O neurocientista David Eagleman acredita que vivemos todos no passado

O neurocientista norte-americano David Eagleman acredita que a humanidade vive no passado e tem uma explicação lógica para isso. Acreditemos ou não.

Quando David Eagleman era uma criança, ele e os seus amigos infiltraram-se num local de construções perto. De repente, ele estava a cair de uma altura de três andares, mas a queda estava demorar uma eternidade.

Anos mais tarde, Eagleman fez os cálculos numa aula de física, quando frequentava o ensino secundário, e percebeu que a queda tinha apenas demorado meio segundo.

Mais tarde, tornou-se num gigante da neurociência e começou a investigar esse fenómeno. As suas experiências envolveram lançar objetos de uma torre com 45,7 metros de altura enquanto examinava a sua perceção do tempo durante a queda.

A sua conclusão foi bastante simples: o tempo não abranda – apenas parece que o faz. Porque quando as nossas vidas parecem estar em perigo, uma faixa extra da memória é estabelecida pela amígdala, a parte do cérebro que tem como uma das tarefas entrar em pânico.

Quando os sobreviventes olham para trás, uma maior densidade de memória é interpretada como um longo intervalo de memória, criando a ilusão de que o tempo passou mais devagar durante o assustador incidente.

As ideias de David sobre a experiência humana do tempo vão muito além do truque da amígdala fazer os nossos melhores momentos parecem durar para sempre.

Entre outras coisas, o neurocientista acredita que vivemos literalmente no passado por alguns momentos, devido ao truque do cérebro de juntar uma cacofonia de entrada assíncrona numa história unificada.

Eagleman também já falou sobre o fenómeno da “substituição sensorial“, que permite que aquele que perdem o acesso a um dos sentidos desenvolvam com mais precisão um dos outros.

Há três anos, David começou a trabalhar em hardware que alavancasse esse fenómeno natural na criação de novos sentidos. Estes poderiam incluir a magnetoperceção, usada por muitos pássaros para navegar, ou a eletroperceção, que tubarões (e outras criaturas) usam para rastrear as presas.

A criação de novos sentidos também pode permitir a criação de sentidos inteiramente sintéticos.

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Admira-me ainda haver idiotas que levam a sério o que se diz neste espaço de opinião e comentário. Que vida cinzenta devem ter. De qualquer forma e em jeito de remate para o que disse e subscrevo num contexto apenas atingível para alguns, desde quando alguém conotado como brilhante, está impedido de ser internado por anomalia psíquica, hein? Que pobreza a sua capacidade de argumentação.

  2. Uma trivialidade que se sabe há muito.
    Ou alguém acha que o nosso cérebro seria capaz de processar a informação de forma instantânea?

  3. Gostaria de ver este espaço como um meio de debate sério, onde se pudesse discutir os mais variados temas com seriedade e conhecimento. Isso sim, seria um exemplo de que todos nós nos orgulharíamos. Mas, infelizmente, este espaço é quase apenas ocupado por acéfalos que nada têm para transmitir à sociedade, senão vomitar imbecilidades. E é talvez por não passarem de meros imbecis que têm tempo para vir aqui fazer os seus comentários completamente desapropriados. É pena, mas é esta a sociedade que temos, exceptuando os poucos que ainda pretendem trazer aqui alguma seriedade aos temas tratados. Isto não sucede apenas aqui com este tema de Neurociência, mas com muitos outros temas que deveriam ser abordados pelos comentadores com mais respeito.

RESPONDER

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer influencia risco de desenvolver a doença

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer aumenta a probabilidade de desenvolver a doença, concluiu um estudo recente que avaliou a história familiar de mais de 280 mil pessoas. Na última década, vários estudos indicaram a …

Marcelo Rebelo de Sousa promulgou a nova lei da paridade (mas com alguns parêntesis)

O Presidente da República promulgou a nova Lei da Paridade. A lei estabelece que as listas para a Assembleia da República, para o Parlamento Europeu e para as autarquias locais têm de assegurar a representação …

Cientistas descobrem o que provocou três eras glaciais na Terra

Cientistas estadunidenses calcularam que um evento geológico repetido deu origem às três últimas eras glaciais no nosso planeta, a última das quais ainda mantém o seu gelo nas regiões polares. Segundo a revista Science, a responsável …

A Terra pode guardar um Oumuamua no seu interior

Uma parte da terra que pisamos poderia vir, literalmente, de outras regiões da galáxia - áreas muito distantes do local onde o planeta está localizado e que para chegar até aqui teriam que viajar anos-luz …

Há um planeta mais próximo da Terra do que Vénus

A partir do Sol, a ordem dos primeiros planetas começa com Mercúrio, depois Vénus e depois a Terra. Então, Vénus é o planeta mais próximo do nosso? A resposta é: depende. Uma equipa de cientistas acaba …

O fim das consolas está à vista. Google lança serviço de videojogos na "nuvem"

A Google apresentou o seu novo serviço de jogos na "nuvem", Stadia, na Game Developers Conference (GDC), em São Francisco. O serviço não precisa de nenhuma consola e pode ser jogado em qualquer plataforma. O CEO …

Câmaras escondidas em hotéis filmavam hóspedes sem consentimento

O escândalo foi revelado na Coreia do Sul, onde dois homens foram presos por esconder câmaras em hotéis, que transmitiam as imagens em direto para um site, onde havia quem pagasse dinheiro para ver as …

Mesquita Nunes quer ser feliz (e que haja espaço nos partidos para quem tem vida profissional)

Adolfo Mesquita Nunes defende que "tem de haver espaço nos partidos para quem tem vida profissional". O antigo vice-presidente do CDS/PP apresentou a sua demissão do partido para assumir funções na administração da Galp. "Tem a …

Finlandeses são o povo mais feliz do mundo

A Finlândia lidera, pelo segundo ano consecutivo, um ranking da ONU das populações mais felizes, onde os investigadores dizem que os níveis de felicidade no mundo estão a diminuir. O Relatório Mundial sobre a Felicidade de …

Condenado por homicídio com provas semeadas pela Polícia vai receber 13 milhões de dólares

O Conselho de Supervisores de San Francisco, nos Estados Unidos (EUA), aprovou na terça-feira uma indemnização de 13,1 milhões de dólares (cerca de 11,5 milhões de euros) a um homem que passou mais de seis …