Já ninguém consegue lugar para o descanso eterno em Paris

borkurdotnet / Flickr

Cemitério de Montparnasse, Paris

Além da falta de espaços habitáveis, Paris agora enfrenta um outro problema: a escassez de lugares nos cemitérios. Em 2017, apenas 171 lugares foram vendidos em mausoléus da capital francesa, enquanto cinco mil pedidos de enterros tiveram que ser recusados nos 14 cemitérios de Paris.

Perante o problema, a Câmara Regional de Contas parisiense publicou um relatório no início deste mês no qual demonstra a sua preocupação.

A mortalidade na cidade deve acelerar nos próximos anos com o envelhecimento da população, e a instituição realça que, diante da grande procura, a autarquia de Paris não está a conseguir assegurar túmulos nos cemitérios.

Há várias regras a cumprir. Desde 2016 que nenhuma pessoa pode ser enterrada na capital francesa se não tiver vivido em Paris. Os espaços só podem ser libertados se não tiverem mais de 30 anos de existência, e o serviço de conservação do património precisa de ter provas de que o mausoléu está abandonado.

Além disso, são necessários mais de três anos para verificar que nenhum descendente do proprietário do túmulo pretende mantê-lo. O ano passado, 3.150 pessoas foram enterradas nos 14 cemitérios da capital francesa, a maior parte dos quais em mausoléus antigos, adquiridos há muitos anos.

Mas em 2007 a cidade deixou de vender concessões antes do dia da morte. Se no dia da morte da pessoa nenhum espaço estiver disponível nos cemitérios parisienses, não resta opção a não ser o enterro fora da capital – o que aconteceu a 4.948 parisienses que tiveram que ser enterrados em cemitérios da periferia em 2017, por falta de lugar.

Outro problema é que 97% dos túmulos de Paris são eternos, e uma boa parte deles têm valor patrimonial. No cemitério Père Lachaise, no 20° distrito de Paris, 30 mil túmulos foram classificados como monumentos históricos por guardar os restos mortais de celebridades, como a cantora francesa Edith Piaf ou o escritor inglês Oscar Wilde.

Com o objetivo de encontrar soluções, a prefeitura da capital começou este mês a debater a questão.

Nos últimos 15 anos, Paris já duplicou o preço dos espaços eternos. Em média, nos cemitérios das capitais, custam actualmente 15 mil euros. Mas uma das principais propostas é acabar com a venda de túmulos perpétuos em vinte cemitérios locais.

“A ideia já enfrenta no entanto forte oposição, por exemplo do lobby dos religiosos e das grandes famílias parisienses”, acusa o vereador Yves Contassot, encarregado da pasta de Meio Ambiente da capital francesa.

// RFI

PARTILHAR

RESPONDER

Computador quântico ajuda a criar um computador quântico melhor

Um computador quântico foi usado para projetar um qubit aprimorado que poderá alimentar a próxima geração de computadores quânticos mais pequenos, de alto desempenho e mais confiáveis. Da mesma forma que um bit binário é a …

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …