Moradores de Carnide arrancam parquímetros da EMEL

Mário Cruz / Lusa

Cerca de duas centenas de moradores de Carnide, em Benfica, juntaram-se esta noite para arrancar os sete parquímetros da EMEL colocados na zona histórica do bairro, alegando que estes lhes foram impostos sem uma consulta prévia.

O presidente da Junta de Freguesia de Carnide, Fábio Sousa, disse que esta “ação popular” nasceu de forma espontânea entre os moradores da zona, que se sentem injustiçados com a colocação dos parquímetros por parte da EMEL – Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, “sem uma consulta pública”.

Para esta tarefa de remoção, os moradores dizem-se “munidos das próprias mãos” e de uma enorme vontade de “remover uma injustiça” que foi imposta pela EMEL.

Cerca das 00:00, o presidente da Junta de Carnide disse que já tinham sido retirados quatro dos sete parquímetros da zona histórica, mas garantindo que não foram danificados nem vandalizados, já que estes cidadãos em protesto “são pessoas de bem” que apenas querem fazer valer os seus direitos nas decisões para a zona onde habitam.

Confrontado sobre se esta ação poderia representar um crime de destruição de propriedade pública, Fábio Sousa disse entender que não, uma fez que a intenção dos moradores “é retirá-los e devolvê-los a quem os impôs” sem questionar a junta ou os moradores.

Retirada não é vandalização“, ouvia-se pelo telefone uma moradora a acrescentar, durante a conversa da Lusa com o presidente da junta.

Fábio Sousa explicou que os sete parquímetros serão levados para os Paços do Concelho “sob a guarda da população e da junta” e que os moradores pretendem entregá-los esta quinta-feira ao presidente da autarquia de Lisboa, Fernando Medina.

EMEL garante que a população estava informada

A EMEL garante que a população e a Junta de Freguesia de Carnide estavam informadas da colocação dos parquímetros retirados pelos munícipes durante a noite em protesto.

Helena Carvalho, diretora de Institucionais e Cidadania da EMEL, estranhou a posição do presidente da Junta de Freguesia, afirmando que o autarca não se manifestou contra quando se falou do assunto na reunião descentralizada ocorrida em janeiro.

À Lusa, a responsável contou que a EMEL já desde janeiro tinha autorização do presidente da Câmara de Lisboa para entrar nesta zona de Carnide, “muito pressionada sob o ponto de vista do estacionamento”.

Helena Carvalho explicou que a população também foi informada pela EMEL, através de flyers e de um pequeno jornal, “onde eram explicadas as vantagens das alterações e a aconselhar os moradores a tratar do dístico de morador para estacionamento”.

“Fizemos inclusive ações de sensibilização, onde as pessoas eram informadas mas não havia ainda multas. Quando começaram as pinturas no chão é que os problemas começaram a surgir”, explicou.

“Toda a gente estava informada. Parece-me que o presidente da junta mudou de opinião de janeiro para cá, provavelmente por outras questões que queria ver resolvidas na sua freguesia pela câmara municipal, mas isso não é matéria da competência da EMEL”, acrescentou.

Câmara de Lisboa já mandou reinstalar os parquímetros

Num comunicado, a CML realça que “foi surpreendida, esta madrugada, com as imagens da vandalização de parquímetros que a EMEL tinha acabado de colocar no centro histórico de Carnide”.

“É um ato grave e inédito, de deliberada danificação de património municipal, e um ato inaceitável num estado de direito”, considerou a autarquia, realçando que “foram dadas indicações para a EMEL iniciar o processo de reinstalação imediata dos parquímetros nos locais previstos e para envio imediato às autoridades policiais e ao Ministério Público de toda a informação recolhida”.

A Câmara destacou que “a entrada da EMEL no centro histórico de Carnide já se encontrava prevista e aprovada pelos órgãos municipais” para “dar resposta positiva aos alertas de moradores para o agravamento da situação do estacionamento nesta zona e teve o apoio expresso do presidente da Junta de Freguesia na reunião descentralizada de 11 de janeiro de 2017”.

A CML salientou ainda que o zonamento da EMEL com dístico para residentes “visa melhorar a tranquilidade, conforto e facilidade de estacionamento dos moradores, pois é dissuasora do estacionamento de não residentes”.

A Câmara afirmou que 43 lugares em quatro ruas vão ser exclusivos para residentes, a que se junta “o estacionamento gratuito na zona 45, na Quinta da Luz, e avenças mensais, em condições favoráveis, no Parque da Rua D. Ana de Castro Osório”.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Exato, digam o que disser, cobrar dinheiro por estacionar o carro fora de parques especificos para tal, é mesmo abuso. Arranjar soluções para que o povo não pague mais do que deve é mentira.

RESPONDER

Espiões podem estar a usar o LinkedIn para recrutar novos contactos

O LinkedIn é uma rede social de negócios, mas espiões podem estar a usá-la para encontrar novos contactos. Os espiões estarão a usar perfis falsos, gerados por inteligências artificial. Apesar de ser uma rede social bem …

Mercado de compras online pode não ser tão lucrativo quanto se pensa (e pode estar perto do fim)

Muitas pessoas provavelmente presumem que as lojas online estão a fazer uma fortuna, mas a realidade é bem diferente. Muitas atividades de comércio eletrónico são, na verdade, não lucrativas. Se as pessoas tivessem que pagar o …

Canábis já era fumada há pelo menos 2.500 anos

Uma descoberta nos túmulos do cemitério Jirzankal, no oeste da China, mostra que os povos que viviam nessa zona montanhosa já queimavam canábis com elevados níveis de THC. Uma equipa de arqueólogos encontrou pequenos artefactos de madeira …

Estado angolano exige 25 milhões de euros ao general Dino

O Estado angolano exige ao general Leopoldino Fragoso do Nascimento, mais conhecido por Dino e um dos homens de confiança do ex-presidente José Eduardo dos Santos, o pagamento de 29 milhões de dólares (25 milhões …

Procuradora dos "Cinco de Central Park" deixa de lecionar Direito após série da Netflix

Elizabeth Lederer, a procuradora principal do caso dos "Cinco de Central Park", que resultou na condenação injusta de jovens negros e latinos por violação, disse que vai deixar de lecionar Direito na Universidade de Columbia, …

A água da torneira de uma cidade americana ficou repentinamente cor-de-rosa

Os residentes de Coal Grove, no Ohio, foram surpreendidos por água cor-de-rosa a sair das torneiras das suas casas. O problema esteve relacionado com uma avaria na bomba da estação de tratamento da água. Nenhum habitante de …

Hospital Pulido Valente sem anestesistas na escala este fim de semana

Médicos do Hospital Pulido Valente, em Lisboa, foram este sábado surpreendidos com a falta de anestesistas na escala deste fim de semana e manifestam preocupação com o impacto da decisão nos doentes internados. O coordenador da …

Na Suécia, há quem tenha "vergonha" de andar de avião

Viajar de avião ou usar outro meio de transporte? Para muitos, essa pergunta vem de um dilema ético, de pessoas preocupadas com o impacto da aviação nas mudanças climáticas. Nenhum país, contudo, levou esse dilema tão …

EUA. Governo separa famílias de imigrantes ilegais e envia as crianças para antiga base militar

O internamento de nipo-americanos durante a Segunda Guerra Mundial sempre permaneceu uma mancha terrível nos livros de história dos Estados Unidos (EUA). Cerca 120 mil pessoas foram mantidas à força em várias dessas instalações entre …

Morreu o cineasta italiano Franco Zeffirelli

O cineasta italiano Franco Zeffirelli morreu, na sua casa, em Roma, aos 96 anos, noticiou este sábado a imprensa italiana. “O desaparecimento ocorreu no final de uma longa doença. O mestre vai descansar no cemitério de …