NASA quer lançar o foguetão mais poderoso de sempre já em 2019

A NASA está a preparar os últimos detalhes para o lançamento da Orion, a sua nova nave espacial. A missão envolve o Space Launch System, o foguetão mais poderoso de sempre.

Ao que tudo indica, a missão da Orion, a nave de exploração espacial desenvolvida pela NASA para transportar astronautas à Lua, a Marte e a asteróides próximos, irá começar já no próximo ano, com o lançamento daquele que é o foguetão mais poderoso de sempre: o Space Launch System.

O foguetão será o primeiro passo para a Orion iniciar a sua trajetória em torno da Lua e de regresso à Terra. Durante a viagem, que irá durar 25 dias, vão ser percorridos quase 400 mil quilómetros a uma velocidade de quase 40 km/h.

O segundo passo baseia-se num novo lançamento, previsto para o início da década de 2020, mas desta vez com humanos a bordo. Será a primeira missão tripulada da NASA, numa nave espacial própria, desde o encerramento do programa Space Shuttle, em 2011.

Segundo a Exame Informática, as duas missões têm como objetivo lançar as bases de uma plataforma que permita à NASA enviar astronautas para a exploração de asteróides, e levar o Homem a Marte – ou mesmo a outros planetas mais distantes.

Os especialistas da NASA afirmam que o lançamento está previsto para dezembro de 2019. No entanto, os engenheiros da agência espacial norte-americana reconhecem a possibilidade de o SLS ser lançado só em junho de 2020.

Embora a maioria dos projetos da NASA se encontrem em desenvolvimento, a agência espacial norte-americana faz uso da sua experiência de construção para melhorar a eficiência da produção e da organização do processo.

Recentemente, o fotógrafo Vincent Fournier, da revista Wired, passou 20 dias, em exclusivo, nas instalações onde está a ser preparada a missão. Segundo o fotógrafo, estão a ser realizados vários testes para testar o desempenho do Space Launch System.

Todas as peças estão a ser modeladas de forma a entender como a vibração dos motores as pode afetar. Os engenheiros estão, também, a criar réplicas do foguetão que serão testadas em túneis de vento, para aferirem o seu comportamento.

Uma das réplicas é um modelo à escala, que mede apenas um metro, e será pintada de cor-de-rosa para brilhar sob a luz negra com maior intensidade, conforme a quantidade de oxigénio que atinja.

Nestes testes, o oxigénio serve de substituto para a pressão e ajuda a entender exatamente onde é que o foguetão será sujeito a um maior desgaste.

Os depósitos de combustível são construídos com cilindros de metal a roda em peças de alumínio que, depois de fundidos, serão analisados à luz de ultrassons e raios-X.

Todo este processo implica grande rigor e, sobretudo, tempo. O tanque de hidrogénio, por exemplo, demora cerca de três dias a ser movido da horizontal para a vertical e implica o uso de duas gruas orientadas por GPS e um sistema de alinhamento a laser.

Certo é que, mais cedo ou mais tarde, a NASA irá lançar o foguete mais poderoso de sempre – com a missão de levar de novo ao espaço uma missão tripulada com astronautas seus.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Eu tenho um mercedes antigo, que já tem 800 000 km, e ainda fazia mais esses 400 000 ao dobro da velocidade que vocês dizem que a NASA vai pôr o foguetão a atingir (40km/h !) … A mim 40km/h parece-me pouco… até porque lá não se aplica o código da estrada, pois não as há!… A NASA que fale com a mercedes… ou comigo… aquilo é bem espaçoso e tem uma bela bagageira… arrangem-me um fato e eu levo a malta! 🙂

    • “Durante a viagem, que irá durar 25 dias, vão ser percorridos quase 400 mil quilómetros a uma velocidade de quase 40 km/h.”

      Ok. Eu levo as bujecas…muitas mesmo que isto vai durar…

RESPONDER

Astrónomos descobrem uma super-Terra perto de uma estrela gelada

Uma equipa de investigadores descobriu uma super-Terra a orbitar GJ 740, uma estrela anã fria localizada a cerca de 36 anos-luz do nosso planeta. Nos últimos anos, os cientistas têm levado a cabo uma busca exaustiva …

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …

Já se sabe o que causou a misteriosa "tempestade de asma", que vitimou dez pessoas em 2016

Em 2016, na cidade de Melbourne, aconteceu o evento de "tempestade de asma" mais grave do mundo. Os cientistas descobriram agora o culpado. No dia 21 de novembro de 2016, as urgências de um hospital em …