Os cães vão para o céu? Lápides mostram que animais de estimação se tornaram família após a II Guerra

Os donos de animais de estimação no século XVIII amavam-nos profundamente, mas os donos contemporâneos são mais propensos a acreditar numa vida após a morte, onde verão os seus animais de estimação falecidos mais uma vez.

Relacionamentos significativos entre pessoas e animais existem há milhares de anos. Túmulos humanos que datam da Idade da Pedra e do Paleolítico abrigam cães que podem ter sido animais de estimação. Em 1881, foi estabelecido o primeiro cemitério público dedicado inteiramente a animais de estimação em Hyde Park, Londres.

Agora, estes cemitérios comemoram a conexão emocional que as pessoas sentem pelos seus animais de estimação.

O arqueólogo Eric Tourigny, professor de arqueologia histórica na Universidade de Newcastle, perguntou-se se as inscrições nas lápides poderiam revelar a forma como as relações dos humanos com os seus animais de estimação mudaram em mais de um século.

Tourigny descobriu que as inscrições em lápides do século XX referiam-se cada vez mais aos animais como membros da família – em vez de simplesmente animais de estimação.

Com o tempo, os memoriais também incorporaram mais símbolos cristãos e expressaram convicções de que animais de estimação possuíam almas imortais e voltariam a reunir-se com os seus donos após a morte.

Segundo o arqueólogo, cemitérios humanos revelam muito aos investigadores sobre a estrutura social e práticas do passado. “Por exemplo, podemos reconstruir a demografia local, grupos de parentesco, a organização da cidade, a distribuição socioeconómica das pessoas dentro de uma comunidade, estruturas sociais, bem como atitudes em relação à religião, morte e vida após a morte”, disse Tourigny, em declarações ao Live Science.

Se estes cemitérios são um recurso tão valioso para desvendar antigas relações humanas, “por que não podemos olhar para cemitérios de animais para reconstruir as relações passadas entre humanos e animais?”, interrogou-se Tourigny.

O arqueólogo descobriu que, após a II Guerra Mundial, mais proprietários de animais de estimação em luto referiam-se a si mesmos como “mãe” ou “pai” nas lápides. Os proprietários adicionavam com mais frequência um sobrenome depois do nome do animal, sugerindo que os animais eram vistos como membros da família.

À medida que a era vitoriana diminuía e a sociedade britânica se tornava mais secular, havia também “menos relutância em expressar publicamente uma crença nas almas dos animais, reunificação na vida após a morte e a participação dos animais na família”, relatou Tourigny.

Esta mudança social mudou as mensagens da lápide em cemitérios de animais de estimação. Um memorial a “Grit” em 1900 era incerto sobre a perspetiva de um reencontro na vida após a morte, meditando tristemente “Será que nos encontraríamos de novo, isso aliviaria metade da minha dor.” Em comparação, uma lápide de 1952 para “Denny”  declarava com confiança “Deus te abençoe até que nos encontremos novamente.”

As referências à reunificação em lápides mais do que quadruplicaram entre as décadas de 1940 e 1950 e aumentaram ainda mais durante a década de 1960.

Embora o tamanho e ornamentos das lápides em cemitérios humanos tenham diminuído após a I Guerra Mundial, “os monumentos de estimação ocasionalmente tornam-se maiores e mais elaborados em meados do século XX”, escreveu Tourigny.

Expressar fortes emoções sobre a morte de um animal de estimação é agora considerado mais socialmente aceitável do que era durante o século XIX. No entanto, as pessoas ainda se podem sentir desconfortáveis ou envergonhadas por partilhar publicamente a sua devastação. Os cemitérios de animais de estimação oferecem aos proprietários em luto um espaço para lamentar os seus animais sem julgamento.

Segundo o arqueólogo, a demonstração de afeto preservada nas lápides pode ser uma fonte de conforto para quem possui um animal de estimação.

“Muitas vezes, encontrei pessoas a caminhar casualmente entre as lápides para fazer uma pausa e dar o seu tempo aos animais que nunca conheceram”, disse Tourigny. “Ocorreu-me que cemitérios de animais de estimação são espaços emocionais – não só para aqueles que enterraram os seus animais lá há muito tempo, mas também para aqueles que atualmente apreciam o seu tempo com animais de estimação.”

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Antiquity.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

PS acusa Rio de "não ter ideias" e aconselha-o a "ter uma agenda política"

No encerramento das jornadas parlamentares do PSD, em Portalegre, Rui Rio apontou o dedo ao PS, por alimentar clientelas. Na resposta, a líder parlamentar do PS acusa Rio de não ter uma ideia para o …

João Mário está desiludido com o Sporting, que já procura uma alternativa ao médio

O Sporting mostra-se intransigente no preço a pagar por João Mário. O médio português está descontente e já pediu ao seu agente para procurar outro clube. Também o Sporting já estuda uma alternativa. As negociações entre …

Vídeo polémico da TAP em Espanha. Um dos directores foi suspenso e o outro saiu mais cedo

O polémico vídeo feito por dois directores da TAP em Madrid, onde falam da contratação de trabalhadores em Espanha, já levou à suspensão de um deles e à saída antecipada do outro. Entretanto, o ministro …

Arqueólogos descobriram (e partiram) um ovo com mil anos

Uma equipa de arqueólogos descobriu, na antiga zona industrial de Yavneh, em Israel, um ovo de galinha com mil anos. O ovo estava enterrado no subsolo, onde se manteve preservado durante cerca de mil anos até …

"Já estamos na quarta vaga" e Lisboa é o motor. Especialistas pedem restrições imediatas

Especialistas pedem restrições para a região de Lisboa e Vale do Tejo. Carlos Antunes defende que "já estamos na quarta vaga" e que Lisboa é o motor. Lisboa já passou o patamar dos 240 casos por …

Cessar-fogo quebrado. Israel lança ataque aéreo na Faixa de Gaza

O cessar-fogo entre Israel e Hamas foi quebrado na madrugada desta quarta-feira. Os israelitas lançaram um ataque aéreo na Faixa de Gaza depois de, segundo dizem, terem sido lançados balões incendiários a partir deste território. …

"Síndrome de Maria Antonieta". Condição que torna o cabelo branco repentinamente pode ter explicação

Os últimos meses da vida de Maria Antonieta foram extremamente desgastantes, sendo que a onda de acontecimento negros culminou com a sua morte. Os livros de história contam que este cenário fez com que a …

Von der Leyen vem a Lisboa dar "luz verde" ao PRR. Plano é “ambicioso e robusto” (e pode avançar já na próxima semana)

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, vai estar hoje em Lisboa para anunciar formalmente a aprovação do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) de Portugal. Von der Leyen vai “entregar pessoalmente ao primeiro-ministro, …

Biden e Putin reúnem-se em Genebra em busca de relação "estável e previsível"

A Ucrânia, a Bielorrússia, o destino do opositor russo detido Alexei Navalny, e os ciberataques são os temas da cimeira e o debate prevê-se áspero e difícil. A cimeira vai decorrer na cidade suíça de Genebra …

Testes recomendados em casamentos e batizados, eventos desportivos e empresas

Os testes à covid-19 passam a ser recomendados em eventos familiares com mais de dez pessoas, como casamentos e batizados, eventos culturais e desportivos, serviços públicos e empresas, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). A norma, …