“Um caldeirão de vírus”. Há um país que não está a vacinar contra a covid-19

1

Jacopo / Wikimedia

Uma rua em Asmara, Eritreia.

Uma rua em Asmara, Eritreia.

A Eritreia é um dos dois únicos países do mundo que não estão a vacinar contra a covid-19. “É um caldeirão de ensopado de vírus”, diz um especialista.

Portugal conta quase 88% da sua população vacinada, destacando-se como um dos países com maior taxa de vacinação do mundo.

No outro lado da moeda está a Eritreia, o único país de África que ainda não começou a vacinar a sua população contra a covid-19. A par da Coreia do Norte é também o único país no mundo a não fazê-lo.

A Eritreia é governada pelo mesmo ditador, Isaias Afwerki, há quase três décadas, não tendo constituição, imprensa livre ou eleições.

“Se o Governo não gosta de ti, eles vão colocar-te num contentor na região de Afar e deixar-te morrer sozinho no calor de 50ºC na escuridão total”, disse Martin Plaut, investigador da Universidade de Londres que dedicou a sua carreira a estudar a Eritreia, em declarações à VICE.

O país rejeitou aderir à iniciativa COVAX, da Organização Mundial da Saúde (OMS), que trabalha para a aquisição e distribuição de vacinas contra a covid-19 para os países mais pobres do planeta.

“Esta decisão torna o país inteiro um caldeirão de ensopado de vírus, com oportunidades essencialmente ilimitadas para o vírus se reproduzir e gerar novas variantes”, disse Emanuel Goldman, professor de Microbiologia, Bioquímica e Genética Molecular da New Jersey Medical School.

Teorias sugerem que as razões que levam Afwerki a não vacinar a população são meramente políticas e prendem-se com o conflito na região de Tigré, na Etiópia. Isto porque o atual diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, é um antigo membro da Frente Popular de Libertação do Tigré, contra quem Isaias Afwerki está agora a travar uma guerra.

“Há propaganda na Eritreia sobre a COVAX ser uma nova arma ocidental para destruir os africanos e tirar as riquezas do continente”, disse Samson Solomon, um ativista da resistência civil eritreia.

Afwerki também parece ser um ditador demasiado orgulhoso para aceitar a ajude de outros.

Em março do ano passado, quando a pandemia de covid-19 começou a brotar, o bilionário chinês Jack Ma enviou ventiladores, material médico e equipamento de proteção individual para vários países africanos. A Eritreia foi o único país a rejeitar a generosa doação.

“A covid é uma vaca leiteira para o presidente Isaias, pois a diáspora está disposta a dar o seu dinheiro para esse esforço sem fazer perguntas”, disse à VICE uma fonte que pediu anonimato.

Apesar de não haver vacinação, há uma task-force covid na Eritreia. O problema é, segundo Solomon, que “ninguém sabe quem está nela ou o que fazem”.

Neste país africano, onde a qualidade de vida é precária, um teste PCR custa cerca de 100 euros. “Pode imaginar quanto da população está a ser testada”, atira Solomon.

Os registos oficiais indicam que, desde o início da pandemia, registaram-se 7.713 casos e 65 mortes causadas pela covid-19. No entanto, estima-se que os valores possam ser maiores neste país com uma população de 3,2 milhões de habitantes.

  Daniel Costa, ZAP //

1 Comment

  1. “Os registos oficiais indicam que, desde o início da pandemia, registaram-se 7.713 casos e 65 mortes causadas pela covid-19. No entanto, estima-se que os valores possam ser maiores neste país com uma população de 3,2 milhões de habitantes.”

    65 mortes desde do inicio da pandemia num país que o ditador recusa vacinar :/

    Dá muito que pensar não dá?

    Provavelmente ele estará certo, os países ditos ricos, a toda a força vão querer vacinar e inventar variantes , com todo o alarmismo que lhes é peculiar !…

    Estamos bem entregues …

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE