Novo tratamento provoca “cegueira” para tratar surdez

Yaniv Golan / Flickr

-

A cegueira temporária causada pela escuridão pode abrir caminho para outras hipóteses de tratamento para pessoas com deficiências auditivas. Cientistas dos Estados Unidos mostraram que a audição fica mais aguçada nessa situação.

Em experiência com ratos, as equipas da John Hopkins University e University of Maryland, nos Estados Unidos, compararam a audição dos animais que tinham sido mantidos no escuro durante uma semana com a de ratos expostos à luz natural.

O trabalho publicado na revista científica Neuron revelou que manter ratos no escuro por uma semana alterou os seus cérebros e aumentou a sua capacidade auditiva.

O efeito manteve-se durante algumas semanas depois de os animais voltarem a ambientes iluminados.

Especialistas qualificaram os resultados do estudo como “fascinantes”. No entanto, alguns cientistas acreditam que criar novos tratamentos para a perda de audição só seria viável se as alterações no cérebro fossem permanentes.

Reforço na audição

No estudo americano, os ratos que ficaram no escuro foram capazes de ouvir sons mais suaves e apresentaram mudanças na estrutura do seu córtex auditivo.

“Foi uma surpresa para nós”, disse Patrick Kanold, da University of Maryland.

Uma das possíveis explicações para os resultados seria a hipótese de que parte do cérebro dedicada à visão estaria a ser redirecionada. No entanto, os cientistas perceberam que as porções do cérebro responsáveis pela audição estavam a ser “reforçadas”.

“Não estamos a criar novos neurónios, estamos simplesmente a fortalecer as ligações que já existem no córtex auditivo”, disse Kanold à BBC.

“Isso realmente dá-nos esperanças de que haja algum potencial para que isso seja aplicado em seres humanos. E o que é bom é que não precisamos de medicamentos”.

“A descoberta talvez tenha implicações sobre pessoas com deficiência auditiva. Há muitas pessoas que recebem implantes auditivos cocleares quando adultas e é possível que uma terapia baseada nessa descoberta aumente o sucesso desses implantes”, sugeriu.

Humanos

Não se sabe se as melhorias observadas nos ratos ocorreriam em seres humanos ou se um possível tratamento poderia reverter o declínio auditivo associado ao envelhecimento.

Consultado pela BBC, Michael Akeroyd, do Institute of Hearing Research, dedicado a pesquisas auditivas na Escócia, disse achar o estudo interessante. “Não sei se é prático, mas tem potencial”, disse.

Para Akeroyd é pouco provável que pessoas idosas sejam colocadas numa sala escura durante uma semana ou mais. No entanto, na sua opinião, o estudo contribui para uma maior consciência de que o sentido da audição não se resume ao ouvido.

O especialista diz também que existe uma grande diferença entre o ato mecânico, involuntário, de se ouvir um som e a capacidade de lhe atribuirmos um significado – um processo bastante mais complexo.

“Há um surto na produção científica em torno do treino auditivo e o desenvolvimento de formas de aprendermos a escutar melhor. É um tema muito quente no momento”.

“Sugiro, como próxima etapa, que os cientistas descubram formas de conseguir melhorias permanentes. Se pudermos torná-las permanentes, ganhámos”.

Outro especialista, Ralph Holme, chefe de investigação biomédica da ONG Action on Hearing Loss, diz que o estudo é fascinante porque demonstra a forma como os nossos sistemas sensoriais interagem.

“É uma pesquisa importante porque, uma vez que os mecanismos envolvidos sejam compreendidos, talvez seja possível desenvolvermos treinos auditivos ou abordagens farmacológicas que reforcem esses processos para ajudar pessoas com perda de audição”.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Marcelo satisfeito com reabertura “sensata”. Alívio das restrições arranca hoje

O levantamento gradual das restrições em função da vacinação contra a covid-19 arranca este domingo com regras aplicáveis em todo o território continental, inclusive o limite de horário de encerramento até às 2h00 para restauração …

Restos mortais de morcego-vampiro podem desvendar mistérios sobre a espécie extinta

A descoberta da mandíbula de um morcego que viveu há 100 mil anos pode ajudar a responder a algumas incógnitas sobre a espécie extinta. Os restos mortais foram encontrados numa caverna na Argentina. De acordo com …

Vacinação de crianças saudáveis está aberta à "livre escolha dos pais"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, salientou este sábado que as autoridades de saúde não proibiram a vacinação contra a covid-19 para crianças saudáveis, considerando que “esse espaço continua aberto à livre escolha …

Tal como nos humanos, a cafeína ajuda as abelhas a aumentar o foco e a eficácia

Um novo estudo indica que, tal como em muitos humanos, uma injeção de cafeína ajuda as abelhas a manterem-se mais concentradas e a realizarem o trabalho com mais eficiência. Uma equipa da Universidade de Greenwich percebeu …

Astrónomos detetam, claramente e pela primeira vez, um disco a formar satélites em torno de exoplaneta

Com o auxílio do ALMA, do qual o ESO é um parceiro, os astrónomos detetaram pela primeira vez de forma clara a presença de um disco em torno de um planeta fora do nosso Sistema …

E se a Terra parasse subitamente de girar?

O nosso planeta demora 23 horas e 56 minutos a completar uma volta em torno do seu eixo, movendo-se a cerca de 1.770 quilómetros por hora. Aprendemos estes pormenores sobre o planeta azul na escola, …

Sporting 2 - 1 Braga | Leão entra em 2021/22 a rugir

O Sporting parece querer manter a senda de sucesso da época passada e entrou em 2021/22 com o pé direito. Os “leões” bateram o Sporting de Braga por 2-1, num jogo que valeu, sobretudo, pela primeira …

Ensinar crianças a dizer palavrões? Uma cientista acha que é boa ideia

A auto-intitulada "cientista dos palavrões" acredita que ensinar as crianças a usá-los de forma eficiente ajuda os mais novos a perceber como este palavreado afecta outras pessoas. Já se sabia que dizer palavrões é um sinal …

Fósseis misteriosos podem ser uma das provas mais antigas de vida animal na Terra

Elizabeth Turner, cientista numa universidade do Canadá, poderá ter encontrado a prova mais antiga de vida animal na Terra. Uma cientista encontrou possíveis sinais de vida animal multicelular em restos de recifes microbianos de há 890 …

E se o mundo entrasse em colapso? Cientistas descobrem qual o país onde há maior probabilidade de sobreviver

Caso a civilização entre em colapso - uma possível consequência das alterações climáticas - os cientistas já descobriram qual o lugar do mundo onde há maior probabilidade de sobreviver: é na Nova Zelândia. Numa pesquisa, dois …