A obesidade pode alimentar a solidão (e está tudo nos nossos genes)

Um novo estudo aponta que a solidão que sentimos ou o número de vezes que queremos interagir pode ser, em parte, determinada pela codificação genética – e fortemente relacionada com a obesidade.

Com base nas respostas de 487.647 inquiridos do Reino Unido, os investigadores identificaram 15 regiões genéticas associadas à solidão.

O estudo, publicado no dia 3 de julho na revista Nature, também encontrou uma possível ligação entre obesidade e solidão, sugerindo que uma condição pode impulsionar a outra. Isto é, os mesmos genes poderiam aumentar a probabilidade de alguém com excesso de peso tender a ser mais solitário. Por isso, os investigadores analisaram ambas as condições de forma a conseguirem uma melhor abordagem.

“Na maior parte das vezes pensamos que a solidão é puramente impulsionada pelo ambiente circundante e pelas experiências de vida, mas este estudo demonstra que os genes também podem ter influência“, explica John Perry, investigador da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, em declarações ao The Telegraph.

“Há sempre uma mistura complexas de genes com o meio ambiente, mas a investigação sugere que, se a nível populacional pudéssemos combater a obesidade, poderíamos também reduzir a solidão“, explicou.

De acordo com os investigadores, 1 em cada 4 pessoas com mais de 65 anos sofre de solidão no Reino Unido, estando também associados a uma morte prematura.

Embora a solidão já tenha sido associada à condição genética antes, esta é a primeira vez que os pesquisadores conseguem destacar regiões genéticas específicas que parecem ter um impacto sobre quão isolados nos sentimos.

Apesar do método utilizado na pesquisa utilizar a auto-descrição – que não permite provar para já uma causa-efeito ainda – os dados recolhidos são convincentes.

A codificação genética não garante nem excluiu completamente o sentimento de solidão, mas pode ter um impacto. De acordo com a pesquisa, cerca de 4 a 5% da nossa tendência em sentir solidão pode ser herdada.

A equipa encontrou ainda sobreposições genéticas com características identificadas em estudos anteriores, como a depressão, obesidade e a baixa saúde cardiovascular, em particular. Os cientistas acreditam que estas características se possam combinar para aumentar o risco de solidão numa determinada pessoa.

Exemplificando: duas pessoas em condições de solidão semelhantes podem sentir-se sozinhos ou não e, segundo o estudo, esta diferença sentida pode dever-se em parte à codificação genética com que nasceram.

Os investigadores sublinham, no entanto, que há uma série de fatores envolvidos, genéticos e não-genéticos. E, por esse motivo, não podemos dizer que há um “gene da solidão” ou que os sentimentos são totalmente genéticos.

No entanto, estas “pistas genéticas” combinam a forma como o mundo funciona: algumas pessoas estão perfeitamente contentes em viver vidas solitárias, enquanto que a solidão pode ser uma tortura para outras.

“As nossas descobertas destacam uma base genética específica para o isolamento e a interação social”, explicaram os investigadores.

“Encontramos evidências de efeitos genéticos compartilhados entre características sociais, além dos caminhos mais específicos que impulsionam a participação em determinadas atividades”, concluíram.

PARTILHAR

RESPONDER

Conceição pode estar de saída. FC Porto pode dar 5 milhões por ano a Jesus

O treinador portista, Sérgio Conceição, pode estar de saída para a Alemanha. Como alternativa, o FC Porto está disposto a pagar 5 milhões de euros por ano a Jorge Jesus. Sérgio Conceição pode estar de saída …

Estado paga subsídio de refeição em teletrabalho. No privado, os patrões estão confusos

Mesmo à distância, os funcionários públicos mantêm o direito ao subsídio de refeição. No privado, a confusão mantém-se e os patrões estão divididos. De acordo com o secretário-geral da UGT, alguns patrões do privado estão a …

UEFA não quer campeonatos a seguir o exemplo belga

A UEFA reprovou a decisão da Liga de futebol da Bélgica que, esta quinta-feira, recomendou que se dê por terminada a época e se atribua o título ao Club Brugge.  Numa carta conjunta com a Associação de Clubes …

Boris Johnson em cheque. Desta vez, por causa da quantidade ínfima de testes

A pandemia de covid-19 está a ser um calvário político para Boris Johnson. O primeiro-ministro britânico tem sido alvo de várias críticas, sendo que a última tem a ver com a quantidade ínfima de testes …

EUA com pior recorde mundial diário de mortes. 10 milhões perderam o emprego

Os Estados Unidos registaram, esta quinta-feira, 1169 mortes em 24 horas causadas pela covid-19, o pior recorde mundial diário, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins. O número recorde de mortes em 24 horas …

Real Madrid sonda Maximiano. Sporting quer blindá-lo com cláusula de 60 milhões

O Real Madrid está atento a Luís Maximiano, o guarda-redes de 21 anos do Sporting. Os 'leões' querem blindar o jogador com uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros. O Real Madrid está interessado …

Lares britânicos recomendam idosos a assinar cláusula de "não-reanimação"

Lares britânicos recomendaram aos mais velhos que assinassem uma cláusula de "não-reanimação" para que as camas dos hospitais não fossem ocupadas por pessoas com uma menor probabilidade de sobreviver. No Reino Unido, surgem denúncias de que …

Costa admite segunda onda de covid-19. E dá 4 de maio como limite para normalizar ensino

Esta sexta-feira, em entrevista à Rádio Renascença, o primeiro-ministro disse que não é altura de se "baixar a guarda" e assegurou que a decisão mais difícil é a da reabertura das escolas. Para vencer esta batalha …

Encontradas centenas de garrafas de cerveja tóxica da era vitoriana

Mais de 600 garrafas de cerveja com cerca de 140 anos foram encontradas no Reino Unido. Muitas ainda continham cerveja, que estava contaminada com elevados níveis de chumbo. Uma equipa de arqueólogos encontrou mais de 600 …

Há um fármaco, ainda em teste, que bloqueia efeitos da covid-19

Investigadores conseguiram decifrar como o SARS-CoV-2 interage e infeta as células humanas do rim e, a partir daí, começaram a testar o potencial do fármaco. Investigadores de um estudo internacional identificaram um fármaco, em fase clínica …