Afinal, o misterioso Oumuamua não é um asteróide

M. Kornmesser / European Southern Observatory

Impressão de artista do primeiro asteróide interestelar: Oumuamua.

O primeiro objeto interestelar que atravessou o Sistema Solar no final de 2017 continua a surpreender os astrónomos. O asteróide, com forma de charuto e batizado como Oumuamua, era, afinal, um cometa.

Quando os investigadores viram o objeto interestelar pela primeira vez, não conseguiram identificar uma cauda ou coma – a nuvem de gelo e poeira característica dos cometas – e, por isso, classificaram-no com um asteróide.

No entanto, o facto de não apresentar estas características não explicava de forma satisfatória o comportamento do asteróide Oumuamua – que significa “mensageiro de muito longe que chega primeiro”, em havaiano.

Os cientistas estudam agora a possibilidade de este corpo celeste ser, na verdade, um cometa que levava informações valiosas sobre sistemas planetários distantes.

O objeto interestelar foi descoberto no dia 19 de outubro de 2017 por Rob Weryk, do Instituto de Astronomia da Universidade do Havai. Com o seu colega Marco Micheli, o cientista percebeu que o objeto se movia muito rapidamente – a uma velocidade suficiente para evitar ser capturado pela força gravitacional do Sol -, seguindo uma trajetória excêntrica.

A sua velocidade e trajetória indicavam que o corpo se tinha originado num sistema planetário que orbita em torno de outra estrela que não o Sol. E, segundo a análise de uma equipa de pesquisadores liderada por Micheli, parte da aceleração observada no objeto está ligada ao efeito do calor do Sol sobre a sua superfície gelada.

Os cometas são compostos por rocha e gelo e formam-se em áreas frias o suficiente para a água se manter congelada. Ou seja, no nosso Sistema Solar, os cometas estão quase tão longe do Sol quanto Júpiter. Já os asteróides, em sentido oposto, são objetos rochosos que orbitam principalmente num cinturão entre Marte e Júpiter.

O Oumuamua não é o único caso de um corpo celeste que causou dúvidas na sua classificação como asteróide ou cometa.”Há uma linha cada vez mais ténue entre os dois, já que estamos a encontrar objetos semelhantes a cometas no principal cinturão de asteróides”, disse Sara Russell, professora do Museu de História Natural de Londres.

Por que é tão importante a diferença?

Como é o primeiro visitante de um outro sistema solar que não o nosso, o cometa poderá ajudar-nos a compreender mais sobre sobre como se formam os planetas.

“Os cometas formaram-se provavelmente em regiões periféricas de outros sistemas planetários, então talvez possam escapar da gravidade da sua estrela-mãe e entrar no espaço interestelar com mais facilidade do que um asteróide”, disse Russell à BBC News.

“O Oumuamua – e outros viajantes interestelares que podem visitar o nosso Sistema Solar – podem dar-nos algumas pistas excelentes sobre a natureza e composição de outros sistemas planetários. Finalmente, estes objetos podem mostrar-nos se o nosso Sistema Solar é único, ou se é um dos muitos sistemas habitáveis na nossa nossa galáxia”.

O objeto celeste ficou visível através de telescópios terrestres durante cerca de dois meses e meio, após a sua descoberta. De acordo com Micheli, o cometa foi visto pela última vez pelo Telescópio Espacial Hubble no início de 2018, tendo mostrado ter um comprimento pelo menos duas vezes maior que a sua largura.

Esta diferença entre largura e comprimento foi apontada como a maior já observada em qualquer asteróide ou cometa visto no Sistema Solar. Os cientistas continuam a trabalhar nas informações recolhidas pelo cometa mas, não teremos a oportunidade de ver Oumuamua de novo.

Uma investigação publicada em março apontava que o objeto rochoso provinha de um sistema binário, ou seja, ao contrário do nosso Sol, o corpo teria duas estrelas em órbita de um centro comum.

ZAP // BBC

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Ontem era, hoje já não é…..Afinal, astrónomos e cientistas são um bando de ignorantes, ou então um grupo de pessoas alarmistas, inconscientes, inconstantes e de juízos precipitados sem rigor científico. A agricultura está a precisar de gente.

    • A ciência não é uma religião. O conhecimento não é estático e vai sendo atualizado à medida que as evidências, a favor ou contra, vão surgindo. Compreende Sousa?

      • Ainda há quem se dê ao trabalho de responder, puxando pelos seus galões, e também há quem não entenda a ironia dos comentários aqui produzidos, que mais não servem do que provocar e agitar a cabeça de quem não tem mais nada para fazer. Lamenta-se apenas que pessoas tão inteligentes e dotadas percam o seu tempo neste passatempo inútil e solitário. Fui.

        • Ó Sousa,
          É graças à ciência que o Sousa tem os meios tecnológicos para vir aqui mostrar a sua arrogância e estupidez! … e ninguém aqui puxou de galões!

          • É pá, ninguém sabia, que conclusão brilhante. Estúpido e arrogante és tu, ninguém duvida pela tua resposta. Não deves ter mais nada que fazer para além de vires para aqui dar lições da treta num espaço onde iluminados e palhaços como tu são bem vindos, para podermos ficar com uma ideia mais precisa da quantidade de idiotas desocupados que prolifera neste País. Arranja uma vida.

            • Ó Sousa Pela quantidade de mensagens, em vários dias, vê-se claramente que trabalhas muito… Sabes… a agricultura está a precisar de gente… Já dizia o Sousa… Veloso lol

          • Caro Januário, atendendo à educação demonstrada e sólidos argumentos expostos pelo comentador em questão, creio que ficou claro aquilo que se pretendia clarificar.
            Cumprimentos

RESPONDER

Japão vai ter robôs "inteligentes" nas salas de aula para ensinar inglês

O Governo do Japão vai introduzir robôs com inteligência artificial capazes de falar inglês nas salas de aula para ajudar as crianças a melhorar as suas competências orais. De acordo com a emissora pública nipónica NHK, …

Sismo de 7,2 volta a atingir a Indonésia, o 5.º em menos de um mês

Um novo sismo de magnitude 7,2 atingiu este domingo a ilha Lombok, na Indonésia, o quinto em menos de um mês, informaram os Serviços Geológicos dos Estados Unidos. O abalo foi registado a 124 quilómetros a …

Belenenses vs FC Porto | Golo nos descontos salva dragão

O FC Porto sofreu a bom sofrer para somar três pontos no Estádio do Jamor, nova “casa” do Belenenses. Os “dragões estiveram a ganhar por 2-0, deixaram-se empatar, e somente em período de descontos, de …

Onda de calor no Reino Unido revela magicamente ruínas pré-históricas

A onda de calor que assolou a Europa durante este verão continua a revelar a vestígios arqueológicos do passado do Reino Unido - entre as quais, um monumento cerimonial do Período Neolítico. Imagens aéreas mostraram pela …

Restaurante alemão proíbe entrada de crianças

Chamado "cozinha da avó" em alemão, um restaurante decidiu proibir a entrada a menores de 14 anos após as 17h. O proprietário diz querer proporcionar um "oásis de paz" aos seus clientes. Um restaurante na estância …

Franceses "pescam" bomba alemã da II Guerra Mundial com 860 quilos

Pescadores franceses encontraram na costa da Normandia, região francesa próxima de Paris, algo realmente grande na sua rede de pesca - uma bomba da Segunda Guerra Mundial com 860 quilos de explosivos. A rede capturou uma …

Sul da Índia "afoga-se" nas piores inundações em 100 anos

O estado indiano de Kerala vive há dez dias as piores inundações em um século, causadas pelas torrenciais chuvas de monção, que já provocaram cerca de 200 mortos e mais de 220 mil refugiados em …

200 mil bombas de Hiroshima, o poder do supervulcão de Santorini

Um novo estudo realizado com base em análises de anéis de árvores, pode definir com mais precisão o momento em que o supervulcão de Santorini, na Grécia, entrou em erupção. A nova pesquisa ajudou a …

"Bola de fogo" 40 vezes mais brilhante do que Lua cheia sobrevoou os EUA

Uma bola de fogo cruzou o céu do estado norte-americano do Alabama durante a noite desta sexta-feira. A NASA divulgou um vídeo, no qual mostra o objeto a sobrevoar a cidade, com um feixe de …

Segredo para uma vida mais longa está no consumo moderado de hidratos de carbono

Um estudo recente concluiu que o consumo moderado de hidratos de carbono é a solução para ter uma esperança média de vida maior. O consumo moderado de hidratos de carbono favorece uma vida mais saudável e …