“Não há almoços grátis”. Vai rebentar uma nova bolha imobiliária (e Portugal está em risco)

A Europa arrisca sofrer uma nova bolha imobiliária, com Portugal incluído na zona vermelha de risco, alerta o Banco alemão de investimento Commerzbank que culpa as políticas do Banco Central Europeu (BCE) por este cenário.

“É apenas uma questão de tempo” até que volte a rebentar uma nova bolha imobiliária na Europa. A previsão é dos analistas do Commerzbank e está exposta num relatório citado pela CNBC e pelo Observador que manifesta preocupação com as políticas do BCE nas vésperas da reunião do conselho do Banco Central que está agendada para esta semana.

“Com vista a uma baixa inflação, algumas políticas são frequentemente passadas como um almoço grátis”, realça o Commerzbank, considerando que “a política de expansão monetária do BCE tem um custo que vem na forma de preços mais elevados nas casas”.

Com os preços do imobiliário a dispararem em alguns países, nomeadamente em Portugal, “a ameaça de uma bolha no preço das casas é uma possibilidade real“, aponta o Banco de Investimento alemão, criticando os juros baixos ou negativos que têm sido fomentados pelo BCE.

Mantendo-se esta política do BCE, o risco de bolha é maior, entendem os analistas do Commerzbank que apontam países como França, Bélgica e Luxemburgo como aqueles onde há maiores “sinais” de que as casas estão “significativamente sobrevalorizadas”. Nestes países, não houve “uma correcção significativa” nos preços “na sequência da crise financeira e da crise da dívida soberana”, pelo que é onde “o perigo de bolha imobiliária é considerável”.

No caso de Portugal e também da Holanda, onde os preços das casas têm disparado nos últimos tempos, não há ainda sinais de bolha, já que a crise baixou consideravelmente os valores do imobiliário. Mas “se o ímpeto actual se mantiver, os excessos no mercado são apenas uma questão de tempo“, aponta o Commerzbank.

Na Alemanha, os riscos também estão “a subir”, vaticina o Banco de Investimento, realçando que os valores das casas estão acima dos que se verificavam no início da crise de 2008.

Onde não há riscos de bolha, segundo o Commerzbank, é na Itália e na Finlândia, países onde a subida do preço do imobiliário se tem verificado a ritmos mais controlados.

ZAP //

PARTILHAR

15 COMENTÁRIOS

  1. Só pode haver uma bolha imobiliária se houver mais oferta que procura, o que não é o caso! As casas estão caríssimas, mas é diferente de uma bolha imobiliária!

    • Exactamente! O problema em Portugal é que há muita pouca oferta de casas com muita procura e daí o preço das casas ter aumentado.

    • O problema é que a procura é mais volátil do que a oferta. E quando a crise chegar muitos vão desaparecer, diminuindo fortemente a procura (cai o turismo, vão-se embora os imigrantes, muitos saem das grandes cidades, emigram,…) E aí sim, terá o mercado imobiliário altamente valorizado face à procura. E sabendo-se que houve muitos investimentos feitos no imobiliário com recurso ao crédito, tem aí um grande problema entre-mãos para resolver.

    • O meu amigo chegou agora ao nosso planeta e já fala demais, fala do que não sabe e pior… Não sabe do que fala….. Leia mais, com atenção e fale menos!

  2. Caro ZAP

    Estou em crer que anda aqui um “que” a mais:
    “…Onde não há riscos de bolha, segundo o Commerzbank, é QUE na Itália e na Finlândia, países onde a subida do preço do imobiliário se tem verificado a ritmos mais controlados…”

  3. Exactamente! O problema em Portugal é que há muita pouca oferta de casas com muita procura e daí o preço das casas ter aumentado.

  4. Boa noite a todos. Quantas casas ou fogos estao a venda ou vazios no País e quantas Famílias residentes existe? Qual a quebra de novos cidadãos estrangeiros a vir residir para o País? A tendência ja inverteu, os precos a subir porque estrangeiros e nacionais a procura, os novos vendores a aumentar o preço, as pessoas a por a venda porque estava um preço fantástico.

    Já acabou.

    Casos concretos de um micro – investidor:

    Em Julho de 2018, coloquei a venda um apartamento T1 na zona prime de Carcavelos a rebentar a escala, hoje e desde Setembro de 2019 já anda vários a 70% desse valor e demoram a vender.

    Em Junho de 2018 T1 na Estefanea, foi alvo de disputa de compradores, na mesma Rua em Outubo de 2019, foi uma dificuldade enorme para se vender e com várias baixas de preco.

    Em Setembro Cascais centro,várias baixas de preco ainda não foi vendido.

    Qualquer mediador e unânime ja nao se vende numa semana agora regra geral são várias baixas de preco e muito tempo para se vender.

    Se o fluxo do Turismo baixar os precos vai cair muito, se na Europa houver uma crise ou no USA, Portugal sofre por tabela.

    Os precos ja estao mais baixos.

    • O problema é que esses imoveis já estão com preços inflacionados , as chamadas casas banco já são dificieis de encontrar , o que neste momento é bom negocio é o mercado de arrendamento , principalmente na periferia das cidades , facilmente se consegue um retorno de 7 a 9 % ao ano , existe muita procura e os investidores estão atentos

  5. Todos querem umas fatias do bolo, porém temos muitos bolos e haverá muitos que vão criar bolor…. Existe oferta. Claro que existe! Mas para a nossa sociedade, essa oferta é muito alta, exageradamente surrealista. Não temos, nem políticas, nem políticos, conhecedores do problema habitacional em portugal. Deixem-se de abonos, portas, subsídios e outras esmolas e vão para o mercado ver como o escalabro de valores está a deixar cidades vazias, criar guetos, piorar qualidade de vida para os nossos filhos e destruir o país estragando o futuro das próximas gerações. Vou dar um exemplo prático…. Um imóvel tem um valor de 200 mil€, a pagar ao banco paga-se 600€ se for para o alugar vai pagar 900 ou mais por mês…. Quem faz estes negócios devia ter contribuições idênticas às empresas…. Dói, mas é assim mesmo…. Somos governados por gatunos e todos querem gamar o máximo. Acabem governantes chulos e com a economia paralela com coimas altas ou penalidades piores. 5 a 10 anos, o país de certeza que melhora!

  6. Só irá existir a bolha imobiliária em Portugal, quando acontecer um atentado na Europa, um crash na bolsa ou um desentendimento a nível mundial das grandes potências, EUA,China e alguns países da Ásia e Arábia.
    Aí sim a bolha rebenta.
    O investimento foge e o turismo quebra.
    Vamos ver!

    • Sim mas nao se pode comparar o poder economico do cidadao Portugues com os restantes paises da europa, dai o mercado estar a ser inflacionado por compradores estrangeiros que veem em Portugal investimento barato em relacao aos seus paises. Esse e o motivo que faz subir os valores nao porque nos outros paises ja seja elevado, nunca podemos comparar a nossa econimia onde o salario minimo e o mais baixo da UE.

  7. Os alemães estão desejando que a taxa referência (euribor) aumente. Repare-se que as noticias que vêm cá para fora, vindo da alemanha diabolizam sempre o presidente do BCE chegando mesmo a pôr em causa as suas decisões. Quem tem memória fresca, certamente irá lembrar-se um dos principais causadores da crise. O Sr. Triche…. Na altura a Euribor chegou aos 5%…. “matou” familias interias que perderam a sua casa….. tudo em prol dos juros que beneficiavam quem mais tinha (Alemães)… quanto mais altos os juros, maior o retorno…. e os outros que se lixem…… e atenção…. já se fala noutro “falcão” para ir para o BCE pior que o triché (também alemão claro)….. se isso acontecer… num espaço de dois anos, é ver famílias inteiras novamente a arder…

Facebook lança o seu próprio MB Way

O Facebook lançou nos Estados Unidos uma nova funcionalidade para facilitar pagamentos através das quatro principais aplicações do grupo, que é semelhante ao funcionamento das transações com o MB Way. Em comunicado, Deborah Liu, responsável do …

O dilema dos chumbos, o "engano" de Ventura e o "falso liberal". O primeiro debate aqueceu

O primeiro debate quinzenal da legislatura arrancou esta quarta-feira e ficou marcado pelas retenções até ao 9.º ano - Chumba ou não chumba?, quis saber a direita, bem como pelo aumento do salário mínimo nacional …

Sondagem europeia defende tratado internacional que proíba "robôs assassinos"

Quase três em cada quatro pessoas querem que o seu governo colabore com outros países para proibir sistemas letais de armas autónomas. A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) divulgou esta quarta-feira os resultados de uma …

Pentágono está a criar bactérias que detetam explosivos no subsolo

O Pentágono, em conjunto com a empresa de defesa Raytheon, está a desenvolver um sistema capaz de produzir bactérias geneticamente modificadas no subsolo, com o objetivo de detetar explosivos no subsolo. Neste projeto, iniciado pela Agência …

Hospitais voltam a não poder aumentar número de trabalhadores sem visto da tutela em 2020

Os hospitais vão continuar em 2020 impedidos de aumentar o número de trabalhadores sem a autorização prévia do Ministério da Saúde, segundo um despacho a que a agência Lusa teve acesso. O despacho assinado pelo secretário …

Onda crescente de ataques com explosivos alarma Suécia

A Suécia tem visto um aumento sem precedentes de ataques com explosivos. Em outubro, Estocolmo foi alvo de três ataques em apenas uma noite.  Se pensarmos num país com guerras de gangues constantes, o último nome …

Ruben foi libertado depois de passar 11 anos na prisão por crimes que não cometeu

Ruben Martinez Jr. saiu em liberdade do Supremo Tribunal de Los Angeles após ter passado 11 anos na prisão por uma série de assaltos à mão armada que não cometeu. Um homem que passou 11 anos …

Um em cada três portugueses não vai ao dentista ou só vai em caso de emergência

Mais de 30% dos portugueses não vão ao dentista ou só o fazem em caso de urgência e quase 10% não tem qualquer dente, segundo o Barómetro da Saúde Oral de 2019. De acordo com os …

Pintura de Monet rende 25 milhões de euros em leilão

A Sotheby's vendeu por 27,6 milhões de dólares (25 milhões de euros) uma pintura de Claude Monet, "Charing Cross Bridge", na terça-feira à noite em Nova Iorque num leilão de arte impressionista e moderna. O trabalho …

Bruno de Carvalho quer reconstituição do ataque a Alcochete (e chama Pinto da Costa)

O antigo presidente do Sporting Bruno de Carvalho pediu ao tribunal a reconstituição da invasão à Academia do clube, em Alcochete, e arrolou 22 testemunhas, incluindo Pinto da Costa, Sousa Cintra, atletas das modalidades do …