/

Os caranguejos são “hipnotizados” pelos campos eletromagnéticos dos cabos submarinos

1

Um novo estudo mostrou que os cabos submarinos podem estar a ter um “efeito hipnotizante” nos caranguejos castanhos. Mais preocupante: o campo eletromagnético produzido pelos cabos pode causar alterações celulares nos caranguejos comestíveis, tornando-os mais vulneráveis a infeções. 

Os cientistas estudaram 60 caranguejos castanhos num aquário da Estação Marinha de St Abbs, na Escócia. A equipa submeteu os animais a diferentes forças do campo eletromagnético e observou quanto tempo passaram a descansar ou a mover-se durante um período de 24 horas.

A análise revelou que os caranguejos demonstravam uma “clara atração” pelos campos eletromagnéticos mais fortes, semelhantes aos emitidos por cabos submarinos.

Segundo o IFL Sicence, os crustáceos tornaram-se significativamente menos ativos quando estavam perto dos campos eletromagnéticos, como se estivessem “hipnotizados” pela sua presença. Este efeito pode ter consequências na migração dos caranguejos, na procura de alimento e na atividade de acasalamento.

Os cabos subaquáticos emitem um campo eletromagnético. Alastair Lyndon, investigador da Universidade de Heriot-Watt, explicou ao portal que “quando está a uma força de 500 microTeslas ou superior – cerca de 5% da força de um íman de frigorífico -, os caranguejos parecem ser atraídos e ficam quietos“.

O facto de ficarem imóveis não é propriamente um problema, mas se não se mexerem, “não estão a procurar comida ou um companheiro”. Além disso, tendo em conta que estes animais migram pela costa leste da Escócia, os quilómetros de cabos submarinos podem fazer com que os caranguejos fiquem mesmo parados.

A equipa também analisou a forma como os corpos dos caranguejos reagiam ao campo eletromagnético e concluiu que pode estar a prejudicar os animais.

“A mudança nos níveis de atividade também leva a mudanças no metabolismo do açúcar – armazenam mais açúcar e produzem menos lactato, tal como os seres humanos”, disse Lyndon.

“A exposição a níveis mais elevados de força do campo eletromagnético alterou o número de células sanguíneas no corpo dos caranguejos, o que pode ter várias consequências, como torná-los mais suscetíveis à infeção bacteriana“, acrescentou Kevin Scott, da Estação Marinha de St Abbs.

Muito poucas investigações se têm debruçado no impacto que os cabos submarinos podem estar a ter na vida marinha. A maior parte da preocupação foca-se na forma como a vida selvagem pode danificar os cabos, e não o contrário.

O artigo científico foi publicado no Journal of Marine Science and Engineering.

  ZAP //

1 Comment

  1. Os caranguejos,lagostas,lavagantes,bruxas e outros crustáceos de toca,ficam como que hipnotizados e fáceis de apanhar quando estão junto de moreias ou safios.Será que estes peixes emitem algum campo electro magnético ,ou simplesmente os caranguejos pensam que estão ao lado de um safio ou congro e não de um cabo submarino?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.