Os cães vão para o céu? Lápides mostram que animais de estimação se tornaram família após a II Guerra

Os donos de animais de estimação no século XVIII amavam-nos profundamente, mas os donos contemporâneos são mais propensos a acreditar numa vida após a morte, onde verão os seus animais de estimação falecidos mais uma vez.

Relacionamentos significativos entre pessoas e animais existem há milhares de anos. Túmulos humanos que datam da Idade da Pedra e do Paleolítico abrigam cães que podem ter sido animais de estimação. Em 1881, foi estabelecido o primeiro cemitério público dedicado inteiramente a animais de estimação em Hyde Park, Londres.

Agora, estes cemitérios comemoram a conexão emocional que as pessoas sentem pelos seus animais de estimação.

O arqueólogo Eric Tourigny, professor de arqueologia histórica na Universidade de Newcastle, perguntou-se se as inscrições nas lápides poderiam revelar a forma como as relações dos humanos com os seus animais de estimação mudaram em mais de um século.

Tourigny descobriu que as inscrições em lápides do século XX referiam-se cada vez mais aos animais como membros da família – em vez de simplesmente animais de estimação.

Com o tempo, os memoriais também incorporaram mais símbolos cristãos e expressaram convicções de que animais de estimação possuíam almas imortais e voltariam a reunir-se com os seus donos após a morte.

Segundo o arqueólogo, cemitérios humanos revelam muito aos investigadores sobre a estrutura social e práticas do passado. “Por exemplo, podemos reconstruir a demografia local, grupos de parentesco, a organização da cidade, a distribuição socioeconómica das pessoas dentro de uma comunidade, estruturas sociais, bem como atitudes em relação à religião, morte e vida após a morte”, disse Tourigny, em declarações ao Live Science.

Se estes cemitérios são um recurso tão valioso para desvendar antigas relações humanas, “por que não podemos olhar para cemitérios de animais para reconstruir as relações passadas entre humanos e animais?”, interrogou-se Tourigny.

O arqueólogo descobriu que, após a II Guerra Mundial, mais proprietários de animais de estimação em luto referiam-se a si mesmos como “mãe” ou “pai” nas lápides. Os proprietários adicionavam com mais frequência um sobrenome depois do nome do animal, sugerindo que os animais eram vistos como membros da família.

À medida que a era vitoriana diminuía e a sociedade britânica se tornava mais secular, havia também “menos relutância em expressar publicamente uma crença nas almas dos animais, reunificação na vida após a morte e a participação dos animais na família”, relatou Tourigny.

Esta mudança social mudou as mensagens da lápide em cemitérios de animais de estimação. Um memorial a “Grit” em 1900 era incerto sobre a perspetiva de um reencontro na vida após a morte, meditando tristemente “Será que nos encontraríamos de novo, isso aliviaria metade da minha dor.” Em comparação, uma lápide de 1952 para “Denny”  declarava com confiança “Deus te abençoe até que nos encontremos novamente.”

As referências à reunificação em lápides mais do que quadruplicaram entre as décadas de 1940 e 1950 e aumentaram ainda mais durante a década de 1960.

Embora o tamanho e ornamentos das lápides em cemitérios humanos tenham diminuído após a I Guerra Mundial, “os monumentos de estimação ocasionalmente tornam-se maiores e mais elaborados em meados do século XX”, escreveu Tourigny.

Expressar fortes emoções sobre a morte de um animal de estimação é agora considerado mais socialmente aceitável do que era durante o século XIX. No entanto, as pessoas ainda se podem sentir desconfortáveis ou envergonhadas por partilhar publicamente a sua devastação. Os cemitérios de animais de estimação oferecem aos proprietários em luto um espaço para lamentar os seus animais sem julgamento.

Segundo o arqueólogo, a demonstração de afeto preservada nas lápides pode ser uma fonte de conforto para quem possui um animal de estimação.

“Muitas vezes, encontrei pessoas a caminhar casualmente entre as lápides para fazer uma pausa e dar o seu tempo aos animais que nunca conheceram”, disse Tourigny. “Ocorreu-me que cemitérios de animais de estimação são espaços emocionais – não só para aqueles que enterraram os seus animais lá há muito tempo, mas também para aqueles que atualmente apreciam o seu tempo com animais de estimação.”

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Antiquity.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Macacos foram geneticamente modificados com cérebros humanos (e os seus neurónios aumentaram)

Um gene humano injetado nos cérebros dos macacos não apenas os tornou maiores, mas também aumentou a função dos neurónios, tornando os primatas "mais humanos". Os cérebros dos macacos são muito menores e mais lisos do …

Académicos sul-africanos querem diminuir o brilho do Sol

Um grupo de cientistas e académicos sul-africanos considera diminuir o brilho do Sol para evitar uma seca devastadora na Cidade do Cabo, de acordo com um novo estudo científico recentemente publicado. Os especialistas pretendem lançar …

O Universo está cheio de uma substância misteriosa: chama-se quintessência

Uma equipa internacional de cientistas sugere, num novo estudo, que a expansão acelerada do Universo pode ser causada por uma substância misteriosa chamada quintessência. Os cientistas acreditam que a expansão do Universo está relacionada com a …

Entrevista: "Demorei 2 anos a aperfeiçoar o meu passe; os miúdos de Timor já jogam lindamente!"

Sara Moreira Silva é a líder da primeira escola de voleibol em Timor-Leste, que vai arrancar em janeiro de 2021. Fica aqui a perspetiva de uma portuguesa que vê muito talento entre os timorenses...que não …

O edifício mais antigo do mundo ainda em funcionamento "mora" em Roma

O Panteão de Roma, o edifício mais antigo desta cidade italiana, continua a ser utilizado nos dias de hoje, cerca de 2.000 anos depois da sua construção. Edificado em meados de 125 a.C sob a …

Da cabeça de javali à perdiz. Historiadores e chefs ensinam a cozinhar pratos medievais

Uma equipa de historiadores e grandes chefs reuniu-se para oferecer um curso online para ensinar os alunos a criar banquetes medievais. Professores da Universidade de Durham e chefs do restaurante Blackfriars criaram o Eat Medieval, que …

The Climate Store. Os preços desta loja sueca variam conforme a pegada ecológica

Os rótulos dos alimentos já indicam o quão bom ou mau um produto é para a nossa saúde, mas e o planeta? Um número crescente de marcas está agora a rotular os seus produtos para …

A cidade-irmã mais famosa de Petra abre finalmente ao público. "Esconde" túmulos amaldiçoados

A cidade de Hegra, localizada nos desertos a norte de Al Ula, no noroeste da Arábia Saudita, vai pela primeira vez abrir ao público, podendo os visitantes explorar agora este local antigo sem quaisquer restrições. …

Falha no Microsoft Excel pode ter levado a mais de 1.500 mortes no Reino Unido

Um erro no Microsoft Excel que eliminou quase 16 mil casos de covid-19 das estatísticas do Reino Unido pode ter levado a mais de 1.500 mortes evitáveis, de acordo com um artigo da Warwick University. Os …

Pessoas com bons hábitos de sono têm menor risco de insuficiência cardíaca

Os padrões de sono saudáveis ​​incluem acordar de manhã cedo, dormir 7 a 8 horas por noite e não ter insónias ou sonolência diurna excessiva. Esta pode ser a receita secreta para evitar insuficiência cardíaca, …