/

O transporte marítimo de mercadorias é uma ameaça crescente aos peixes de grande porte

Crescimento exponencial do transporte marítimo ao longo dos últimos anos representa uma ameaça crescente para estas espécies de maior porte.

Os tubarões-baleia, o maior peixe identificado na Terra, têm desaparecido misteriosamente dos oceanos ao longo dos últimos 75 anos, sem que os cientistas marinhos consigam perceber porquê. Quando morrem, os corpos destes enormes tubarões em perigo de extinção, que têm tipicamente entre 5 e 10 metros de comprimento e pesam cerca de 15 toneladas, afundam-se no fundo do mar, pelo que os investigadores não conseguem fazer facilmente uma autópsia.

Agora, novas investigações sugerem que os navios de carga e outros grandes navios são provavelmente responsáveis pela morte destes gigantes, contribuindo para um declínio da população mundial de cerca de 50% nos últimos 75 anos. Um novo estudo na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences conclui que a colisão com grandes navios “pode ser a principal causa de morte para o maior peixe do mundo … do que qualquer outro anteriormente realizado”, apontam Freya Womersley e David Sims, ecologistas marinhos da Universidade de Southampton e co-autores de estudos.

Para investigar os desaparecimentos dos tubarões, os investigadores compararam os movimentos de 348 tubarões-baleia monitorizados por satélite com mapas de rotas marítimas globais nos oceanos Atlântico, Índico e Pacífico, de 2005 a 2019. Neste processo, encontraram muitas semelhanças: 92% do espaço horizontal dos tubarões e quase 50 por cento do seu espaço vertical sobrepuseram-se ao grande tráfego de navios, colocando-os numa rota de colisão potencial com navios com mais de 300 toneladas brutas.

Os investigadores concluíram que os tubarões corriam mais riscos enquanto passavam tempo perto da superfície da água. Já no que respeita ao posicionamento geográfico, os locais mais perigosos para os tubarões-baleia nadarem, de acordo com os dados recolhidos, são o Golfo do México, o Golfo Arábico e o Mar Vermelho, onde se encontram alguns dos portos mais movimentados do mundo.

A sobreposição de territórios é problemática porque os tubarões nadam horizontalmente a velocidades até 10 vezes mais lentas do que os navios, pode ler-se no resultado da investigação. Como tal, quando os tubarões reparam num navio que se aproxima, o seu tempo de reação é lento e mínimo até que o navio se aproxime muito. Os tubarões que são atingidos por navios em movimento rápido têm, por isso, poucas hipóteses de sobreviver.

Embora os cientistas não saibam quantos tubarões-baleia morreram como resultado de atropelamentos com navios de carga, estes depararam-se com algumas constatações assustadoras nos dados. Os rastreadores mostraram alguns tubarões-baleia a nadar normalmente e depois afundando-se lentamente no fundo do mar. Em declarações ao The Conversation, Womersley e Sims descreveram este fenómeno como uma “arma fumegante para um ataque letal de navios”.

Depois de contabilizarem as falhas técnicas detetadas, os investigadores descobriram também que 24% das etiquetas de localização por satélite fixadas nos tubarões deixaram de trabalhar em áreas de navegação movimentadas, o que leva os investigadores a acreditam que os peixes morreram depois de terem sido atingidos por navios.

Paralelamente, os navios de carga não estão apenas a matar tubarões-baleia, estão também a prejudicar até 75 outras espécies marinhas, desde golfinhos a peixes-boi e pinguins. Como tal, é importante que os indivíduos percebam que embora seja útil poder encomendar um produto fabricado no outro lado do mundo e tê-lo em casa em poucos dias, a crescente indústria de navegação oceânica – que passou de 1.771 navios em 1995 para mais de 94.000 em 2020, de acordo com os investigadores – está a ter enormes consequências involuntárias para a vida selvagem marinha.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.