Os cães vão para o céu? Lápides mostram que animais de estimação se tornaram família após a II Guerra

Os donos de animais de estimação no século XVIII amavam-nos profundamente, mas os donos contemporâneos são mais propensos a acreditar numa vida após a morte, onde verão os seus animais de estimação falecidos mais uma vez.

Relacionamentos significativos entre pessoas e animais existem há milhares de anos. Túmulos humanos que datam da Idade da Pedra e do Paleolítico abrigam cães que podem ter sido animais de estimação. Em 1881, foi estabelecido o primeiro cemitério público dedicado inteiramente a animais de estimação em Hyde Park, Londres.

Agora, estes cemitérios comemoram a conexão emocional que as pessoas sentem pelos seus animais de estimação.

O arqueólogo Eric Tourigny, professor de arqueologia histórica na Universidade de Newcastle, perguntou-se se as inscrições nas lápides poderiam revelar a forma como as relações dos humanos com os seus animais de estimação mudaram em mais de um século.

Tourigny descobriu que as inscrições em lápides do século XX referiam-se cada vez mais aos animais como membros da família – em vez de simplesmente animais de estimação.

Com o tempo, os memoriais também incorporaram mais símbolos cristãos e expressaram convicções de que animais de estimação possuíam almas imortais e voltariam a reunir-se com os seus donos após a morte.

Segundo o arqueólogo, cemitérios humanos revelam muito aos investigadores sobre a estrutura social e práticas do passado. “Por exemplo, podemos reconstruir a demografia local, grupos de parentesco, a organização da cidade, a distribuição socioeconómica das pessoas dentro de uma comunidade, estruturas sociais, bem como atitudes em relação à religião, morte e vida após a morte”, disse Tourigny, em declarações ao Live Science.

Se estes cemitérios são um recurso tão valioso para desvendar antigas relações humanas, “por que não podemos olhar para cemitérios de animais para reconstruir as relações passadas entre humanos e animais?”, interrogou-se Tourigny.

O arqueólogo descobriu que, após a II Guerra Mundial, mais proprietários de animais de estimação em luto referiam-se a si mesmos como “mãe” ou “pai” nas lápides. Os proprietários adicionavam com mais frequência um sobrenome depois do nome do animal, sugerindo que os animais eram vistos como membros da família.

À medida que a era vitoriana diminuía e a sociedade britânica se tornava mais secular, havia também “menos relutância em expressar publicamente uma crença nas almas dos animais, reunificação na vida após a morte e a participação dos animais na família”, relatou Tourigny.

Esta mudança social mudou as mensagens da lápide em cemitérios de animais de estimação. Um memorial a “Grit” em 1900 era incerto sobre a perspetiva de um reencontro na vida após a morte, meditando tristemente “Será que nos encontraríamos de novo, isso aliviaria metade da minha dor.” Em comparação, uma lápide de 1952 para “Denny”  declarava com confiança “Deus te abençoe até que nos encontremos novamente.”

As referências à reunificação em lápides mais do que quadruplicaram entre as décadas de 1940 e 1950 e aumentaram ainda mais durante a década de 1960.

Embora o tamanho e ornamentos das lápides em cemitérios humanos tenham diminuído após a I Guerra Mundial, “os monumentos de estimação ocasionalmente tornam-se maiores e mais elaborados em meados do século XX”, escreveu Tourigny.

Expressar fortes emoções sobre a morte de um animal de estimação é agora considerado mais socialmente aceitável do que era durante o século XIX. No entanto, as pessoas ainda se podem sentir desconfortáveis ou envergonhadas por partilhar publicamente a sua devastação. Os cemitérios de animais de estimação oferecem aos proprietários em luto um espaço para lamentar os seus animais sem julgamento.

Segundo o arqueólogo, a demonstração de afeto preservada nas lápides pode ser uma fonte de conforto para quem possui um animal de estimação.

“Muitas vezes, encontrei pessoas a caminhar casualmente entre as lápides para fazer uma pausa e dar o seu tempo aos animais que nunca conheceram”, disse Tourigny. “Ocorreu-me que cemitérios de animais de estimação são espaços emocionais – não só para aqueles que enterraram os seus animais lá há muito tempo, mas também para aqueles que atualmente apreciam o seu tempo com animais de estimação.”

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Antiquity.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rui Costa, Benfica

Benfica: duas "baixas" para Rui Costa, em poucas horas (a terceira está proxima)

Varandas Fernandes e Eduardo Moniz não vão fazer parte da lista de Rui Costa nas eleições.  Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato às próximas eleições no Benfica. Dois dias depois, foram anunciadas as saídas …

CNE arquivou queixas contra Costa por causa do PRR. Factos não podem merecer "censura, mesmo que verdadeiros"

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) arquivou as queixas que foram apresentadas contra o primeiro-ministro, António Costa, que, como secretário-geral do PS, tem insistido em falar do PRR, a bazuca europeia, na campanha eleitoral. As queixas …

Discotecas deixam de ter acesso ao lay-off simplificado. Restauração lembra que "crise ainda não acabou"

O processo de desconfinamento começa a chegar ao fim e com ele ficam para trás os apoios financeiros atribuídos às empresas. A terceira e última fase de desconfinamento está quase a chegar e isso implica …

Costa diz não compreender "irritação" de Rio com PRR "bom para o país"

António Costa afirma que não compreende a irritação de Rui Rio com o Plano de Recuperação e Resiliência, frisando que é algo positivo para o país e já está contratualizado com os Açores. O secretário-geral do …

Estudo traz uma nova esperança ao tratamento do cancro dos ovários

Novo estudo traz uma nova luz para a luta contra o cancro dos ovários. Combinação de medicamentos conseguiu reduzir o tamanho do tumor. De acordo com o estudo, entre 25 pacientes que receberam uma combinação experimental …

Medina diz que abertura das discotecas tornará noite em Lisboa mais controlada

O presidente da Câmara de Lisboa e recandidato nas eleições de domingo, Fernando Medina, disse hoje ver como positiva a reabertura das discotecas a 1 de outubro, considerando que a noite na capital passará a …

Gotas quadradas e redes líquidas. Cientistas criaram o que se pensava ser impossível

Numa experiência inesperada, uma equipa de cientistas criou gotículas quadradas e redes líquidas - algo que, de acordo com a ciência, não seria possível. Quando duas substâncias se unem acabam por se estabelecer num estado estável …

Marte pode ser demasiado pequeno para ser habitável

Marte pode ser demasiado pequeno para ser habitável. Uma equipa de investigadores sugere que a sua dimensão reduzida não lhe permite reter muita água. Um novo estudo sugere que o pequeno tamanho de Marte pode ser …

"Era como se a morte estivesse num copo." No século XVIII, o gin estava a arruinar a Inglaterra

A bebida alcoólica tornou-se tão popular no Reino Unido que os empresários começaram a utilizar todo o tipo de aditivos para enriquecerem. No século XVIII, o gin tornou-se a maior droga que o homem poderia consumir …

Vacinar animais contra a covid-19? Dezenas de zoos nos EUA estão a avançar com a ideia

Cerca de 70 jardins zoológicos e espaços de conservação nos Estados Unidos estão a administrar a vacina da farmcêutica veterinária Zoetis aos seus animais. Não são só os humanos que estão a ser vacinados contra a …