A obesidade pode alimentar a solidão (e está tudo nos nossos genes)

Um novo estudo aponta que a solidão que sentimos ou o número de vezes que queremos interagir pode ser, em parte, determinada pela codificação genética – e fortemente relacionada com a obesidade.

Com base nas respostas de 487.647 inquiridos do Reino Unido, os investigadores identificaram 15 regiões genéticas associadas à solidão.

O estudo, publicado no dia 3 de julho na revista Nature, também encontrou uma possível ligação entre obesidade e solidão, sugerindo que uma condição pode impulsionar a outra. Isto é, os mesmos genes poderiam aumentar a probabilidade de alguém com excesso de peso tender a ser mais solitário. Por isso, os investigadores analisaram ambas as condições de forma a conseguirem uma melhor abordagem.

“Na maior parte das vezes pensamos que a solidão é puramente impulsionada pelo ambiente circundante e pelas experiências de vida, mas este estudo demonstra que os genes também podem ter influência“, explica John Perry, investigador da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, em declarações ao The Telegraph.

“Há sempre uma mistura complexas de genes com o meio ambiente, mas a investigação sugere que, se a nível populacional pudéssemos combater a obesidade, poderíamos também reduzir a solidão“, explicou.

De acordo com os investigadores, 1 em cada 4 pessoas com mais de 65 anos sofre de solidão no Reino Unido, estando também associados a uma morte prematura.

Embora a solidão já tenha sido associada à condição genética antes, esta é a primeira vez que os pesquisadores conseguem destacar regiões genéticas específicas que parecem ter um impacto sobre quão isolados nos sentimos.

Apesar do método utilizado na pesquisa utilizar a auto-descrição – que não permite provar para já uma causa-efeito ainda – os dados recolhidos são convincentes.

A codificação genética não garante nem excluiu completamente o sentimento de solidão, mas pode ter um impacto. De acordo com a pesquisa, cerca de 4 a 5% da nossa tendência em sentir solidão pode ser herdada.

A equipa encontrou ainda sobreposições genéticas com características identificadas em estudos anteriores, como a depressão, obesidade e a baixa saúde cardiovascular, em particular. Os cientistas acreditam que estas características se possam combinar para aumentar o risco de solidão numa determinada pessoa.

Exemplificando: duas pessoas em condições de solidão semelhantes podem sentir-se sozinhos ou não e, segundo o estudo, esta diferença sentida pode dever-se em parte à codificação genética com que nasceram.

Os investigadores sublinham, no entanto, que há uma série de fatores envolvidos, genéticos e não-genéticos. E, por esse motivo, não podemos dizer que há um “gene da solidão” ou que os sentimentos são totalmente genéticos.

No entanto, estas “pistas genéticas” combinam a forma como o mundo funciona: algumas pessoas estão perfeitamente contentes em viver vidas solitárias, enquanto que a solidão pode ser uma tortura para outras.

“As nossas descobertas destacam uma base genética específica para o isolamento e a interação social”, explicaram os investigadores.

“Encontramos evidências de efeitos genéticos compartilhados entre características sociais, além dos caminhos mais específicos que impulsionam a participação em determinadas atividades”, concluíram.

PARTILHAR

RESPONDER

Tarantino diz que "Bruce Lee era um tipo arrogante". Filha do ator acha que cineasta deve pedir desculpar

A filha de Bruce Lee, Shannon Lee, disse à revista Variety que Quentin Tarantino "podia pedir desculpa ou dizer 'Eu realmente não sei como o Bruce Lee era. Apenas escrevi para o meu filme. Mas …

Fotógrafo entrou na morgue, tirou fotografias ao corpo de Marilyn Monroe e escondeu-as num cofre

Um famoso fotógrafo tirou fotografias do cadáver nu de Marilyn Monroe e escondeu-as, sem nunca revelá-las ao público. A informação é avançada pelo filho do fotógrafo Leigh Wiener, Devik Wiener, que afirma que o seu pai …

Receber o coração de um porco para transplante pode estar prestes a ser possível

Num futuro muito próximo, os seres humanos poderão receber transplantes de coração de porcos, considera o cirurgião britânico Terence English, de 87 anos, que em 1979 realizou o primeiro transplante cardíaco bem sucedido do Reino …

Elon Musk quer largar bombas nucleares em Marte

https://vimeo.com/354701570 Elon Musk quer bombardear o "planeta vermelho" para torná-lo habitável para a raça humana. Pode parecer contraditório, mas a ideia do fundador da Tesla e da SpaceX até poderia resultar. Bombardear Marte para tornar o planeta …

Mosca negra. A praga que alastra pelo Rio Tejo

Há uma praga a multiplicar-se pelos rios espanhóis, incluindo o Tejo, que está a levar milhares de pessoas às urgências dos hospitais e a afectar os produtores de animais. Trata-se da mosca negra que prolifera …

Descoberta mensagem em garrafa com 50 anos no Alaska. Autor foi descoberto na Rússia

Tyler Ivanoff estava à procura de lenha na costa do Alaska quando encontrou algo muito “maior”: uma garrafa com uma história: tinha 50 anos e uma mensagem no interior. "Estava à procura de lenha. Deparei-me por …

Portugal usa 4 vezes mais luz por candeeiro do que a Alemanha. É o país europeu com mais poluição luminosa

Portugal é o pior país da Europa em poluição luminosa, no que respeita ao fluxo luminoso per capita e fluxo luminoso por produto interno bruto (PIB). Esta é uma das conclusões de um artigo publicado na …

Colunista britânico agredido em Londres. Atacantes seriam ativistas de extrema-direita

O colunista britânico Owen Jones, considerado um dos mais influentes comentadores de esquerda no Reino Unido, foi agredido este sábado num bar em Londres, onde se encontrava a celebrar o seu aniversário. De acordo com o …

Cabras sapadoras que ajudam no combate aos incêndios em Portugal chegam ao “New York Times”

O jornal norte-americano The New York Times visitou a aldeia de Vermelhos, no interior do Algarve, para mostrar como as cabras foram promovidas a um “bombeiro low-cost” "Portugal tem tido dificuldades em encontrar soluções para …

Estado recebeu 28 milhões de euros de jogos de casino. Movimentados mais de 4 milhões por dia em 2018

Em 2018, entraram nos cofres públicos 28 milhões de euros provenientes dos casinos e bingos portugueses, num ano em que o volume do jogo ultrapassou os 1.6 mil milhões de euros. Contas feitas, os apostadores movimentaram …