Pacemakers e bombas de insulina podem ser hackeados remotamente

Lucien Monfils / Wikimedia

Radiografia de um paciente com um pacemaker

Radiografia de um paciente com um pacemaker

Uma empresa de segurança de dados alerta para a importância dos dispositivos usados na saúde apostarem na segurança e design dos produtos.

A empresa de segurança de dados alemã G Data adverte para as implicações que a digitalização no setor da saúde pode acarretar.

É que além de oferecer, obviamente, claras vantagens, há que ter em mente que “alguns dos sistemas usados nas tarefas médicas podem não ser suficientemente seguros“.

A G Data dá o exemplo de há um par de anos, quando um investigador desativou a ventilação de um dispositivo de anestesia que se encontrava ligado à rede devido ao facto de este estar suportado num standard de segurança antigo.

A empresa diz ainda terem sido descobertas bombas de insulina vulneráveis à administração remota de doses incorretas, inclusivamente letais.

Mais recentemente, realça a G Data, foi descoberto um problema com os transmissores dos pacemaker “que permitiam verificar o status do aparelho e a sua configuração de forma remota”, com a única exigência de que o paciente estivesse fisicamente nas proximidades de ação do transmissor”.

O que significa que um dispositivo fundamental para a vida como um pacemaker pode ser pirateado. Alguém mal intencionado pode reconfigurar e alterar o seu funcionamento, ou mesmo causar falhas.

Pacemaker, ou marca-passo, é um dispositivo médico implantado no coração que regula os batimentos cardíacos através de um estímulo elétrico emitido quando o número de batimentos num certo intervalo de tempo está abaixo do normal

Por isso, os especialistas alertam que a segurança informática é um elemento essencial para o desenho de dispositivos médicos.

“Está muita coisa em em jogo: a reputação do fabricante pode sofrer danos importantes se ocorrerem falhas de segurança nos seus produtos”, disse a G Data. “Mas muito mais importante é a vida dos pacientes que confiam nesses dispositivos para sobreviver, no sentido literal da palavra”.

Outra ameaça é a utilização do ransomware nos hospitais, com potencial para chantagear e desativar certos sistemas fundamentais para a sobrevivência dos pacientes caso o resgate não seja pago.

A solução? Fomentar a colaboração entre a indústria de segurança e os fabricantes de aparelhos de saúde.

“É de vital importância para a segurança do paciente que esses dispositivos médicos visem a segurança by design. Ou seja, que essa segurança faça parte da essência do dispositivo e esteja presente desde o momento em que este é apenas um conceito, tão importante como a função que realiza e para a qual foi projetada”, defende a G Data.

A empresa de segurança também aposta em métodos de avaliação rigorosos e processos de certificação mais velozes do que os atuais, que às vezes demoram anos a ocorrer.

// B!T

PARTILHAR

RESPONDER

O envelhecimento celular em humanos foi parcialmente revertido (com o uso de oxigénio)

Investigadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, descobriram uma forma de reverter o processo de envelhecimento celular e podem ter feito um avanço na procura pela juventude eterna. O novo estudo publicado na revista Aging …

Joshua Wong e outros dois ativistas condenados a penas de prisão

Joshua Wong e outros dois ativistas do movimento pró-democracia em Hong Kong foram condenados, esta quarta-feira, a penas de prisão por participarem numa manifestação ilegal contra o Governo da região administrativa em junho de 2019. Os …

Departamento de Justiça nos EUA investiga alegado esquema de "dinheiro por indultos" na Casa Branca

O Departamento da Justiça dos Estados Unidos está a investigar possíveis subornos em troca de indultos presidenciais na Casa Branca. De acordo com documentos judiciais a que a agência Reuters teve acesso, o Departamento da Justiça …

Confinamento, covid-19, discriminação. Eis as 10 candidatas a Palavra do Ano de 2020

A Porto Editora revelou esta terça-feira as dez candidatas a Palavra do Ano de 2020. Este ano, a iniciativa lançada em 2009 decorre, pela primeira vez, em simultâneo com Angola e Moçambique. De acordo com o …

Mais mortes e menos nascimentos. Portugal está com o maior saldo natural negativo do século

Como avança o Público esta quarta-feira, há 12 anos consecutivos que há mais mortes do que nascimentos em Portugal, mas este ano o país a bateu o recorde do saldo natural negativo. Desde 2009 que o …

"Não há plano B". Costa deixa avisos e recados a Hungria e Polónia

O primeiro-ministro português, António Costa, alertou, em Bruxelas, que não há um plano B ao bloqueio na aprovação do orçamento da União Europeia (UE) e do novo Fundo de Recuperação criado para responder à pandemia, …

Santos deu "nega" ao Benfica e Lucas Veríssimo ameaçou não jogar

O Conselho Fiscal do Santos "negou" a transferência de Lucas Veríssimo para o SL Benfica. O jogador ameaçou mesmo não entrar em campo contra o LDU Quito, na noite passada. O Conselho Fiscal do Santos emitiu …

Governo britânico substitui confinamento por restrições (com oposição interna no Partido Conservador)

Boris Johnson conseguiu ver aprovado o novo plano de restrições. Dos votos contra, 56 foram de deputados conservadores e 16 de deputados do Partido Trabalhista. O Governo britânico conseguiu ver aprovado o novo plano de restrições …

Sporting tem sete jogadores na porta de saída e outro para trazer Matheus Reis

O Sporting CP quer livrar-se de sete jogadores excedentários que estão a treinar com a equipa B. O clube quer também trazer Matheus Reis já neste mercado de inverno. Aproxima-se o mercado de inverno e o …

Sindicato acusa TAP de manipulação e diz que não há "trabalhadores a mais"

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) acusou a TAP de “manipulação, falta de ética e desonestidade” e defendeu que a empresa não tem “trabalhadores a mais” e deve procurar os “sorvedouros de …