Osso com 14 mil anos pode revelar uma nova e misteriosa espécie humana

Peter Schouten / Popular Mechanics

-

Um osso que esteve esquecido num museu durante 25 anos pode ser de uma nova espécie humana que conviveu com os homens contemporâneos. Uma teoria que a confirmar-se revoluciona tudo aquilo em que acreditamos até agora sobre a evolução humana.

Este osso, encontrado numa caverna na região autónoma de Guangxina, na China, esteve durante 15 anos num museu do país, sem que tenha merecido qualquer atenção.

Até que uma equipa de investigadores australianos e chineses decidiu analisá-lo, descobrindo que é um osso datado de há cerca de 11 mil anos, mas com características semelhantes aos dos humanos primitivos que se acredita terem desaparecido milhares de anos antes disso.

Este osso, um fémur, pode ser o vestígio mais moderno dos humanos primitivos mais recentes, nomeadamente os Neandertais que datam de há 40 mil anos.

“Neste momento, não sabemos que espécie encontramos. Só temos um único osso do fémur e há muito poucos ossos similares do Este da Ásia com os quais fazer comparações”, explica um dos co-autores do estudo, o professor Darren Curnoe, da Universidade da Nova Gales do Sul, na Austrália, em declarações ao Popular Mechanics.

“Só podemos dizer que é provavelmente uma espécie humana pré-moderna e talvez relacionada com o Homo erectus ou outro membro mais inicial da espécie humana”, acrescenta.

A confirmar-se esta tese, seria “a mais jovem ocorrência da espécie”, refere o investigador.

Osso Nova Especie Humana

No estudo, publicado no jornal científico PLoS One, os cientistas repararam que o osso revela semelhanças com o Homo erectus e com o Homo habilis, que viveram há 2 milhões de anos, podendo assim ser de um sobrevivente mais recente ou de uma nova espécie descendente destas duas, ou ainda outro “parente” desconhecido dos humanos actuais.

Até agora, os cientistas ainda não conseguiram extrair qualquer amostra de ADN do fémur, pelo que as dúvidas persistem e é difícil retirar conclusões precisas.

O fémur terá uma dimensão pequena, um traço característico das espécies humanas mais primitivas, que indicia que caminhava de forma diferente dos humanos modernos.

Também haverá evidências de ter sido queimado num fogo que terá sido usado para cozinhar carne, ideia que faz levantar a possibilidade de ter sido canibalizado.

Outros estudos feitos pelos mesmos investigadores, nomeadamente em torno de um crânio descoberto noutra caverna próxima, indiciam que o Homo Sapiens acasalava com espécies humanas mais primitivas, que possivelmente também lhes serviam de alimento.

“Tínhamos noções muito concretas sobre a nossa evolução: que nos encontrámos isolados em África em evolução e que rapidamente substituímos todas as outras espécies à nossa volta porque pensávamos que éramos superiores a eles. E aconteceu muito depressa, sem dúvida, e sem interacção biológica. Mas a história da hibridização virou tudo isso de cabeça para baixo”, constata o responsável pelo estudo, citado pelo New Scientist.

ZAP

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Uma pitada de poeira de rocha pode ajudar a evitar alterações climáticas catastróficas

O uso de poeira de rocha na agricultura traz não só vantagens para a colheita, mas também para o ambiente. Esta técnica permite uma remoção eficiente do dióxido de carbono. Espalhar poeira de rocha nos terrenos …

ANA avança com plano de "saídas voluntárias"

A ANA, gestora dos aeroportos nacionais, vai avançar com "um plano de saídas voluntárias", no âmbito do redimensionamento das equipas. A ANA - Aeroportos de Portugal, gestora dos aeroportos nacionais, vai avançar com “um plano de …

Cientistas detetaram estranhos objetos astronómicos circulares (e não fazem ideia do que são)

Recorrendo a telescópios, uma equipa de astrofísicos detetou quatro estranhos objetos astronómicos. Foram encontrados nos comprimentos de onda de rádio e são circulares e mais brilhantes do que as suas bordas. Estes estranhos e inesperados …

Especialista alerta sobre possíveis vírus extraterrestres que podem chegar à Terra em futuras missões

O cientista e antigo colaborador da NASA Scott Hubbard alertou para a possível chegada de vírus extraterrestres à Terra em futuras missões espaciais, notando que o interesse pela exploração do Espaço tem aumentado. O antigo …

Covid-19. A morada e a cor da pele são um fator de risco no Brasil

Enquanto que na Europa a idade é um fator de risco da covid-19, no Brasil, o sítio onde moram e a cor da sua pele definem essa fronteira entre os que têm maior ou menor …

Lagos dos Estados Unidos estão a ficar cobertos de verde. Nem os mais remotos escapam

Vários lagos montanhosos dos Estados Unidos estão a tornar-se verdes devido ao crescimento de algas que prosperam por causa das alterações climáticas, concluiu um estudo conduzido por cientistas da Universidade do Colorado. De acordo com a …

No Algarve, metade dos casos de infeção resultaram de transmissão social

Um estudo apresentado na última reunião do Infarmed, em Lisboa, veio estabelecer uma relação entre a propagação do vírus no Algarve e o fator social. De acordo com o estudo, apresentado na última reunião do Infarmed, …

Numa operação inédita de 18 horas, gémeas siamesas unidas pelo crânio foram separadas com sucesso

Ervina e Prefina, com 2 anos, nasceram com os crânios unidos, uma das formas mais raras e complexas de fusão craniana e cerebral conhecidas como "craniófago total posterior". Agora, médicos em Itália conseguiram separá-las numa operação …

Família de Pablo Escobar está a processar um rapper norte-americano. Exige-lhe 10 milhões

A família Pablo Escobar, morto em dezembro de 1993 na Colômbia, está a processar o rapper norte-americano Tauheed Heakeen Epps, mais conhecido como 2 Chainz, por usar o nome do narcotraficante num negócio. De acordo com …

Steve Jobs acreditava na eficiência do teletrabalho já em 1990

O fundador da Apple, Steve Jobs, que faleceu em outubro de 2011, dizia acreditar na eficiência do trabalho remoto já em 1990. A pandemia de covid-19, que já matou mais de 500 mil pessoas me todo …