Neandertais e humanos estiveram em guerra durante 100 mil anos (e isso pode ter levado à sua extinção)

A extinção dos Neandertais é um dos grandes mistérios da ciência. Agora, uma nova teoria de um paleontólogo diz que a extinção desta espécie foi o resultado da perda de uma guerra de 100 mil anos anos com humanos anatomicamente modernos.

Os Neandertais e os ancestrais dos humanos modernos separaram-se em África há mais de 500 mil anos. A primeira espécie migrou para o Médio Oriente e espalhou-se por grande parte da Europa e da Ásia. Já os humanos anatomicamente modernos deixaram África há cerca de 200 mil anos. Por isso acredita-se que as duas espécies se cruzaram.

Isto pode indicar que as duas espécies viviam em harmonia e até cooperavam. De acordo com a BBC Future, os Neandertais não eram primitivos, pois eram relativamente avançados e tinham uma cultura.



O paleontólogo Nicholas R Longrich refere que “é tentador imagina-los a viver em paz com a natureza e uns com os outros”, mas “os Neandertais eram predadores e territoriais, por isso defendiam o seu território com violência e trabalhavam de forma cooperativa para combater os invasores. Isso significa que a extinção dos Neandertais pode não ter sido fácil.

Comportamento Territorial

Defender o próprio território e usar a violência para fazê-lo foi uma característica que todas as espécies herdaram dos seus ancestrais.

Longrich disse à BBC Future que “a agressão cooperativa evoluiu no ancestral comum dos chimpanzés e de nós mesmos há 7 milhões de anos”. Esse impulso é a raiz da violência organizada e da guerra. O especialista refere que “a guerra não é uma invenção moderna, mas uma parte antiga e fundamental de nossa humanidade”.

Os Neandertais eram notavelmente semelhantes aos humanos modernos, pois comportavam-se de forma semelhante. “Se os Neandertais partilhavam tantos dos nossos instintos criativos, também deviam ter muitos dos nossos instintos destrutivos”, refere o especialista.

Neste sentido, quando os ancestrais dos humanos modernos deixaram África e encontraram outras espécies de humanos arcaicos, o conflito e a guerra foram inevitáveis.

Uma análise no registo paleontológico mostra que há evidências de traumas nos ossos do Homo Sapiens e dos Neandertais. De acordo com algumas pesquisas, os homens jovens Neandertais mostravam sinais de ferimentos por traumas. Esses eram provavelmente os guerreiros dos grupos e isso pode indicar que foram feridos ou mortos em confrontos violentos.

As armas primitivas encontradas por arqueólogos em sítios pré-históricos contam também uma história de violência.

Há a possibilidade de os Neandertais e os primeiros humanos se terem envolvido em conflitos, e assim, os Neandertais resistiram às incursões dos humanos modernos nos seus territórios. Longrich afirma que esta situação “levou a uma guerra de 100 mil anos”, por isso, para os investigadores, é fácil perceber que a extinção dos Neandertais não foi rápida.

Os Neandertais eram adversários formidáveis e, por isso, difíceis de combater. Eram caçadores hábeis e tinham armas para resistir aos recém-chegados. Além disso, eram mais atarracados, mais fortes do que os nossos ancestrais, e provavelmente tinham melhor visão noturna, o que poderia tê-los ajudado em conflitos noturnos.

Como é que o Homo Sapiens venceu?

Segundo o Ancient Origins, a guerra entre as duas espécies fluiu por milhares de anos. A BBC Future relata que “em Israel e na Grécia, o arcaico Homo Sapiens ganhou terreno para recuar contra as ofensivas Neandertais”, ainda assim a espécie demorou cerca de 75 mil anos para alcançar a extinção dos Neandertais nos locais que hoje são Israel e Grécia.

É possível que os nossos ancestrais tivessem usado melhores técnicas de caça e tivessem outras vantagens estratégicas. Também os primeiros grupos de caça desta espécie eram provavelmente maiores do que os dos Neandertais, e sobretudo com mais lutadores.

A teoria de que nossos ancestrais acabaram por vencer os Neandertais através de violência, parece apoiar a visão de que estes desapareceram porque foram exterminados pelo Homo Sapiens.

No entanto, existem outras teorias para explicar a extinção dos Neandertais, incluindo doenças, falha na adaptação a ambientes em mudança e até mesmo falta de diversidade genética.

  ZAP //

PARTILHAR

14 COMENTÁRIOS

  1. Apenas para informar que os Neandertais são também considerados Humanos (arcaicos) e não são uma espécie diferente. São apenas uma sub espécie diferente.
    Humanos modernos: Homo Sapiens Sapiens
    Neandertais: Homo Sapiens Neandertalensis
    Pensa-se que mesmo o acasalamento entre estas sub espécies fosse viável, razão pela qual no nosso ADN existe alguma percentagem de ADN Neandertal. Também por esta razão alguns investigadores consideram que de facto os Neandertais não se extingiram, mas continuaram em nós.

    • Sim. É até possível que o DNA Neandertal que hoje existe nos Humanos pode ter-nos chegado pela via de comunidades hibridas, resultado de violações que ocorreram durante milhares de anos de conflito.
      Essa mistura pode ter produzido espécimes com características vantajosas que lhes permitiu ter mais sucesso do que os de ancestralidade pura, e prevalecer por efeito homeostático.
      Mas não me parece provável que tenham existido comunidades de ambas as subespécies a viver harmoniosamente, acasalando livremente e a reproduzirem-se de forma tolerada.
      Basta olharmos para nós, nos dias de hoje, para que essa possibilidade esteja implicitamente excluída.

      • O que o rigor científico nos diz é que nesta, como outras questões, não sabemos nada e de pouco sabendo, resta a especulação. Os de Neandertal extinguiram-se porque não eram viáveis como espécie, o mesmo pode acontecer com os “homens modernos”, é a natureza que determina a selecção das espécies. os “homens modernos” terão, talvez, o que outras tentativas da natureza não tiveram, a capacidade de se auto-extinguir. Ou salvarem-se, pouco provável.

    • Poderiamos considera-los humanos arcaicos caso o seu dna fosse diectamente passado para nós. Existem teorias que o afirmam mas a verdade é que a percentagem é pequena. Mas nada disto tem a ver com a ancestralidade comum que é anterior, em África. É neste ponto onde a relação é definida. Sendo assim, os neardentais são nossos primos genéticos, nunca nossos ancestrais. Logo, não são humanos arcaicos.

      • Os genes do adn neanderthal existem no humano caucasiano e em menor incidência nos asiáticos. Nos humanos africanos é que não existe nenhuma evidência de genes de neanderthal.
        Sendo assim, pressupõe-se que tenha havido uma “hibridação” entre as diferentes espécies de hominídeos, facto que traz à tona as diferenças raciais entre a espécie humana. Alguns estudiosos apontam, por exemplo, o factor genético do neanderthal como tendo influência directa na produção de ferramentas e na coesão dos respectivos clãs (via maior abundância de proteína derivada da caça em grupo), que teria levado à fundação de núcleos tribais mais numerosos, percursores de sociedades arcaicas com traços culturais muito mais avançados do que as populações africanas por exemplo.

  2. Ai, ai, ai, ai, ai… Então… se eles andaram à “porrada” com humanos modernos por que carga de água é que na imagem aparece o pessoal a malhar num rinoceronte jurássico?

  3. 100 000 Anos em guerra… certo..
    Pensem bem no que está a ser dito no artigo!
    100 Anos albergam quantas gerações?
    Já 1000 ou 2000 Anos nos fazem pensar em tantas e tantas mudanças radicais na história da humanidade e lançam um número como 100 000 Anos e associam esse intervalo de tempo a uma guerra que levou à extinção de uma sub espécie Humana? Por amor de Deus…… 100 000 anos a guerrear é obra! Esse numero é ridiculamente gigante! Sem comentários.

    Eu diria que sim, que de certeza que houve confrontação e tentativa de dominar entre as duas espécies, mas a extinção de uma em relação à outra teria mais lógica sendo por questões relacionadas à capacidade de adaptação. Se houve uma idade do gelo em que uma das espécies não se adaptou, é o suficiente para que uma delas desapareça. E de certeza que houve mistura genética pois já se fizeram estudos em que demonstram a existência de caracteristicas de ambas as espécies nos dias de hoje. Eu diria até que em alguns casos terá havido cooperação e interação. Há inumeros documentários que falam sobre isto.

    • Caro leitor,
      Obrigado pelo seu reparo.
      Os neandertais viveram num período que se estima entre há 130 mil anos e 40 mil anos. Ou seja, 100 mil anos em guerra com os humanos talvez seja excessivo — no máximo, deverá ter sido uns 90 mil anos.

RESPONDER

Recorde: Palmeiras de Abel rematou... 36 vezes num jogo

Um "massacre" da equipa de Abel Ferreira, que conseguiu uma vitória difícil contra o Sport. O Palmeiras prolongou a série positiva no Brasileirão. A equipa de Abel Ferreira chegou à terceira vitória consecutiva no campeonato, levando …

A vitória em Barcelona deve ajudar...a bilheteira do Real Madrid

O máximo que o Santiago Bernabéu registou nesta época foi 24 mil espectadores. Com condicionantes. O renovado Estádio Santiago Bernabéu já acolheu três jogos do Real Madrid nesta temporada mas muitas cadeiras ficaram vazias. O mítico palco …

Mais três mortes e 829 novos casos por covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal conta mais mais 1284 recuperados. A maioria dos novos casos são em Lisboa e Vale do Tejo e no Centro. Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais três mortes e 829 casos de infecção pelo …

Operação Marquês. Relação de Lisboa obriga Ivo Rosa a admitir o recurso do MP e a ficar com os autos da não pronúncia

O Tribunal da Relação de Lisboa decidiu que o juiz de instrução criminal tem de continuar a ser responsável por parte do megaprocesso da Operação Marquês, contra a vontade do magistrado. O Tribunal da Relação de …

OE2022: Catarina Martins diz que Governo “talvez queira” uma crise política

A coordenadora do BE, Catarina Martins, acusou hoje o PS de não querer uma solução para o Orçamento do Estado, considerando que o Governo “talvez queira” uma crise política e eleições antecipadas, o que será …

Nova maternidade de Gaia entra em funcionamento em janeiro de 2022

Vila Mova de Gaia está prestes a ter uma nova maternidade. Espera-se que as obras fiquem concluídas em dezembro deste ano. O funcionamento deverá ter início em janeiro de 2022. Rui Guimarães, presidente do Conselho de …

Teste à covid-19

Investigadores descobrem marcador biológico que antecipa prognóstico de covid-19

Um grupo internacional de investigadores no qual estiveram envolvidos especialistas da Fundação Champalimaud descobriu um marcador biológico com potencial para dar prognóstico da gravidade da covid-19, com a deteção do marcador a resultar de um …

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque

Nem as regiões autónomas são boia de salvação. PSD Açores e PSD Madeira contra OE2022

As regiões autónomas têm historial de votar de forma diferente o Orçamento do Estado, caso seja essa a indicação da comissão política regional e se houver ganhos para a região. Desta vez, parece não ser …

Vulcão, La Palma

Mais lava em movimento. Vulcão de La Palma abre nova boca eruptiva

Um novo desabamento do cone do vulcão de La Palma (Canárias) está a fazer com que uma grande quantidade de lava se desloque, principalmente em direção ao oeste, sobre o fluxo primário de lava. Durante as …

Espanha propõe "solução revolucionária" para baixar preço da luz (e pode beneficiar Portugal)

"Tempos excepcionais exigem medidas excepcionais". É desta forma que Espanha vai propor à Comissão Europeia, na reunião extraordinária desta terça-feira, uma "solução revolucionária" para acabar com a escalada de preços na energia. E os portugueses …