Cientistas perto de criar exame de sangue universal para todos os tipos de cancro

Chama-se CancerSEEK e pode vir a revolucionar a luta contra o cancro. Os investigadores acreditam que este novo teste ao sangue pode detetar oito tipos comuns de cancro com bastante antecedência.

Uma equipa de cientistas da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, diz estar mais perto de criar um exame de sangue universal, capaz de identificar todos os tipos de cancro. Segundo a BBC, o teste foi capaz de identificar oito tipos de cancro e foi considerado bem-sucedido em 70% casos.

Segundo o estudo publicado esta quinta-feira na revista Science, o novo teste, designado CancerSEEK, é realizado através de uma biopsia líquida, que permite aceder ao material genético do tumor de forma não invasiva, recorrendo apenas a uma análise de sangue.

Através do novo teste, os cientistas conseguem procurar mutações em 16 genes – associadas à presença de um desses oito cancros – e a oito proteínas – libertadas no sangue por tumores malignos.

Segundo o Expresso, a descoberta está a ser classificada como “muito excitante” pelo potencial de salvar milhares de vidas. Cristian Tomasetti, que integra a equipa da Faculdade de Medicina de Johns Hopkins, nos EUA, considera que esta descoberta “pode vir a ter um enorme impacto na taxa de mortalidade por cancro”.

A equipa de investigadores desenvolveu esta nova análise e testou-a em 1005 doentes oncológicos. Em 70% dos casos, conseguiu apurar a existência de cancros no estômago, ovários, fígado, pâncreas, esófago, cólon, pulmão e mama antes de ser tarde demais.

As probabilidades de um cancro poder ser tratado aumentam quanto mais cedo for detetado e, até agora, não havia forma de detetar cinco dos oito tipos de cancro investigados.

“Estamos a ver, pela primeira vez, um potencial de teste sanguíneo que pode detetar vários tipos de cancros maus que, até agora, só eram diagnosticados muito tarde, quando surgiam os primeiros sintomas”, acrescentou à ABC News, Peter Gibbs, do Instituto Walter e Eliza, em Melbourne, que também integra a equipa.

Os cientistas vão agora testar a nova análise em dez mil pessoas que não foram diagnosticadas com cancro. O caso que mais entusiasma os investigadores é o cancro do pâncreas, que tem poucos sintomas e, na maioria das vezes, é diagnosticado demasiado tarde.

Além disso, este teste poderá igualmente identificar os tipos de cancro que um doente pode ter tido no passado, o que não sucede com os atuais exames. Não havendo dúvidas da importância e da utilidade do CancerSEEK, a maior questão prende-se agora com o preço.

“Suspeito que ronda os mil dólares ou algo assim, mas tal como acontece com a maioria das tecnologias, as coisas vão ficando mais baratas ao longo do tempo, pelo que temos esperanças de que o preço baixe para poucas centenas de dólares”, refere Gibbs.

No entanto, Paul Pharoah, professor de epidemiologia do cancro na Universidade de Cambridge, citado pela BBC, defende a necessidade de haver mais investigação em torno deste novo teste.

“Demonstrar que um teste consegue detetar cancros avançados não significa que esse mesmo teste venha a ser útil na deteção de cancros precoces e, menos ainda, os pré-sintomas de um cancro. A deteção de cancros de nível um foi apenas de 40%”, conclui.

ZAP // Nature

PARTILHAR

RESPONDER

Derrocada em Borba. MP acusa oito arguidos de homicídio e violação de regras de segurança

A acusação contra oito arguidos envolvidos na derrocada da pedreira de Borba, em novembro de 2018, já foi deduzida pelo Ministério Público (MP). A informação foi divulgada, esta quarta-feira, pelo Departamento de Investigação e Ação …

Salários mais baixos da Função Pública sobem 10 euros. Férias não aumentam

Esta quarta-feira, o Governo revelou à Frente Comum que os salários mais baixos da Função Pública vão subir 10 euros, em vez de sete. Em relação aos dias de férias, não há abertura. O Jornal de …

Costa não é Alice no País das Maravilhas, mas levou os "óculos cor-de-rosa" ao debate quinzenal

No primeiro debate quinzenal do ano, António Costa lembrou, um a um, os números da economia do último ano. O episódio que tem manchado as primeiras páginas dos jornais desta semana também marcou presença, ainda …

Os dinossauros tinham sangue quente ou frio? A resposta está escondida nas cascas dos seus ovos

Um dos grandes e antigos mistérios do estudo dos dinossauros é a questão sobre se o seu sangue era quente ou frio. A resposta for encontrada escondida nas cascas dos seus ovos. Tradicionalmente, acreditava-se que os …

Eureka. Trabalhadores foram despedidos e fábrica fechou, mas estão a apresentar nova marca em Milão

A empresa responsável pela marca Eureka Shoes, que fechou as lojas e a fábrica, e despediu 150 trabalhadores em Portugal, está agora a apresentar uma nova marca em Milão. No mês passado, a empresa de calçado …

Tribunal de Contas critica modelo de financiamento do Ensino Superior (e diz que Governo não cumpriu lei de bases)

No seguimento de uma auditoria ao método de financiamento do ensino superior, para o Tribunal de Contas (TdC), entre 2016 e 2018, o modelo de financiamento concretizado pelo governo não cumpriu o estipulado na Lei …

Cientistas encontram no Ébola um aliado inesperado contra os tumores cerebrais

Cientistas encontraram um gene do vírus do Ébola que mostrou ser útil no combate contra os glioblastomas, que são tumores cerebrais que reaparecem após serem eliminados. O gliobastoma é um tumor que cresce e espalha-se depressa …

Estivadores do Porto de Lisboa iniciam greve de três semanas

Os estivadores do Porto de Lisboa iniciam, esta quarta-feira, uma greve de três semanas em protesto contra os salários em atraso e incumprimento dos acordos celebrados por parte da Associação de Empresas de Trabalho Portuário …

Michael Vang. Passou despercebido por Portugal, mas carrega os sonhos de toda uma etnia

Michael Vang é dos pouquíssimos jogadores de origem Hmong a jogar futebol profissionalmente. Agora nos Estados Unidos, o jovem teve uma passagem apagada por Portugal. Os Hmong são um grupo étnico asiático originário das regiões montanhosas …

Há pessoas sem a parte olfativa do cérebro que conseguem cheirar (e cientistas não sabem porquê)

Cientistas encontraram casos em que as pessoas não tinham bulbo olfativo, a parte do cérebro responsável pelo olfato, mas mesmo assim conseguiam cheirar. Anosmia consiste na perda total ou parcial do olfato e esta é uma …