Nasceu o primeiro organismo semi-sintético do mundo (e com ADN completamente diferente)

(dr) ZEISS Microscopy

-

Uma equipa de cientistas criou o primeiro organismo “semi-sintético” do mundo –  mais precisamente, bactérias E. coli com código genético expandido de seis letras.

Todos os seres vivos na Terra são formados de acordo “instruções de fabrico” codificadas numa cadeia de ADN com um código composto por quatro amino-acidos base, representados pelas letras G, T, C e A – o chamado “alfabeto do Código Genético”.

Mas agora, uma equipa de investigadores criou um tipo bactérias E.coli modificadas com ADN completamente diferente, cujo ADN conta com duas “letras” adicionais, X e Y.

Organismo semi-sintético

A equipa de investigadores, liderada por Floyd Romesberg, do Instituto de Pesquisa Scripps, na Califórnia, EUA, desenvolveu dois nucleotídeos sintéticos – moléculas que servem como blocos de construção do ADN e do RNA, o ácido ribonucléico, que faz de “mensageiro” entre o ADN e as proteínas.

Com estes nucleotídeos sintéticos, os investigadores criaram um par de “bases” adicional e  conseguiram inseri-lo com sucesso no código genético das E. coli.

Estes são os primeiros organismos semi-sintéticos do mundo, com um código genético formado por dois pares de bases naturais e um par extra de bases “estranhas”, uma forma estável de vida que lança as bases para novas formas e funções nos seres vivos.

“Com a capacidade virtualmente sem restrições de aumentar a informação transmitida, este organismo semi-sintético optimizado fornece agora uma plataforma adequada para criar organismos com atributos e traços totalmente não naturais e que não se encontram em lado nenhum na natureza”, explicam os investigadores.

O estudo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Como tudo começou

Em 2014, a equipa conseguiu fabricar, com sucesso, um par de bases de ADN sintético, X e Y, que pode ser inserido num organismo vivo. No entanto, as bactérias manipuladas eram fracas e doentes, e morriam logo após receberem o seu novo par de bases, porque não conseguiam mantê-lo enquanto se dividiam.

O genoma de um ser vivo não pode ser estável apenas por um dia, tem que o ser por toda a vida. Logo, para o organismo semi-sintético ser realmente um organismo tinha que ser capaz de manter essa informação de forma estável.

Novas pesquisas

Ao longo dos anos que se seguiram, a equipa desenvolveu três métodos para criar uma nova versão da bactéria E. coli que segurasse o seu novo par de bases indefinidamente.

O primeiro passo foi construir uma versão melhor de uma ferramenta chamada transportador de nucleotídeo, que conduz peças do par de bases sintéticas para o ADN da bactéria e as insere no lugar certo no código genético.

Quando os pesquisadores alteraram o transportador para ser menos tóxico, a bactéria parou de ter uma reacção adversa.

De seguida, mudaram a molécula originalmente usada para fazer a base Y e descobriram que ela poderia ser, mais facilmente, reconhecida por enzimas nas bactérias que sintetizam moléculas de ADN durante a replicação.

Madprime / Wikimedia

Uma cadeia normal de ADN é composta por sequências de pares de nucleótidos CG / AT, ou seja, a Citosina emparelha com a Guanina e a Adenina emparelha com a Timina

Uma cadeia normal de ADN é composta por sequências de pares de nucleótidos CG / AT, ou seja, a Citosina emparelha com a Guanina e a Adenina emparelha com a Timina

Finalmente, a equipa usou uma revolucionária ferramenta de edição de genes, a CRISPR-Cas9, para impedir que a E. coli registasse as moléculas X e Y como “invasoras” estrangeiras.

Agora, a E. coli modificada é saudável, mais autónoma e capaz de armazenar indefinidamente o aumento da informação do novo par de bases sintéticas.

Tornamos este organismo semi-sintético mais parecido com a vida“, refere Romesberg.

Não há motivo para preocupação (ainda)

Tem havido muita preocupação em torno do potencial impacto que este tipo de tecnologia pode vir a ter.

Já em 2014, Jim Thomas, do ETC Group, uma organização canadiana que visa abordar as questões sócio-económicas e ecológicas em torno de novas tecnologias, disse ao jornal norte-americano The New York Times que a chegada desta forma de vida sem precedentes poderia, com o tempo, ter implicações éticas, legais e regulatórias de longo alcance.

Mas Romesberg diz que não há necessidade de preocupação, pelo menos, para já, porque, antes de mais, o par de bases sintéticas é inútil. Ele não pode ser lido, nem processado em algo de valor pelas bactérias – é apenas uma prova de conceito que mostra que uma forma de vida pode assumir bases de ADN “alienígenas”.

De resto, estas moléculas não foram projectadas para funcionar em organismos complexos, e visto que não são nada parecidas com o que se encontra na natureza, há poucas possibilidades de que possam sair do controlo.

O próximo passo da pesquisa é inserir um par de bases de ADN realmente legível nos novos organismos, para que as bactérias possam de facto fazer algo com ele.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …

Relógio em Nova Iorque mostra o tempo restante para reverter efeitos do aquecimento global

O Metronome, icónico relógio digital de Nova Iorque, deixou de mostrar o tempo do dia-a-dia e mostra agora o tempo restante que o nosso planeta tem para reverter os efeitos do aquecimento global. O relógio digital …