Países que usam energia nuclear não reduzem emissões de carbono

Cientistas britânicos descobriram que a energia nuclear é um meio menos eficaz do que as energias renováveis para abandonar os combustíveis fósseis e reduzir as emissões de carbono de forma “mais substancial, rápida e económica”.

De acordo com o estudo publicado esta semana na revista científica Nature Energy, os países que usam energia nuclear não reduziram as suas emissões de carbono de forma significativa. Já os países que investiram em energias renováveis, como a solar e eólica, estão mais próximos da descarbonização.

“A evidência aponta claramente para a energia nuclear como a menos eficaz” para reduzir as emissões de carbono, disse Benjamin Sovacool, coautor do estudo, num comunicado.

Os investigadores compararam dados do Banco Mundial e da Agência Internacional de Energia relativos aos anos de 1990 e 2014 e descobriram que os programas de energia nuclear “tendem a não reduzir as emissões de carbono e, portanto, não devem ser considerados uma fonte eficaz de baixo carbono”, disseram.

“Este artigo expõe a irracionalidade de apoiar o investimento nuclear com base no argumento de que ‘faz tudo’”, disse Andy Stirling, outro coautor do estudo, referindo-se à redução das emissões de carbono.

“As nossas descobertas mostram que os investimentos nucleares em todo o mundo tendem a ser menos eficazes do que os investimentos renováveis ​​na mitigação das emissões de carbono”, explicou.

“Os países que planeiam grandes investimentos em energia nuclear arriscam-se a acabar com a hipótese de investir em energias renováveis ​​alternativas, que trariam melhores benefícios climáticos”, acrescentou Benjamin Sovacool, outro coautor do estudo.

Os investigadores da Universidade de Sussex, no Reino Unido, descobriram que os países que usam energia nuclear em maior escala não tendem a apresentar emissões de carbono significativamente mais baixas – e nos países mais pobres os programas nucleares tendem a associar-se a emissões relativamente mais altas.

O estudo constatou que, em países com alto PIB per capita, a produção de eletricidade nuclear está associada a uma pequena queda nas emissões de carbono. Mas, em termos comparativos, essa queda é menor do que a associada à energia renovável.

Patrick Schmid, da Escola Internacional de Gestão de Munique e coautor do artigo, disse: “Embora seja importante reconhecer a natureza correlativa de nossa análise de dados, é surpreendente como os resultados são claros e consistentes em diferentes períodos de tempo e conjuntos de países. Nalguns países, a relação entre eletricidade renovável e as emissões de carbono é até sete vezes mais forte do que a relação correspondente para a energia nuclear.”

  ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Titã pode estar condenada a chocar contra Saturno

A maior lua de Saturno, Titã, tem um enorme efeito na inclinação do planeta, e o seu afastamento do planeta pode derrubá-lo e condenar a própria Titã. A cada ano que passa, Titã afasta-se 11 centímetros …

É um cenário de filme de ficção científica - mas será possível a Lua colidir contra a Terra?

Está sempre aparentemente calma no céu, mas será que a Lua pode algum dia vir a chocar com a Terra? Há simulações que ajudam a ter uma ideia do que aconteceria neste cenário. Um novo filme …

O segredo da Coreia do Sul para combater a covid-19? Tecnologia de ponta e toque humano

O sucesso da Coreia do Sul a combater a pandemia de covid-19 não assentou apenas no recurso à tecnologia de ponta — também envolveu o tradicional toque humano. De acordo com um recente relatório da Câmara …

Governo: voto contra do Bloco é "definitivo". Marcelo diz que chumbo provoca dissolução

O Governo afirmou este domingo que entendeu o anúncio de voto contra por parte do BE como “uma posição definitiva”, remetendo eventuais novas negociações com este partido para a fase da especialidade do Orçamento do …

Soldados do exército chinês alinhados.

Chinesas querem "empregos de homem" — mas o sistema educacional corta-lhes as asas

Várias escolas, academia e universidades chinesas impõe cotas que limitam o acesso de estudantes do sexo feminino. Mulheres têm de tirar notas mais altas do que os homens para entrar. Um pouco por todo o mundo …

"A Escola de Atenas", quadro de Rafael Sanzio.

Ideias da filosofia grega podem ter-nos conduzido às alterações climáticas

Algumas das ideias defendidas por antigos filósofos gregos podem ter conduzido a civilização rumo às alterações climáticas. Incêndios florestais causados por ventos crescentes e um calor sem precedentes cercaram Atenas, Grécia, no verão passado, cobrindo os …

Vizela 0-1 Benfica | Milagre de São Rafa no último suspiro

A ressaca pós-goleada frente ao Bayern, na Liga dos Campeões, foi difícil para o Benfica. Os comandados de Jorge Jesus sentiram muitas dificuldades frente a um Vizela que sabia que o seu adversário iria patentear …

Otoniel, o camponês paramilitar (e criminoso mais procurado da Colômbia) foi capturado

O governo da Colômbia anunciou este sábado a captura do narcotraficante mais procurado do país, Dairo Antonio Úsuga (com a alcunha de 'Otoniel'), por quem os Estados Unidos ofereciam uma recompensa de cinco milhões de …

"Tratam as doentes como histéricas". O longo caminho da Medicina até levar a sério a dor feminina está a custar vidas

Muitos dos avanços na medicina tiveram apenas metade da população em conta. Para além da falta de representação das mulheres nos estudos médicos, a dor e os relatos das pacientes são muitas vezes desvalorizados nas …

Bloco faz ultimato: vota contra o OE se até 4ª feira o Governo "insistir em impor recusas"

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, avisou este domingo que o BE votará contra o orçamento se até quarta-feira “o Governo insistir em impor recusas onde a esquerda podia ter avanços”, mantendo, no …