Os cães vão para o céu? Lápides mostram que animais de estimação se tornaram família após a II Guerra

Os donos de animais de estimação no século XVIII amavam-nos profundamente, mas os donos contemporâneos são mais propensos a acreditar numa vida após a morte, onde verão os seus animais de estimação falecidos mais uma vez.

Relacionamentos significativos entre pessoas e animais existem há milhares de anos. Túmulos humanos que datam da Idade da Pedra e do Paleolítico abrigam cães que podem ter sido animais de estimação. Em 1881, foi estabelecido o primeiro cemitério público dedicado inteiramente a animais de estimação em Hyde Park, Londres.

Agora, estes cemitérios comemoram a conexão emocional que as pessoas sentem pelos seus animais de estimação.

O arqueólogo Eric Tourigny, professor de arqueologia histórica na Universidade de Newcastle, perguntou-se se as inscrições nas lápides poderiam revelar a forma como as relações dos humanos com os seus animais de estimação mudaram em mais de um século.

Tourigny descobriu que as inscrições em lápides do século XX referiam-se cada vez mais aos animais como membros da família – em vez de simplesmente animais de estimação.

Com o tempo, os memoriais também incorporaram mais símbolos cristãos e expressaram convicções de que animais de estimação possuíam almas imortais e voltariam a reunir-se com os seus donos após a morte.

Segundo o arqueólogo, cemitérios humanos revelam muito aos investigadores sobre a estrutura social e práticas do passado. “Por exemplo, podemos reconstruir a demografia local, grupos de parentesco, a organização da cidade, a distribuição socioeconómica das pessoas dentro de uma comunidade, estruturas sociais, bem como atitudes em relação à religião, morte e vida após a morte”, disse Tourigny, em declarações ao Live Science.

Se estes cemitérios são um recurso tão valioso para desvendar antigas relações humanas, “por que não podemos olhar para cemitérios de animais para reconstruir as relações passadas entre humanos e animais?”, interrogou-se Tourigny.

O arqueólogo descobriu que, após a II Guerra Mundial, mais proprietários de animais de estimação em luto referiam-se a si mesmos como “mãe” ou “pai” nas lápides. Os proprietários adicionavam com mais frequência um sobrenome depois do nome do animal, sugerindo que os animais eram vistos como membros da família.

À medida que a era vitoriana diminuía e a sociedade britânica se tornava mais secular, havia também “menos relutância em expressar publicamente uma crença nas almas dos animais, reunificação na vida após a morte e a participação dos animais na família”, relatou Tourigny.

Esta mudança social mudou as mensagens da lápide em cemitérios de animais de estimação. Um memorial a “Grit” em 1900 era incerto sobre a perspetiva de um reencontro na vida após a morte, meditando tristemente “Será que nos encontraríamos de novo, isso aliviaria metade da minha dor.” Em comparação, uma lápide de 1952 para “Denny”  declarava com confiança “Deus te abençoe até que nos encontremos novamente.”

As referências à reunificação em lápides mais do que quadruplicaram entre as décadas de 1940 e 1950 e aumentaram ainda mais durante a década de 1960.

Embora o tamanho e ornamentos das lápides em cemitérios humanos tenham diminuído após a I Guerra Mundial, “os monumentos de estimação ocasionalmente tornam-se maiores e mais elaborados em meados do século XX”, escreveu Tourigny.

Expressar fortes emoções sobre a morte de um animal de estimação é agora considerado mais socialmente aceitável do que era durante o século XIX. No entanto, as pessoas ainda se podem sentir desconfortáveis ou envergonhadas por partilhar publicamente a sua devastação. Os cemitérios de animais de estimação oferecem aos proprietários em luto um espaço para lamentar os seus animais sem julgamento.

Segundo o arqueólogo, a demonstração de afeto preservada nas lápides pode ser uma fonte de conforto para quem possui um animal de estimação.

“Muitas vezes, encontrei pessoas a caminhar casualmente entre as lápides para fazer uma pausa e dar o seu tempo aos animais que nunca conheceram”, disse Tourigny. “Ocorreu-me que cemitérios de animais de estimação são espaços emocionais – não só para aqueles que enterraram os seus animais lá há muito tempo, mas também para aqueles que atualmente apreciam o seu tempo com animais de estimação.”

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Antiquity.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Canadá. Indígena e neta de 12 anos detidos ao tentarem abrir conta em banco

Um indígena apresentou duas queixas por racismo após ter sido detido e algemado, juntamente com a sua neta de 12 anos, quando tentava abrir uma conta no BMO - Banco de Montreal, no Canadá. Em dezembro, …

ONG encontra alianças de casal de migrantes que sobreviveu a naufrágio

As alianças encontradas pela ONG espanhola pertencem a um casal de migrantes argelinos que sobreviveu, em outubro, a um naufrágio ao largo da costa de Lampedusa, em Itália. De acordo com o jornal The Guardian, foi no …

Turquia condena 337 pessoas a perpétua por ligação à tentativa de golpe

Mais de 300 pessoas foram condenadas a prisão perpétua, esta quinta-feira, na maioria oficiais e pilotos militares, no principal julgamento relacionado com a tentativa de golpe falhado de 2016. De acordo com o jornal Público, a …

Rangers 2-2 Benfica | "Power" das águias chega para empatar

Num último assomo, o Benfica conseguir empatar um jogo que parecia irremediavelmente perdido. No espaço de três minutos – dos 78 aos 81 -, um autogolo de Tavernier, com intervenção decisiva de Gonçalo Ramos, e …

Lulas gigantes estão a deixar enormes cicatrizes em tubarões brancos

Cientistas marinhos encontraram evidências que sugerem que grandes tubarões brancos (Carcharodon carcharias) estão a ser atacados por lulas gigantes no Oceano Pacífico. Uma equipa de investigadores encontrou 14 tubarões brancos (Carcharodon carcharias) com evidências de cicatrizes …

Twitter passa a alertar utilizadores que colocam "like" em informações incorretas

O Twitter passou a alertar os utilizadores quando estes tentam 'curtir' uma publicação que contenha informações consideradas incorretas, medida que faz parte da esforço da empresa para combater a desinformação. Esta mudança significa que os utilizadores …

Erosão causada por tempestade tropical revela naufrágio do século XIX na Florida

Depois da tempestade tropical Eta arrebatar o norte da Florida no início deste mês, um banhista fez uma descoberta inesperada enquanto caminhava na costa de St. Augustine. Ao caminhar pelas dunas de areia de Crescent Beach, …

Uma mentira de um trabalhador de uma pizzaria forçou o confinamento na Austrália do Sul

O estado da Austrália do Sul decretou um confinamento geral, no dia 18 de novembro, depois de um funcionário de uma pizzaria ter mentido. Segundo o Huff Post, o homem, de nacionalidade espanhola, estava infetado com …

Jogar Monopólio, Scrabble ou até bilhar pode ser (ainda) mais divertido com uma nova mesa touch

Por mais divertidos que sejam os jogos de tabuleiro, estes podem ser um passatempo caro pois quem realmente gosta não se cansa de os comprar. Agora, a empresa Arcade1Up criou o Infinity Game Table que …

A apreensão histórica de cetamina na Tailândia não foi assim tão histórica. Eram só aditivos alimentares

Análises laboratoriais revelaram que a apreensão "histórica" de cetamina anunciada pelo Governo da Tailândia há cerca de duas semanas foi, na verdade, uma apreensão de aditivos alimentares e agentes de limpeza. As autoridades tailandesas anunciaram, …