Neurónios feitos a partir de células estaminais podem suprimir convulsões

Uma equipa de cientistas descobriu que o transplante de neurónios derivados de células estaminais no cérebro suprimiu as convulsões em modelos animais.

Cerca de 3,4 milhões de americanos sofrem de epilepsia e em Portugal estima-se que sejam cerca de 50 mil. Apesar de a maioria dos pacientes responderem positivamente à medicação, entre 20 a 40% dos doentes continuam a ter convulsões, mesmo depois de experimentarem vários medicamentos anticonvulsivos.

Mesmo no casos em que a medicação funciona, os pacientes podem desenvolver problemas cognitivos, de memória e depressão.

As convulsões acontecem quando os neurónios excitatórios no cérebro disparam em demasia e os neurónios inibitórios – os que “dizem” aos neurónios excitatórios para pararem de disparar – não são tão abundantes ou não operam eficazmente. O principal neurotransmissor inibitório no cérebro é o GABA, abreviatura de ácido gama-aminobutírico.

Durante a última década, os cientistas aprenderam a criar células estaminais pluripotentes induzidas a partir de células adultas comuns, como uma célula da pele. Estas células estaminais podem então ser persuadidas para se tornarem um qualquer tipo de célula do corpo, incluindo neurónios que usam GABA, chamados interneurónios GABAérgicos.

Desta forma, os cientistas transplantaram “células progenitoras GABAérgicas derivadas de células estaminais pluripotentes induzidas pelo homem no hipocampo num modelo animal de epilepsia do lobo temporal precoce”, explicou Ashok K. Shetty, professor do departamento de medicina molecular e celular da Texas A&M University.

“Esta experiência funcionou muito bem e foi eficaz na supressão de convulsões, melhorando a função cognitiva e de humor na fase crónica da epilepsia”, afirmou, citado pelo Futurity.

Uma das vantagens deste processo é que as células podem ser obtidas “de um só paciente”. Este tipo de processo – transplante autólogo – anula o risco de rejeição de novos neurónios, sendo que o paciente não precisaria de tomar medicação antirrejeição.

Apesar de ser necessária muita mais pesquisa, os cientistas consideram que esta investigação, cujos resultados foram publicados recentemente na PNAS, mostra que os pacientes podem, no futuro, ser tratados com as suas próprias células para combater os efeitos devastadores da epilepsia, e, possivelmente, de outras doenças como Parkinson e Alzheimer.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …