Os cães vão para o céu? Lápides mostram que animais de estimação se tornaram família após a II Guerra

Os donos de animais de estimação no século XVIII amavam-nos profundamente, mas os donos contemporâneos são mais propensos a acreditar numa vida após a morte, onde verão os seus animais de estimação falecidos mais uma vez.

Relacionamentos significativos entre pessoas e animais existem há milhares de anos. Túmulos humanos que datam da Idade da Pedra e do Paleolítico abrigam cães que podem ter sido animais de estimação. Em 1881, foi estabelecido o primeiro cemitério público dedicado inteiramente a animais de estimação em Hyde Park, Londres.

Agora, estes cemitérios comemoram a conexão emocional que as pessoas sentem pelos seus animais de estimação.

O arqueólogo Eric Tourigny, professor de arqueologia histórica na Universidade de Newcastle, perguntou-se se as inscrições nas lápides poderiam revelar a forma como as relações dos humanos com os seus animais de estimação mudaram em mais de um século.

Tourigny descobriu que as inscrições em lápides do século XX referiam-se cada vez mais aos animais como membros da família – em vez de simplesmente animais de estimação.

Com o tempo, os memoriais também incorporaram mais símbolos cristãos e expressaram convicções de que animais de estimação possuíam almas imortais e voltariam a reunir-se com os seus donos após a morte.

Segundo o arqueólogo, cemitérios humanos revelam muito aos investigadores sobre a estrutura social e práticas do passado. “Por exemplo, podemos reconstruir a demografia local, grupos de parentesco, a organização da cidade, a distribuição socioeconómica das pessoas dentro de uma comunidade, estruturas sociais, bem como atitudes em relação à religião, morte e vida após a morte”, disse Tourigny, em declarações ao Live Science.

Se estes cemitérios são um recurso tão valioso para desvendar antigas relações humanas, “por que não podemos olhar para cemitérios de animais para reconstruir as relações passadas entre humanos e animais?”, interrogou-se Tourigny.

O arqueólogo descobriu que, após a II Guerra Mundial, mais proprietários de animais de estimação em luto referiam-se a si mesmos como “mãe” ou “pai” nas lápides. Os proprietários adicionavam com mais frequência um sobrenome depois do nome do animal, sugerindo que os animais eram vistos como membros da família.

À medida que a era vitoriana diminuía e a sociedade britânica se tornava mais secular, havia também “menos relutância em expressar publicamente uma crença nas almas dos animais, reunificação na vida após a morte e a participação dos animais na família”, relatou Tourigny.

Esta mudança social mudou as mensagens da lápide em cemitérios de animais de estimação. Um memorial a “Grit” em 1900 era incerto sobre a perspetiva de um reencontro na vida após a morte, meditando tristemente “Será que nos encontraríamos de novo, isso aliviaria metade da minha dor.” Em comparação, uma lápide de 1952 para “Denny”  declarava com confiança “Deus te abençoe até que nos encontremos novamente.”

As referências à reunificação em lápides mais do que quadruplicaram entre as décadas de 1940 e 1950 e aumentaram ainda mais durante a década de 1960.

Embora o tamanho e ornamentos das lápides em cemitérios humanos tenham diminuído após a I Guerra Mundial, “os monumentos de estimação ocasionalmente tornam-se maiores e mais elaborados em meados do século XX”, escreveu Tourigny.

Expressar fortes emoções sobre a morte de um animal de estimação é agora considerado mais socialmente aceitável do que era durante o século XIX. No entanto, as pessoas ainda se podem sentir desconfortáveis ou envergonhadas por partilhar publicamente a sua devastação. Os cemitérios de animais de estimação oferecem aos proprietários em luto um espaço para lamentar os seus animais sem julgamento.

Segundo o arqueólogo, a demonstração de afeto preservada nas lápides pode ser uma fonte de conforto para quem possui um animal de estimação.

“Muitas vezes, encontrei pessoas a caminhar casualmente entre as lápides para fazer uma pausa e dar o seu tempo aos animais que nunca conheceram”, disse Tourigny. “Ocorreu-me que cemitérios de animais de estimação são espaços emocionais – não só para aqueles que enterraram os seus animais lá há muito tempo, mas também para aqueles que atualmente apreciam o seu tempo com animais de estimação.”

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Antiquity.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Raro crustáceo parasita descoberto na boca de um tubarão em exibição num museu

Uma equipa de cientistas descobriu uma espécie extremamente rara de Cymothoidae na boca de um espécime de tubarão capturado no Mar da China Oriental e agora em exibição num museu. Os Cymothoidae são uma família de isópodes …

Série da Netflix faz disparar venda de jogos de xadrez nos Estados Unidos

A série "The Queen’s Gambit", da plataforma de streaming Netflix, que retrata a ascensão de uma jovem jogadora de xadrez na década de 1950, fez disparar as vendas deste jogo de tabuleiro nos Estados Unidos. …

Novo comité central do PCP eleito com 98,5%

O novo comité central do PCP foi este domingo eleito no XXI congresso nacional dos comunistas, em Loures, com 98,5% dos votos. Dos 611 delegados, 602 votaram a favor, seis abstiveram-se e três votaram contra na …

Elefante salvo de um poço profundo na Índia. Resgate durou 14 horas

Uma equipa de 50 pessoas ajudou a salvar um elefante que tinha caído num poço profundo em Dharmapuri, no sul da Índia. Moradores locais atiraram folhas de bananeira para o animal comer antes de ser …

Santa Clara 0-1 Porto | Magia de Díaz resolve jogo pobre

Missão cumprida. O Porto viajou até aos Açores para defrontar o Santa Clara e leva na bagagem os três pontos. Mas não o conseguiu com brilhantismo, longe disso. A eficácia foi a palavra de ordem, num …

Raro pinguim totalmente branco encontrado nas Ilhas Galápagos

Um raro pinguim com o corpo totalmente "pintado" de branco foi encontrado no arquipélago das Galápagos, no Equador. Em comunicado, o Parque Nacional das Galápagos detalha que o raro espécime foi encontrado enquanto um guia fazia …

A China tem 8 milhões de cegos, mas apenas 200 cães-guia. Há uma razão

A China tem 8 milhões de cegos, mas apenas 200 cães-guia. As cidades populosas, as vias não adaptadas, as poucas escolas de treino e a própria população são entraves à existência destes companheiros (e verdadeiros …

Governo das Ilhas Salomão quer banir o Facebook para preservar a União Nacional

O Governo das lhas Salomão quer banir temporariamente a rede social Facebook numa tentativa de combater o cyberbullying e a difamação, alegando que a plataforma está a "minar" a União Nacional. A decisão, que já …

Sob o nariz dos militares norte-coreanos, ex-ginasta salta muro de 3 metros e foge para a Coreia do Sul

Um homem norte-coreano que queria escapar da sua terra natal deu um salto de quase três metros num muro no início deste mês. O salto, que ocorreu sob os narizes dos soldados, trouxe-o para a …

Islândia quer tornar-se um refúgio para o teletrabalho. Mas não é para todos

A Islândia fez uma série de alterações no seu programa de vistos de trabalho remoto para cidadãos foram do espaço Schengen, tendo como objetivo tornar-se num destino atraente para os trabalhadores que procuram escapar dos …