Nem os mortos escapam aos efeitos das alterações climáticas

As alterações climáticas estão a tornar-se num problema para diversos cemitérios localizados em zonas como a Califórnia, onde os incêndios levam à desintegração de lápides, ou no Luisiana, onde há caixões a flutuarem durante as inundações.

Há cemitérios cuja viabilidade está ameaçada a médio e longo prazo, de acordo com os alertas de responsáveis da área nos EUA.

As tempestades severas e as inundações que se seguem, também provocadas pelo derretimento da permafrost do Alasca, estão a criar novos problemas aos coveiros de zonas como o Luisiana. Neste Estado norte-americano, os caixões já são, habitualmente, colocados em túmulos selados situados acima do solo. Mas a humidade provocada pelas inundações acaba, muitas vezes, por desselar os túmulos, com os caixões a caírem para as águas.

Uma das principais tarefas de alguns dos funcionários dos cemitérios locais tem sido, nos últimos anos, “caçar” os caixões que são arrastados pelas cheias. Em épocas de furacões, são, por vezes, obrigados a atar caixões flutuantes a árvores e postes de luz para não os perderem de vista no meio das inundações.

Com o aumento do nível dos mares, a água está a ser arrastada até locais onde não era habitual, e a erosão da terra está a destapar sepulturas nalguns cemitérios.

“Quando se começa a falar de nível do mar, há literalmente centenas, se não milhares, de cemitérios que, em última instância, serão afectados”, revela Michael Trinkley, director da Fundação Chicora que se dedica à preservação histórica na Carolina do Sul, em declarações citadas pela Scientific American.

E resolver o problema não é nada fácil. A relocalização dos cemitérios ameaçados é uma alternativa, mas que pode ser demasiado dispendiosa, além de levantar questões éticas e legais.

“Há tantas regulações nos cemitérios que é bastante difícil simplesmente pegar e mudá-los”, frisa na mesma publicação Poul Lemasters, conselheiro geral da Associação Internacional de Cemitérios, Cremação e Funerais.

“Muitos cemitérios, se estiverem numa área má, vão continuar nessa área má”, constata Lemasters. “Em termos de inundação, há muito, muito poucas opções“, acrescenta Trinkley, reforçando que a única solução é garantir que os novos cemitérios projectados não enfrentem o mesmo problema.

Alguns cemitérios são geridos por privados que já têm dificuldades em fazer a manutenção rotineira, a partir do momento em que não há mais sepulturas para vender. “Ocasionalmente, recebemos chamadas de pessoas a tentarem perceber quem podem chamar para ir aos seus cemitérios lidar com estes caixões flutuantes”, revela Trinkley.

Por outro lado, os apoios governamentais costumam ser direccionados para as infraestruturas que apoiam os vivos e que estão também a sofrer com as alterações climáticas, como é o caso de hospitais e estradas.

“Se o cemitério desaparece [debaixo da água], a maioria das pessoas não fica terrivelmente preocupada”, “mas se começam a ver corpos à medida que passam, então ficam perturbadas”, reforça Trinkley, vincando que essa situação levará a enfrentar o problema com mais seriedade.

Além da homenagem aos entes queridos falecidos, os cemitérios têm um valor histórico, guardando registos antropológicos que estão em risco de desaparecer. Os cemitérios oferecem pistas essenciais em termos de dados sobre as dietas das pessoas enterradas, do ambiente em que viveram e dos traumas que sofreram, entre outras informações.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Estou a ver que a solução é mesmo não morrer para evitar mais problemas e assim sempre aumentará o egocentrismo daqueles que teimam que tudo está bem e que no mundo quantos mais formos melhor.

RESPONDER

Chris recebeu um transplante (e o ADN do doador instalou-se em partes inesperadas do seu corpo)

Chris Long recebeu um transplante de medula óssea como tratamento para o seu diagnóstico recente de leucemia mielóide aguda e síndromes mielodisplásicas - duas condições raras que prejudicam a produção de células sanguíneas saudáveis. Quatro anos …

Startup do Porto "ganha" 6 milhões de euros para criar os gémeos digitais dos humanos

A startup portuguesa MyDidimo conseguiu um investimento de 6 milhões de euros, graças a um grupo de empresas portuguesas e de fundos comunitários, para apostar no desenvolvimento da tecnologia que permite criar "gémeos digitais" de …

A "ilha dos deuses" do Japão vai cobrar bilhete de entrada aos turistas

Depois de locais como Veneza, em Itália, e a ilha dos dragões de Komodo, na Indonésia, também Miyajima, a "ilha dos deuses" do Japão, irá cobrar bilhete de entrada aos turistas. A ilha localiza-se a uma …

LASK 3-0 Sporting | Derrota rouba primeiro lugar ao leão

O Sporting foi à Áustria perder por 3-0 com o LASK Linz, terminando o Grupo D da Liga Europa no segundo lugar, ultrapassado precisamente pelo seu adversário desta quinta-feira. Com muitas alterações em relação ao …

Eintracht 2-3 Vitória SC | Reviravolta épica no adeus europeu

O Vitória de Guimarães fechou da melhor forma uma campanha europeia que não tinha sido a mais feliz até então, pese as boas exibições que foi somando, sem consequência nos marcadores finais. O Vitória de Guimarães, …

Argentina concede estatuto de refugiado a Evo Morales

O ex-Presidente da Bolívia, Evo Morales, chegou esta quinta-feira à Argentina procedente de Cuba, onde esteve para realizar uma consulta médica, e deverá permanecer no país, confirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros argentino, Felipe Solá. "Evo …

Conselheiro de Trump criou perito fictício para discutir a China (e até o cita nos livros)

O principal conselheiro em política comercial da Casa Branca criou uma personagem fictícia, com um pseudónimo, para lançar discussões sobre o conflito comercial sino-norte-americano. De acordo com o jornal norte-americano New York Times, que avançou a …

Ataque a base militar no Níger faz mais de 70 mortos

Pelo menos 73 soldados nigerinos morreram num ataque a uma base militar em Inates, perto da fronteira com o Mali, na noite de terça-feira. De acordo com os números do exército do Níger, pelo menos …

Nem vegans, nem vegetarianos. É a dieta flexitariana que está a ganhar terreno em Portugal

Cerca de 9% da população portuguesa adoptou uma alimentação veggie, apostando no consumo de vegetais. Mas a nova tendência não são nem os vegetarianos que excluem a carne e o peixe da sua alimentação, nem …

Caretos de Podence elevados a Património Imaterial da Humanidade da UNESCO

Os Caretos de Podence foram declarados, esta quinta-feira, Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO. A decisão foi anunciada na Assembleia Geral da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, que decorre até sábado, em …