Novo sistema permite o armazenamento de energia solar até 18 anos

NYU Abu Dhabi

Impressão artística do padrão das ondas de vórtice encontradas no Sol

Equipa já está a trabalhar na construção de uma versão comercial acessível do seu sistema que poderia ser potencialmente utilizada em casas.

Uma equipa de investigadores da Universidade de Tecnologia Chalmers, na Suécia, concebeu um sistema energético que armazena energia solar em forma líquida até 18 anos. O processo contou com a colaboração de cientistas da Universidade Jiao Tong de Xangai, na China, para testar o seu dispositivo, o chamado sistema solar térmico molecular (MOST), ligando-o a um gerador termoelétrico e provando que este pode produzir eletricidade mediante a exigência humana.

A equipa de Chalmers tem vindo a trabalhar na tecnologia há mais de uma década e acredita que em breve poderá ser uma opção viável para carregar dispositivos eletrónicos de baixa potência.

O sistema foi concebido com recurso a moléculas de carbono, hidrogénio e azoto especialmente desenvolvidas. Quando estas são atingidas pela luz solar, os átomos dentro das moléculas são reposicionados, transformando-se num isómero rico em energia que é armazenado na forma líquida. De forma impressionante, os investigadores dizem que o sistema armazena energia nesta forma líquida durante um período de até 18 anos. Posteriormente, é libertada utilizando um catalisador especial que devolve as moléculas à sua forma original, libertando a energia armazenada sob a forma de calor.

A colaboração com os cientistas da Universidade Jiao Tong de Xangai, na China, trouxe para a investigação um gerador termoelétrico, o que permitiu produzir uma pequena quantidade de eletricidade, apesar de os colaboradores acreditarem que esta poderia ser melhorada por modelos futuros.

“O gerador consiste um chip ultra-fino que poderia ser integrado em aparelhos eletrónicos, tais como auscultadores, relógios inteligentes e telefones”, disse o investigador Zhihang Wang da Universidade de Tecnologia de Chalmers. “Até agora, gerámos apenas pequenas quantidades de eletricidade, mas os novos resultados mostram que o conceito funciona realmente. Parece muito promissor”.

Segundo o chefe da investigação Kasper Moth-Poulsen, professor no Departamento de Química e Engenharia Química da Universidade de Chalmers, o sistema MOST “significa que podemos utilizar a energia solar para produzir eletricidade independentemente do tempo, hora do dia, estação do ano ou localização geográfica. É um sistema fechado que pode funcionar sem causar emissões de dióxido de carbono”.

Segundo o Interesting Engineering, a prova de conceito da produção atual são uns modestos 0,1 nW, embora os investigadores digam que o seu sistema poderia ser efetivamente utilizado para abordar a questão de a energia solar ser intermitente, armazenando energia durante meses a fio e implantando-a precisamente quando é necessária.

Um modelo acabado poderia ser utilizado para alimentar pequenos dispositivos eletrónicos. Agora, a equipa Chalmers pretende melhorar o desempenho do sistema e também está a trabalhar na construção de uma versão comercial acessível do seu sistema que poderia ser potencialmente utilizada em casas.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.