os Estados-membros da União Europeia (UE) e dá …

Na primeira fase, será possível administrar 400 mil doses de vacinas “numa semana a dez dias”. Segunda ronda pode ser crítica

Os especialistas já fazem previsões. Se por um lado a primeira fase da vacinação contra a covid-19 se adivinha rápida, a segunda será poderá ser muito complicada. Os representantes dos profissionais dos centros de saúde - …

Bruxelas conclui que Zona Franca da Madeira violou regras e quer devolução das "ajudas indevidas"

A Comissão Europeia (CE) conclui que o regime da Zona Franca da Madeira (ZFM) desrespeitou as regras de ajudas estatais, pois abrangeu empresas que não contribuíram para o desenvolvimento da região, pelo que Portugal deve …

Chuva de críticas ao plano nacional de vacinação: "É vasto em imprecisões e impreparações"

Francisco Rodrigues dos Santos considerou que "faltou planeamento" no plano de vacinação português e observou que "basta comparar" com aqueles anunciados "na Alemanha, no Reino Unido ou em Espanha para perceber que há diferenças abismais". O …

O corpo ideal? O mistério das enigmáticas figuras pré-históricas de Vénus pode ter sido resolvido

Um dos primeiros exemplos mundiais de arte, as enigmáticas estatuetas de "Vénus" esculpidas há cerca de 30 mil anos, intrigaram os cientistas durante quase dois séculos. Agora, o mistério das estranhas figuras pode ter sido …

Nova geringonça à vista? Rui Rio mostra-se disposto a governar mesmo sem vencer eleições

São muitos os sinais que tem dado. Rui Rio está disponível para liderar uma futura maioria de direita se esta vier a surgir no quadro de futuras eleições legislativas - mesmo que o PSD seja …

Cientistas encontram nova criatura gelatinosa no fundo do mar (mas podem nunca mais voltar a vê-la)

Uma equipa de investigadores da Administração Nacional de Pesca Oceânica e Atmosférica (NOAA) revelou que descobriu Duobrachium sparksae, uma nova espécie de ctenóforo - ou águas-vivas-de-pente. A descoberta foi feita remotamente usando imagens de vídeo de …

Costa anuncia hoje medidas que vão vigorar nos períodos de Natal e de passagem de ano

O primeiro-ministro anuncia hoje as medidas de combate à covid-19 enquadradas pelo decreto presidencial de estado de emergência, que indicativamente vigorará até 7 de janeiro, incluindo os períodos de Natal e de passagem de ano. Na …

Especialistas explicam de que forma o novo coronavírus pode afetar o cérebro

Através do uso de amostras de tecido de pacientes que já morreram, uma equipa de investigadores conseguiu desvendar os mecanismos pelos quais o coronavírus é capaz de chegar ao cérebro de pacientes com covid-19 e …

Há círculos fantasmagóricos nunca antes vistos no céu (e os astrónomos não sabem o que são)

Em setembro de 2019, uma equipa de investigadores fez uma apresentação sobre objetos interessantes encontrados em novos dados radioastronómicos. Esses objeto tinham formas muito estranhas que não cabiam facilmente em nenhum tipo de conceito conhecido. A …