/

Ouvir música clássica enquanto faz exercício? A Ciência sugere que sim

Estudos sugerem que, ao contrário daquilo que pensa, ouvir música clássica enquanto se pratica exercício físico pode ajudá-lo no seu treino.

Para muitas pessoas, uma parte essencial de qualquer regime de exercício é a música que o acompanha. Se é um corredor, um remador ou um fisiculturista, há uma boa hipótese de ter uma seleção favorita de músicas e um par de auscultadores para o ajudar.

A escolha certa da música pode inspirar, dar energia e fornecer a distração necessária. Atletas de elite costumam ser vistos com auscultadores nos momentos antes de uma grande partida ou corrida. Então, o que há na música que nos ajuda?

Investigadores têm explorado esta questão usando uma variedade de métodos científicos. Até agora, a maior parte do foco foi em várias formas de música popular, incluindo rock, dance, hip-hop e R&B, mas recentemente têm considerado os benefícios da música clássica.

Como género, é fácil ver por que é que a música clássica parece ser negligenciada em termos de escolha da playlist de treino das pessoas. Muitas vezes falta um groove rítmico e, quando há letras, não são fáceis de cantar.

No entanto, há uma beleza inerente e intemporal associada a muitas peças do repertório clássico, o que pode justificar o seu uso. Pense na Sinfonia Eroica de Beethoven ou em Madame Butterfly de Puccini.

Então, como podemos explorar a beleza destas músicas e usá-la em prol do nosso treino? Primeiro, devemos entender quais são os benefícios de qualquer música no contexto do exercício físico.

O papel de qualquer música no treino é aliviar a dor, levantar o ânimo e, possivelmente, fazer o tempo passar um pouco mais rápido. Os cientistas referem-se aos “efeitos dissociativos” da música, o que significa que ela ajuda a distrair a mente dos sintomas internos relacionados com a fadiga.

Embora a música não possa reduzir as perceções de esforço em intensidades de trabalho muito altas, ela pode influenciar as áreas do cérebro relacionadas com o humor até ao ponto de exaustão voluntária.

Portanto, uma peça esteticamente agradável, como o final da Abertura de Guilherme Tell, não afetará o que sente quando os seus pulmões estão a arder na passadeira, mas pode influenciar como sente isso. Em essência, uma música agradável pode colorir a interpretação de fadiga e melhorar a experiência do exercício.

Além disso, a música também pode ter um efeito “ergogénico” ou de aumento do desempenho. A psicóloga Mária Rendi usou movimentos lentos e rápidos da Sinfonia nº 7 em Lá maior de Beethoven (op. 92) para examinar como é que o ritmo da música influenciou o desempenho do remo de velocidade em 500 metros.

As suas descobertas indicaram que ambos os tipos de música levaram a tempos de sprint mais rápidos em comparação com a remo sem música, com o andamento mais rápido (144 batidas por minuto) a levar a uma melhoria de desempenho de 2%, e o mais lento (76bpm), a uma melhoria de 0,6%.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Alguns membros da equipa de investigadores costumam ouvir música clássica durante a corrida diária. Eles descobriram que a música clássica desperta a imaginação e geralmente aumenta a experiência de corrida, especialmente quando desfrutada em conjunto com uma paisagem inspiradora.

Mas talvez a música clássica tenha um efeito mais potente quando usada antes ou imediatamente após o exercício. Peças como Chariots of Fire, de Vangelis, do filme homónimo, com o seu ritmo pulsante e uma ligação cinematográfica familiar com a glória, podem funcionar particularmente bem.

Para o pós-treino, a música precisa de ser calmante e revitalizante, a fim de acelerar o retorno do corpo ao estado de repouso. Uma peça arquetípica para isso é Gymnopédie No. 1 de Erik Satie, um solo de piano intemporal que envolve o ouvinte e trata os músculos cansados com uma massagem sónica.

Para otimizar a sua escolha de música clássica para exercício físico, é importante pensar na energia que será gasta durante os diferentes segmentos de um treino. O aquecimento e o alongamento serão numa intensidade relativamente baixa e a sessão desenvolver-se-á gradualmente em direção ao seu zénite de bombeamento cardíaco, com um período de revitalização até ao fim.

A seleção de músicas – de qualquer género – deve seguir idealmente o caminho do gasto de energia numa sessão de treino. Da mesma forma, uma determinada peça pode ser guardada para os segmentos que o praticante considera mais árduos, como cardio de alta intensidade.

E se quiser um pouco de inspiração, aqui está uma playlist compilada pelo assistente de investigação da Brunel University London, Luke Howard:

  1. Boléro, de Maurice Ravel, com andamento médio de 70bpm, é excelente para a preparação mental antes de começar o treino. O início suave, com um ritmo próximo à frequência cardíaca de repouso, desmente o poder transcendente deste clássico.
  2. Juba Dance, da Sinfonia No. 1 em Mi menor, de Florence Price, é uma peça sinfónica envolvente que eleva suavemente a frequência cardíaca durante uma fase de aquecimento. Termina com um crescendo emocionante, deixando-o devidamente pronto para o que está por vir.
  3. Parte IV. Finale, Allegro Assai, Symphony No. 40 em Sol menor, de Wolfgang Amadeus Mozart, é uma obra musical estimulante para segmentos de intensidade baixa a moderada do seu treino. Apresenta o que é conhecido como “foguete de Mannheim”, a montanha-russa de uma melodia que fará o coração e os pulmões bombearem.
  4. Prélude to Act 1 de Carmen de Georges Bizet, tem um ritmo estrondoso (128 bpm) que o leva por quaisquer segmentos de alta intensidade exigentes do seu treino. As características melódicas e harmónicas requintadas desta peça permitem que se dissocie da dor.
  5. Concerto No. 1 em Mi maior, op. 8, ‘La Primavera’, de Antonio Vivaldi, é ótimo para acalmar conforme regressa ao estado de repouso. As cordas lindamente orquestradas conferem a esta obra uma pronunciada qualidade de recuperação.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE