Mudança drástica no Ártico. Com o degelo, a região está a tornar-se cada vez mais verde

Eric Post / UC Davis

O gelo marinho do Ártico tem tido um acentuado decréscimo nas últimas duas décadas. Agora, um novo estudo mostra que à medida que o gelo marinho desaparece, o Ártico está a tornar-se cada vez mais verde e castanho.

O declínio do gelo marinho é um fator de peso nas mudanças climáticas. Na região do Ártico tem contribuído bastante para o aquecimento global, mas está também a dar origem a um novo fenómeno que se carateriza por um cenário onde se encontra cada vez menos gelo e mais tundra – trata-se da formação vegetal mais degradada e pobre da superfície da Terra, é muito rasteira pois tem apenas com alguns centímetros de altura e é constituída por ervas, musgos e líquenes.

No entanto, o papel que a dinâmica do gelo marinho desempenha em impulsionar as mudanças na vegetação terrestre ainda é relativamente pouco estudado, realça o Phys.

Para realizar o estudo, que foi publicado no jornal PNAS no dia 15 de dezembro, uma equipa internacional liderada por Agata Buchwal, reuniu 23 cronologias de arbustos e investigou a sua relação com as mudanças na extensão do gelo marinho, temperatura do ar e precipitação. O conjunto de dados incluiu bétulas e salgueiros do Alasca, do Ártico canadense, Gronelândia, Svalbard e Sibéria.

“Este tipo de vegetação não deverá anunciar os efeitos da mudança climática no Ártico”, disse Buchwal. “Em vez disso registam pacientemente as suas respostas às mudanças nos seus anéis de crescimento. E é nossa função aprender com os seus registos”, explicou.

O estudo descobriu que a maioria dos arbustos do Ártico “aproveita” o aquecimento induzido pelo declínio do gelo marinho para aumentar o seu crescimento. Ainda assim, um vasto grupo de arbustos diminuiu progressivamente o seu crescimento durante o período de perda do gelo marinho, pois este tipo de arbustos têm tendência a viver em áreas mais secas.

As descobertas agora apresentadas têm implicações locais e globais a nível das mudanças climáticas, incluindo o potencial de absorção de carbono e os efeitos do albedo (processo onde o gelo nos polos funciona como um espelho para as radiações solares que chegam à Terra, sendo que se a sua superfície diminuir, a temperatura média do planeta vai aumentar).

As áreas dominadas por tundra que apresentam maior crescimento podem absorver e armazenar mais carbono. Enquanto isso, as regiões com menos crescimento podem sofrer mais perda de carbono para a atmosfera.

“As mudanças climáticas estão a alterar fundamentalmente o próprio caráter do Ártico”, frisou o co-autor Eric Post, ecologista da UC Davis.

O especialista garante que “este novo estudo combina duas áreas de foco: perda de gelo marinho e crescimento de arbustos de tundra”. Ainda assim, a equipa garante, no seu estudo, que o assunto é merecedor de novas e mais detalhadas investigações.

  AMM // ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …