Os símios de hoje são mais inteligentes do que a nossa ancestral Lucy

Uma nova investigação que analisou crânios fósseis e modernos sugere que os grandes símios vivos são mais inteligentes do que o nosso ancestral pré-humano Australopithecus, grupo no qual se insere a famosa “Lucy”.

Segundo noticia a agência Europa Press, a nova investigação, conduzida por cientistas da Universidade de Adelaide, na Austrália, em colaboração com o Instituto de Estudos Evolucionários da Universidade de Witwatersrand, desafia a antiga tese que sustenta que, devido ao facto de o cérebro dos Australopithecus ser maior do que o de muitos macacos modernos, estes eram mais inteligentes.

A nova investigação, cujos resultados foram publicados na revista científica Proceedings of Royal Society B, mediu a taxa de fluxo sanguíneo para a parte cognitiva do cérebro, com base no tamanho dos buracos no crânio que passavam pelas artérias supridas.

A técnica em causa foi calibrada em humanos e outros mamíferos e aplicada a 96 crãnios de grandes símios e 11 crânios fósseis de Australopithecus.

Roger Seymour, cientista que participou no estudo, explicou, citado em comunicado, que o estudo evidenciou uma maior taxa de fluxo sanguíneo na parte cognitiva do cérebro dos grandes sísmos em comparação com os Australopithecus.

“Os resultados foram inesperados para os antropólogos, porque geralmente a inteligência está diretamente relacionada ao tamanho do cérebro”.

“No começo, o tamanho do cérebro parece razoável porque é uma medida da quantidade de células cerebrais, os chamados neurónios. No entanto, ao pensar sobre isso, a cognição se baseia baseia-se não só no número de neurónios, mas também no número de conexões entre os neurónios, as sinapses. Estas conexões governam o fluxo de informações no cérebro. Uma atividade sináptica maior resulta numa maior capacidade de processamento de informações”, sustentou, citado na mesma nota.

Seymour recordou disse que os grandes símios são conhecidos por serem muito inteligentes, dando como exemplo o gorila Koko, que foi ensinado a comunicar-se com mais de 1.000 sinais, e do chimpanzé Washoe, que aprendeu cerca de 350 sinais.

“De acordo com os resultados, estima-se que o fluxo sanguíneo para os hemisférios cerebrais do Koko seja aproximadamente o dobro do fluxo da Lucy. Uma vez que a taxa de fluxo sanguíneo poderá ser uma melhor medida da capacidade de informações do que o tamanho do cérebro, Koko pode ter sido mais inteligente”, rematou.

Com apenas um metro de altura e 27 quilos, Lucy viveu na África Oriental há mais de três milhões de anos. O seu fóssil foi descoberto a 24 de novembro de 1974 pelo famoso paleoantropólogo norte-americano Donald Johnson e cerca de 40% do esqueleto sobreviveu até aos dias de hoje.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. “A nova investigação, cujos resultados foram publicados na revista científica Proceedings of Royal Society B, mediu a taxa de fluxo sanguíneo para a parte cognitiva do cérebro, com base no tamanho dos buracos no crânio que passavam pelas artérias supridas.”

    Há algo que não percebo neste parágrafo. Então os buracos do crânio é que passavam pelas artérias supridas? Não deveria ser o contrário, artérias que passam em buracos?
    É um mistério que urge desvendar! Ao trabalho!

  2. “o estudo evidenciou uma maior taxa de fluxo sanguíneo na parte cognitiva do cérebro dos grandes sísmos em comparação com os Australopithecus.” Não será grandes sismos, mas grandes símios. Há que corrigir!

RESPONDER

Igrejas evangélicas cultivam violência doméstica ao defender a supremacia dos homens sobre as mulheres

O facto de a igreja evangélica defender que o homem deve controlar a mulher apenas agrava o problema de violência doméstica, justificando os atos dos homens. Jane (nome fictício) era membro da comunidade cristã evangélica da …

A Cidade do México está a pagar aos seus polícias para que percam peso

A Polícia da Cidade do México está a levar a cabo um programa para combater o excesso de peso e a obesidade no seu efetivo através de incentivos financeiros.  Ao todo, escreve a agência AFP que …

Há um novo método para medir buracos negros

Os buracos negros supermassivos são os maiores buracos negros, com massas que podem exceder mil milhões de sóis. Apenas esta primavera foi divulgada a primeira imagem do buraco negro supermassivo no centro da galáxia M87, …

E Tudo o Vento Levou… há 80 anos

E Tudo o Vento Levou celebra este domingo 80 anos de vida, marcando a data da sua estreia nos Estados Unidos. Oito décadas depois, o filme mantém-se como uma das maiores obras primas do cinema …

O problema impossível mais simples do mundo está a levar matemáticos à loucura

Matemáticos avisam os seus colegas para se manterem longe da conjetura de Collatz. No entanto, Terence Tao decidiu arriscar, e está muito perto de resolver aquele que muitos chamam de o problema impossível mais simples …

Soldados da Guerra Civil dos EUA pintavam o cabelo para ficar melhor nas fotografias

Investigadores encontraram evidências que indicam que soldados da Guerra Civil norte-americana pintavam o cabelo para ficar melhor nas fotografias. Escavações em Camp Nelson, no Kentucky, revelaram restos de um estúdio de fotografia com 150 anos, o …

Chuva, vento forte e neve. Mau tempo vai agravar-se nas próximas 48 horas

A Proteção Civil alertou este domingo para um agravamento do estado do tempo nas próximas 48 horas, com períodos de chuva, possibilidade da queda de neve nas terras alta do norte e centro e ainda …

Descoberta nova espécie de aranha-violinista no Vale do México

Cientistas identificaram, no México, uma nova espécie de aranha com um veneno que, apesar de não ser fatal, é capaz de causar necrose na pele humana. Uma equipa de cientistas da Universidade Nacional Autónoma do México …

Já sabemos sobre o que conversam os orangotangos

Um novo estudo da Universidade de Exeter, em Inglaterra, desvendou a linguagem secreta dos orangotangos, descobrindo o que significam 11 sinais vocais e 21 gestos. Os investigadores passaram dois anos a filmar mais de 600 horas …

COP25 aprovou conclusões. Não há acordo para regulação dos mercados de carbono

A cimeira da ONU sobre o clima terminou hoje em Madrid assinalando a urgência para conter as alterações climáticas, mas a mais longa cimeira sobre o clima de sempre sem chegar a acordo nos pontos …