“Os russos precipitaram-se”. Cientistas preocupados com a Sputnik V

A preocupação tem aumentado por parte da comunidade científica, em torno da vacina russa Sputnik V. Especialistas afirmam que o desenvolvimento pouco transparente e a falta de testes em massa pode ser um problema ainda maior do que o vírus.

As atuais dúvidas dos cientistas partem de vários princípios. Um deles tem por base um estudo de Scott Halstead, um virologista da Universidade do Hawai, em 1977. Quando estava a estudar a dengue, Halstead percebeu uma característica da doença que agora é bem conhecida, mas na época se mostrou inesperada.

Alguns animais que já tinham sido expostos a um dos quatro vírus relacionados com o vírus da dengue, e produziram anticorpos contra ele, ficaram novamente doentes quando infetados pela segunda vez. Segundo o The Guardian, foram os anticorpos produzidos pela primeira infeção que permitiram que a segunda infeção se propagasse pelo corpo.

Este efeito foi chamado de ADE. A razão pela qual é importante, em plena pandemia de coronavírus, é que situações inesperadas como o ADE são o tipo de problema que os investigadores de vacinas procuram nos testes da fase 3; testes esses que ainda não foram realizados na recém-aprovada Sputnik V.

Mesmo antes do anúncio oficial da Rússia, muitos especialistas alertaram sobre programas acelerados de desenvolvimento de vacinas na Rússia e nos EUA.

Kevin Gilligan, virologista e consultor sénior da Biologics Consulting, alertou ainda em junho, à Nature Biotechnology, que “o ADE é uma preocupação genuína, porque se o tiro for disparado e uma vacina que potencialize a doença for distribuída, isso será pior do que realmente não vacinar”.

Esta semana, após a Rússia anunciar que está a avançar com a produção em massa da Sputnik V, a preocupação de especialistas como Gilligan aumenta.

A comunidade científica acredita mesmo que os russos se precipitaram. Ainda assim, a Rússia descreve as alegações de que a vacina não é segura como infundadas e, na quarta-feira, prometeu lançá-la em apenas duas semanas.

Entre os especialistas que mencionam o ADE como preocupação está Danny Altmann. O professor de imunologia do Imperial College garante que o grande problema é que o trabalho de desenvolvimento da vacina na Rússia não foi transparente, e que ninguém sabe realmente se é seguro ou eficaz aplicá-la na população.

“Acho que os cientistas russos se precipitaram”, disse Altmann ao The Guardian.

Altmann explica que a abordagem ideal seria comparar pelo menos 150 vacinas candidatas de forma transparente, usando os mesmos critérios de teste, para garantir que o mundo receba a melhor vacina, e não apenas a primeira. “O motivo pelo qual pedimos transparência e revisão é porque esses fatores são muito sérios” disse o cientista.

Para Ian Jones, professor de virologia da Universidade de Reading, o maior risco é que “a imunidade gerada não seja suficiente para dar proteção, levando à contínua disseminação do vírus mesmo entre os imunizados”, citou o especialista num comunicado publicado no Science Media Center.

“Uma vacina má é pior do que nenhuma vacina”, remata Jones.

Num artigo de opinião para o New York Times, Natalie Dean, professora assistente de bioestatística na Universidade da Florida, sinalizou muitas das mesmas questões levantadas por Jones, acrescentando que hesitaria em tomar uma vacina que parecia ter sido aplicada “às pressas”.

Dean realça a importância dos testes na fase 3. “Não queremos que as pessoas que estão apenas ligeiramente protegidas se comportem como se fossem invulneráveis, isso poderia agravar a transmissão”, disse.

A professora destaca o aspeto económico do desenvolvimento de vacinas, explicando que o dinheiro pode estar a ser mal aplicado, uma vez que “é caro lançar uma vacina, e pode-se estar a desviar a atenção de outros esforços que sabemos que funcionam, como usar máscaras e testar vacinas melhores”.

A última coisa que os estudos da fase 3 fazem é examinar a segurança, permitindo que efeitos colaterais mais raros sejam detetados. Um desses efeitos é um fenómeno paradoxal conhecido como aprimoramento imunológico, no qual o sistema imunológico de uma pessoa vacinada reage exageradamente à infeção.

No caso de muitas pessoas, que tomaram a vacina, terem este tipo de reação e precisarem de cuidados médicos pode ser “um sinal claro de que a hospitalização é maior entre a população vacinada o que marcaria o fim da vacina”, conclui Dean.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Os cientistas russos não se precipitaram.
    Foram pressionados pelos políticos russos para apresentar resultados primeiro como sempre fizeram

  2. Para mim não me interessa a nacionalidade da vacina, mas sim o seu efeito, a origem e rapidez são de facto muito duvidosos, no entanto, talvez com o tempo se consiga saber um pouco mais sobre a sua eficácia.

RESPONDER

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …

Abel Ferreira tentou levar jogador do Benfica para o Palmeiras

O treinador português Abel Ferreira, no comando técnico dos brasileiros do Palmeiras, pediu a contratação de Franco Cervi, que alinha pelo Benfica, mas acabou por ver a sua proposta recusada pelo jogador argentino. A notícia …